Depois da Chuva
Cinema

Depois da Chuva

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Depois da Chuva

Depois da Chuva

Confiram um pouco sobre o mais novo projeto dos cineastas Cláudio Marques e Marília Hughes (Nego Fugido, Sala de Milagres), da produtora Coisa de Cinema. O longa-metragem se chama Depois da Chuva e encontra-se já em fase de produção. As filmagens ocorrem neste mês de junho e muito em breve  estará nas salas de cinemas Brasil afora.

CONTEXTO
O ano é 1984. Fase de abertura política nacional com o término da ditadura. Nesse contexto, temos Caio, um jovem de 16 anos vivido pelo estreante Pedro Maia. Mergulhado em um período repleto de dúvidas e influenciado pela fase política do país, Caio percebe que está presenciando um momento único em sua juventude. A relação entre o contexto político pelo qual passa o Brasil e os acontecimentos que permeiam a rotina do rapaz são trabalhados pelo longa-metragem.

Caio vive momentos de mudanças em sua vida, alterações que ocorrem em paralelo à conturbada fase política nacional. Uma fase que frustrou milhões de brasileiros com a morte de Tancredo Neves e ascensão de José Sarney à presidência da república. Nesse contexto, o jovem busca equilibrar um período de descobertas no qual o despertar sexual e a formação de uma personalidade definida por ideais politizados moldarão suas convicções. Nessa batalha, ele contará com o suporte de sua colega de escola e par romântico Fernanda (vivida pela também estreante Sophia Corral), uma jovem cuja personalidade semelhante ao do rapaz, os fazem criar laços únicos de amizade.

Além dela, o casal Tales (vivido por Talis Castro, conhecido pelo seu trabalho na peça Pólvora e Poesia) e Sara (Paula Carneiro Dias, do curta-metragem Nego Fugido, também de Cláudio Marques e Marília Hughes) mostram seu posicionamento político com uma rádio pirata que entra no ar roubando a faixa da Hora do Brasil e apresenta suas ideias libertárias através das palavras de escritores anarquistas.

LOCAÇÕES

Com locações em diversos pontos históricos da capital baiana (o Colégio Central e o Pelourinho são dois deles), Depois da Chuva é um filme que busca retratar um período da recente história brasileira através da óptica de um jovem cuja visão de mundo tenta colocá-lo além do conformismo e fora da inércia humana. Um jovem cuja vontade de por em prática a real mudança de mundo o fará passar por experiêcias inesquecíveis, trazendo-lhe uma inesperada e bem-vinda maturidade.

PERSONAGENS
Pedro Maia foi escolhido através de uma seleção de mais de mil garotos entrevistados. Oriundo do Teatro Oficina (e do colégio homônimo). Sobre seu personagem na trama, ele diz: “Eu me identifico muito com o Caio. Com sua calma, com seu modo introspectivo”. Além dele temos Sophia Corral, também vinda do Colégio e Teatro Oficina, que interpreta Fernanda. Convidado pelos diretores Cláudio Marques e Marília Hughes após estes o assistirem em cena no papel de Arthur Rimbaud na peça Pólvora e Poesia, o ator Talis Castro tem em Depois da Chuva sua estreia cinematográfica. O filme conta ainda com a presença de atores como Aícha Marques (Prêmio Braskem de Teatro como melhor atriz coadjuvante) no papel da mãe do garoto Caio, Bertho Filho (do recente O Homem que não dormia), Carlos Betão (Memórias Póstumas e Orquestra de Meninos e da refilmagem global para a novela Gabriela)e Lúcio Tranchesi (vencedor do Prêmio Braskem de melhor ator em 2005).

DIRETORES

Nas palavras do diretor Cláudio Marques, Depois da Chuva é um projeto de inspiração auto- biográfica.

“Eu mesmo era um adolescente de 15 anos naquele 1984, período das Diretas Já e da eleição de Tancredo Neves. Dada à velocidade e intensidade dos acontecimentos na época, eu e todos que estavam ao meu redor sentíamo-nos personagens vivenciando um momento único da história”, afirma o cineasta. Cláudio explica que há uma relação sutil entre os acontecimentos da vida do protagonista Caio e o momento pelo qual o Brasil passava. “Passados 25 anos desse período que forjou as lideranças e o país em que vivemos hoje, é chegada a hora do cinema evocar a atmosfera daquele período para que uma reflexão maior aconteça”, complementa.

Para a diretora Marília Hughes, o filme possui um tema que extrapola o período no qual se passa a história. “Apesar do momento histórico particular do filme, Depois da Chuva também trata de questões universais, pertinentes a adolescentes de qualquer época e lugar. É um filme sobre transição e amadurecimento”, afirma a cineasta.

DEPOIS DA CHUVA
Vamos acompanhar o desenvolvimento do projeto e sempre que tivermos informações relevantes elas serão compartilhadas com vocês. Por ora fica a torcida para que a produção de cinema na Bahia se intensifique cada vez mais, propiciando assim uma maior quantidade de opções para os cinéfilos de plantão.

* Imagens: divulgação


  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

1 comentário

  • Muito bom ver a produção de Claudio e Marília, fluindo tão bem, parabéns também para a cabine cultural, que muito vem fazendo para o cinema baiano.

Deixe uma resposta