BA x VI, o clássico da PAZ | Cabine Cultural
Cinema

BA x VI, o clássico da PAZ

Ba x Vi, o Clássico da Paz

Mais recente trabalho do cineasta Heron Brandão, BA x VI, o clássico da PAZ, pretende mostrar a realidade por trás do maior clássico futebolístico do norte-nordeste do Brasil. Um clássico que atrai não somente torcedores, mas sim verdadeiros seguidores de seus clubes, pessoas que se doam integralmente para estar nos estádios vibrando com os gols, com as vitórias e entristecendo-se com as derrotas. Como se pode perceber, a temática do documentário se desenvolve a partir de um objeto que sem dúvida alguma é bastante popular, e a produção do filme tem noção deste potencial poder de público que o documentário pode vir a ter futuramente nos cinemas. Segundo a apresentação do projeto, seu objetivo será “mostrar a paixão para com seu time do coração, as belezas, a rivalidade saudável, a alegria do time vencedor, a tristeza do time perdedor e o principal, o respeito pelo torcedor adversário”.

Heron Brandão e Cristiana de Oliveira

Em produção desde novembro, o documentário teve grande parte de suas filmagens produzidas no carnaval deste ano. Foi em meio à folia baiana que Heron captou as mais diversas imagens de como os torcedores dos dois times são tão apaixonados. Os depoimentos são também parte importante do projeto, pois neles que o espectador terá exata noção de como o tema ‘paz’ será conduzido pelo diretor.

O projeto ficou a cargo da Mbondo Produções, empresa pertencente ao próprio Heron Brandão, que junto com a diretora e roteirista Cristiani Emanuele assinam a maior parte do documentário, que segundo Heron está orçado em cerca de cem mil reais.

Ele diz que “se fosse fazer um filme do jeito que gostaríamos de produzir iria elevar a conta para trezentos, quatrocentos mil reais”.

Heron explica que caso consiga o investimento de cem mil, por volta de 70% deste valor será revestido no processo de lançamento do documentário, mostrando assim toda a preocupação do cineasta com relação à distribuição do filme, um dos grandes problemas que enfrenta o cinema baiano nos dias de hoje. O documentário está previsto para ser lançado mais tardar no início de 2013, pouco antes de algum BA x VI, porém nada impede que ele tenha seu lançamento antecipado, o que na verdade seria um desejo do próprio cineasta, que possui outros projetos prontos para serem desenvolvidos melhor.

O Documentário
As entrevistas do projeto aconteceram com artistas locais, famílias prestes a ir aos estádios, torcedores anônimos e ilustres. Os cenários foram além das ruas (no carnaval) e bares, os estádios Manoel Barradas (Barradão) e o Roberto Santos (Pituaçu), mando de campo dos dois times baianos. Heron nos disse que trabalhar essa premissa (paz entre duas torcidas rivais) não o aterrorizou. Houve uma natural preocupação, mas ele tem consciência de que há entre as torcidas um controle no que diz respeito aos atos de violência. Um possível grande acontecimento será a reunião de membros das duas torcidas no lançamento do filme, o que será de um simbolismo ímpar para o documentário e para o meio esportivo baiano.

Quanto à narrativa que o documentário irá desenvolver, ele nos afirmou que ainda não há nada definitivo, que somente no processo de edição e montagem que isso irá se mostrar mais visível. Porém, ele já possui uma ideia clara de como será conduzido o filme, com algumas imagens bem simbólicas para ambos os clubes e torcedores. Certamente o gol de Raudinei (Bahia) no finalzinho daquele histórico clássico de 1994 estará no filme. E o que falar daquele inesquecível 6 x 5 que o Vitória deu no Bahia no Campeonato Baiano de 2007?

Entrevista Heron Brandão

Assim que estiver pronto, BA x VI, o clássico da PAZ,será exibido nos cinemas, bem como participará também de todos os possíveis festivais (temáticos ou não). E como o fio condutor do projeto (a paz) tem poder de compreensão universal, nada impede que ele circule em circuitos internacionais de cinema. Segundo Heron, a ideia é que o documentário seja entendido em qualquer país do mundo e não somente na Bahia, onde o clássico é vivenciado de forma mais pungente.

Há de se destacar que o projeto tem apoio da recém fundada Copercine (Cooperativa de Cinema da Bahia), em uma das primeiras ações de trabalho que a cooperativa desenvolveu até então. Além deste, conta com o apoio institucional da TV BahiaABCV (Associação Baiana de Cinema e Vídeo), as diretorias tanto do Bahia quanto do Vitória, da Federação Baiana de Futebol, e das Torcidas organizadas Imbatíveis e Bamor que também apóiam o projeto do cineasta.

O Cineasta
Formado em cinema pela FTC (Faculdade de Ciências e Tecnologia), Heron Brandão já dirigiu o documentário Romaria do Orobó (2010) e trabalhou no projeto internacional MBONDO Nossas Raízes Africanas (2008), filmado na África. Além destes trabalhos, realizou vários outros como produtor. Destaque para Desconhecidos e Se não Fosse Paloma, ambos de 2007. Sobre suas referências e inspirações no cinema, Heron não pensa muito para chegar à conclusão de que Orson Welles (Cidadão Kane) é uma de suas grandes influências na área.

Heron diz: “Ele conseguiu fazer um cinema onde ele era responsável pelo roteiro, pela direção, pela produção, foi ator principal, preparador de elenco… ele fez tudo no filme”.

Parceria
A partir de agora o Cabine Cultural irá acompanhar todo o processo de produção (ainda), pós-produção e lançamento do documentário BA x VI, o clássico da PAZ.  Acompanharemos também todo o caminho que o filme irá percorrer nos futuros festivais de cinema Brasil afora, noticiando aqui toda e qualquer informação relevante sobre desenvolvimento do projeto.







7 respostas para “BA x VI, o clássico da PAZ”

  1. “BA X VI O CLASSICO DA PAZ”, É PAIXÃO, SUOR, AMOR E DOR E SÓ UM DIRETOR COM TODOS ESSES VALORES, PODE TER UMA VISÃO DO TAMANHO QUE É SER UM TORCEDOR DE UM TIME DE FUTEBOL DA EXPRESSÃO QUE É O BAHIA E O VITÓRIA PARA O POVO BAIANO. SUCESSO AMIGO!!!!

  2. Glória Deus Heron por ele te dar forças para desenvolver esse trabalho Bavi da paz… gostei do momento que você citou o Orson Welles do Cidadão Kane na reportagem.

  3. Esse cara é incrível, tem ideias geniais, e já realizou trabalhos maravilhosos, é uma pena que o cinema e os artistas baianos não sejam reconhecidos da forma que merecem. Parabéns Heron, você tem tudo para fazer o cenário baiano ser projetado para o mundo, agora falta o governo e os possíveis investidores acreditarem também.

  4. Parabéns pela iniciativa e trabalho. Estou ansiosa para assistir o filme. O filme é um presente para os torcedores do Bahia e Vitória. Viva a produção cinematográfica baiana.

Deixe uma resposta