Diário de Bordo - O Seminarista Parte Um
Cinema

Diário de Bordo Seabra – Fevereiro (Parte Um)

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

o seminarista

Diário de Bordo – O Seminarista, de Mauricio Amorim.

Antes de relatar os acontecimentos de fevereiro do processo de filmagens de O Seminarista (segundo longa-metragem do cineasta Maurício Amorim) devo mencionar que no dia 31 de janeiro o ator Edson Cardoso gravou suas últimas cenas, todas nos aposentos da Universidade Estadual da Bahia (UNEB – Seabra). As sequências filmadas, uma na biblioteca e outra em uma sala de aula, saíram como o previsto e não houve nenhum tipo de problema externo. Assim, Edson despediu-se da equipe naquela mesma tarde e deixou o restante do elenco e produção para voltar-se para os seus outros trabalhos profissionais.

Neste mesmo dia desencadeava uma greve da Polícia Militar em Salvador, o que mostrou-se (e mostra-se) com tempo um dos mais graves eventos deste início de ano, mas que em Seabra não havia ainda ruído algum sobre o assunto.

Fevereiro
Fevereiro chegou e logo em seu primeiro dia um dos momentos mais gratificantes (e cansativos) desta pequena jornada: viagens para três locações nos arredores da cidade de Seabra. Primeiro a equipe foi para a cidade de Palmeiras e lá chegando – por volta das 11:30 da manhã – acomodou-se e esperou (haja espera) pela VAN que iria deixar o elenco na primeira locação do dia. Mais alguns minutos e chegamos ao lugar onde seria gravada a primeira cena da tarde, uma estrada antiga e mal acabada, um casarão com histórias das mais interessantes e toda uma área externa, onde seria gravada uma das cenas mais esperadas até então. A cena em questão, um estupro, necessitaria de muita atenção e concentração, principalmente para os dois protagonistas dela, Bruno Neves e Erica Souza.

Havia uma preocupação com esta sequência, primeiro por conta do estado físico do ator Bruno Neves (problemas no joelho) e depois por se tratar de uma sequência já rodada semanas antes, necessitaria de um ótimo trabalho de continuidade. Alguns problemas ocorreram neste sentido, mas nada que atrapalhasse as gravações. Uma pausa na gravação e lá fomos nós visitar o casarão (foto) que também serve de cenário para a história. Este lugar possui toda uma lenda (seria realmente uma lenda?)… que há tempos foi local de uma série de assassinatos por parte de seu antigo dono, um matador profissional. Não dá para ter absoluta certeza da veracidade das informações, mas é certo que lá por dentro a energia evocada é das mais estranhas. Como contraste ao estado da casa, há logo em sua frente um pequeno (mas vivíssimo) pé de pimenta, bem vermelho e bonito. Trouxe uma como lembrança, mas já fui avisado que a decisão foi não somente equivocada, mas desastrosa (energias negativas, azar, etc.). Verei um jeito de me livrar dela.

Terminando as filmagens desta sequência do estupro, partimos para outra locação, mais uns 15 minutos de viagem e lá estávamos nós na casinha que na história do filme pertence à família de Margarida (Erica Souza). Já passava das 18 horas, a equipe trabalhava dividida em três frentes: a maquiagem do elenco, o trabalho de arte na casa e a preparação dos equipamentos. Tudo pronto, já era noite e começaram as gravações de mais uma sequência do filme. Nela, a personagem Lourdes (Angel Marques) confronta mãe e filha (Cristtiane Lacerda e Erica Souza). Três atrizes em cena, algumas tomadas feitas e finaliza-se mais uma pequena parte de O Seminarista.

Continua…


  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Deixe uma resposta