Festival Internacional Vivadança 2012 | Cabine Cultural
Agenda Dança

Festival Internacional Vivadança 2012

Vivadança 2012

Vivadança 2012

Festival Internacional Vivadança 2012!!!

Uma amostra da atual produção de dança em diversas partes do mundo vai ser apresentada e discutida em Salvador, durante o VIVADANÇA Festival Internacional, que, pelo sexto ano consecutivo, ocupa todo o mês de abril, com programação diária dedicada às linguagens da dança e seus caminhos, refletindo as inquietações artísticas e os meios de produção, diálogo e difusão que envolvem o segmento.

Ao todo, profissionais de 18 países participam do festival, entre artistas, pesquisadores, professores, curadores e fomentadores culturais. Eles se distribuem numa extensa programação que inclui apresentações de espetáculos,  exibição de vídeos (documentários ou videodanças), exposições e intervenções de artes visuais, oficinas e atividades reflexivas como debates e mesas-redondas.

Pela primeira vez na história do VIVADANÇA, parte da programação de espetáculo será apresentada também nas cidades de Belo Horizonte e Brasília, na primeira semana de maio, em mostras simultâneas que envolvem atrações internacionais e das três localidades que abrigam o festival – Bahia, Minas Gerais e Distrito Federal.   A iniciativa é uma forma de “criar e fortalecer redes” e também aproveitar melhor a vinda ao Brasil de artistas estrangeiros, para que eles se apresentem em outras capitais do país, como destaca Cristina Castro, diretora artística do festival.

O VIVADANÇA tem patrocínio da Oi, através do Fazcultura, Secretaria da Fazenda, Secretaria da Cultura do Estado e Governo da Bahia; Chesf e BNDES, através da Lei Rouanet, CAIXA e Governo Federal; apoio cultural da Oi Futuro e Fundação Cultural do Estado da Bahia. A realização é da Baobá Produções Artísticas e do Teatro Vila Velha.

Identidades e intercâmbios– Entre as atrações internacionais que participam do festival, estão o coreógrafo e dançarino José Chalons, da Martinica, com uma proposta que promove uma conexão entre as culturas africana e japonesa, denominada de afro-butô. De Israel, o coreógrafo Idan Cohen aborda questões de identidade através do clássico O Lago dos Cisnes, a monumental peça musical de Tchaikovsky. Também de Israel, Dafi Altabeb apresenta três solos: High ExpectationsOut of ChoiceUnder the Carpet.

Já o alemão Storm recupera sua própria trajetória em 28 Jahre in 28 Minuten (28 Anos em 28 Minutos), que se confunde, em diversos momentos, com a história de um país que busca sua identidade, renuncia o seu passado e rejeita suas próprias singularidades. A companhia espanhola Los Dedae transita entre real e imaginário, fantasia e memória, em Punto Ciego, e o grupo suíço Linga explora a força do gesto num mundo saturado de imagens, em No.thing.

Diferentes temas, estilos e nacionalidades se cruzam na mostra Solos Stuttgart, com vencedores e finalistas do Internationales Solo-Tanz-Theater Festival, com intérpretes do Burkina Faso, México, França-Rússia, Itália e Polônia. Enquanto a companhia francesa Propositions explora o vocabulário de gestos individuais e formas de realizar seu compartilhamento na montagem Espaces Exquis.

Um intercâmbio efetivo entre Brasil e França se estabelece em dois trabalhos apresentados no festival. Um deles é o espetáculo Desastrados…, coprodução da Virtual Companhia de Dança, sediada em São José do Rio Preto, e da Cie Ladainha, da cidade de Rennes, numa montagem que investiga como os corpos, com as suas variadas formas, histórias e conhecimentos, respondem de forma diferente a um mesmo estímulo ou desafio. Já a companhia Dezeo-Ito, que nasceu na França e “reside” em Itacaré, interior da Bahia, apresenta dois solos, que abordam particularidades e acolhimento em diferentes contextos culturais.

