Ela morava na frente do cinema | Cabine Cultural
Críticas

Ela morava na frente do cinema

Ela morava na frente do cinema

Ela morava na frente do cinema

Uma das gratas surpresas do VII Panorama Internacional Coisa de Cinema, o curta-metragem do pernambucano Leonardo Lacca saiu do evento levando consigo uma menção honrosa, concedida à atriz Renata Roberta, protagonista da história.

A trama gira em torno da personagem Renata, é sobre sua leitura de mundo que a história centra-se. Assim, a câmera segue-a por todo instante, seja numa ida à assistência técnica de aparelhos eletrônicos, seja no dia a dia de seu trabalho, como atendente numa cafeteria. O filme busca trabalhar o conceito de mudança, seja esta espacial ou comportamental. Neste sentido, ele dialoga bem com a cidade grande, com o urbano, sempre em constante tranformação. Mas aqui o ter que mudar muitas vezes é confrontado com o não conseguir realizar tais mudanças.

Leia também:  Crítica: Power Rangers estreia e nós respondemos: é ruim, bom ou ótimo?

Esta perspectiva é observada de forma latente já em uma das cenas iniciais, onde o espectador acompanha ela carregando consigo um aparelho de vídeo cassete para o conserto; nesta emblemática e metafórica sequência (possuidora de um possível mistério), nota-se a personagem ainda presa ao passado. A fita VHS em suas mãos simboliza bem esta idéia. Em outro momento, ela (já em seu trabalho) serve cafés e observa a circulação de clientes, que ficam ali por um tempo e logo após continuam suas vidas, enquanto que Renata, presa àquele mundo, não muda, numa visível contraposição com tudo que a cerca.

Leia também:  Crítica Jonas e o Circo sem Lona, de Paula Gomes

Observa-se também ela em uma complicada relação amorosa, pois tudo indica que sua companheira está prestes a partir, trazendo à tona mais uma vez a idéia de mudança, e novamente Renata não é a responsável por tal ação. Esta cena, por sinal, é uma das mais admiráveis do filme, com um trabalho de câmera muito bem realizado, focando, ora uma, ora outra personagem, de um modo sutíl e detalhista.

Outro destaque da trama se apresenta em sua sequência final, numa feliz montagem que intercala dois mundos – o real e o fantasioso – onde Renata interage e compõe o ambiente através da tela de uma sala de cinema. Esta cena, muito bem produzida, consegue fechar com força o curta-metragem de Leonardo Lacca.

Leia também:  Rogue One: Uma História Star Wars - A maior saga de todos os tempos

* Visto no VII Panorama Internacional Coisa de Cinema.


Deixe uma resposta