Produção nacional – A diversidade que caracteriza a programação e história do VIVADANÇA acompanha o conjunto de obras de grupos nacionais. O teatro coreográfico está representado pelo grupo Taanteatro, de São Paulo, reconhecido pela investigação de linguagem que tem resultado em obras de caráter ousado e inovador, como Máquina Hamlet fisted, que coloca os emblemáticos personagens shakespereanos Hamlet e Ofélia no limiar entre a aceitação e a revolta contra as tradições de poder da atualidade brasileira e da América do Sul. Já a fusão da dança de salão com técnicas contemporâneas e elementos da teatralidade marca o trabalho da bem-sucedida trajetória da companhia mineira Mimulus, que apresenta Por um Fio, mergulho no universo dos bordados, escritos e amontoados de Arthur Bispo do Rosário.

Da Bahia, a companhia Viladança, dirigida por Cristina Castro, mostra duas montagens do seu repertório. Uma delas é o infantil Da Ponta da Língua à Ponta do Pé, espetáculo lúdico e didático, carro-chefe de um programa de formação artística que já contemplou mais de 40 mil pessoas desde 2004. A outra montagem é Aroeira – Com Quantos Nós Se faz um Árvore, uma abordagem poética de imagens do cotidiano a partir de trilha sonora inédita de Milton Nascimento. Entre os espetáculos baianos, destacam-se também os solos autorais Pau-Brasil, de Aldren Lincoln, que organiza percepções a partir da dança e da fotografia; Web-Cam – Sexo, Som e Imagem, de Leandro Oliveira, que investiga as fronteiras de dentro e fora de espaços físicos, virtuais e emocionais; e Partida, de Bárbara Barbará, obra sobre a experiência do rompimento.

Conexões de linguagens – Ainda sobre a programação artística, a sexta edição do VIVADANÇAdá continuidade a quatro ações lançadas nos anos anteriores: a Mostra Casa Aberta, a Mostra Hip Hop em Movimento, o Prêmio VIVADANÇA e a Cinemateca. A primeira leva ao palco cerca de 400 artistas, entre profissionais e amadores, promovendo não só a diversidade de estilos, mas também um intercâmbio espontâneo entre bailarinos da Bahia. Já a Mostra Hip Hop conta com oficinas (de break dance, grafitti e DJ), shows, mesa-redonda, feira, além de uma batalha de break que se desdobra em dois dias de disputa e apresentação.

O Prêmio VIVADANÇA, por sua vez, é um incentivo à criação de produtos artísticos, destinando recurso financeiro e apoios técnicos e de divulgação para uma obra inédita em dança. Em sua terceira edição, contemplou o projeto m’bolumbümba, de Lia Günther Sfoggia (coreógrafa) e Guilherme Bertissolo (músico), que se propõem a explorar, de maneira inovadora, desdobramentos coreográficos e musicais a partir da capoeira, e a ligação conceitual intrínseca entre as duas linguagens nesta manifestação popular.  Já a Cinemateca conta com uma seleção de videodanças e documentários a serem exibidos no Cabaré dos Novos do Teatro Vila Velha, antes das apresentações no palco principal do teatro.

Formação e reflexão – A programação do VIVADANÇA se completa com atividades voltadas para a formação e de caráter reflexivo. Este ano, ao todo 27 oficinas serão ministradas por artistas e pesquisadores, com conteúdos variados, que vão de danças tradicionais a técnicas contemporâneas, de dramartugia da dança à abordagem crítica de espetáculos. Três mesas-redondas refletem sobre temas distitos: conexão entre a dança africana e outras culturas, procedimentos de comunicação no movimento hip hop e curadoria para festivais.

A ideia é sempre ampliar horizontes e criar espaço para que as conexões do mundo moderno, que são inevitáveis, cumpram um papel de democratização e valorização dos contextos culturais e procedimentos artísticos, e que façam de todos, artistas e não-artistas, agentes de reflexão sobre a realidade atual”, propõe Cristina Castro.

SERVIÇO
VIVADANÇA Festival Internacional
Data: 1º a 29 de abril
Locais: Teatro Vila Velha, Teatro do Goethe-Institut (ICBA), Teatro Molière (Aliança Francesa), Cine-Teatro Solar Boa Vista.
Ingressos*: R$ 10,00 e R$ 5,00




Deixe uma resposta