menu
Lançamentos, mais locados e dicas – Edição 16 | Cabine Cultural
Cinema

Lançamentos, mais locados e dicas – Edição 16

O Lórax

O Lórax

Mais uma edição da coluna, produzida em parceria com a locadora Vintage Vídeos, especializada em filmes cults e clássicos, mas que também possui um acervo considerável de filmes ditos mais comerciais. A locadora, para quem ainda não conhece se localiza na Rua Belo Horizonte, 148 – Loja 101 Térreo, Jardim Brasil, no bairro da Barra, em Salvador – BA. Vale muito à pena fazer uma visita neste que é um dos espaços mais interessantes em termos de cinema na cidade.

LANÇAMENTOS
Dentre os lançamentos de semana na locadora, destaca-se Anônimo, A Música Segundo Tom Jobim, Precisamos Falar Sobre o Kevin, Atividade Paranormal 3, Os Implacáveis (2012), Aprendiz de Gigolô, Guerra é Guerra, Protegendo o Inimigo, A Lenda do Santo Beberrão, Gestapo e A Solidão de Uma Corrida Sem Fim.

Precisamos Falar Sobre o Kevin

Também entre os lançamentos se encontra o bem divertido O Loráx – Em Busca da Trúfula Perdida.

“Unindo de modo bem harmonioso o poder de uma bela animação com alguns elementos que incitam reflexões ambientais interessantes, O Lorax: Em Busca da Trúfula Perdida (adaptação do conto clássico do Dr. Seuss) possui força suficiente para conquistar boa parte das famílias brasileiras consumidoras de cinema. É, em suma, um filme dos mais adequados para um pai levar seu(s) filho(s), seja pelo teor educativo de suas principais mensagens, seja pela beleza plástica de suas imagens”.

E também o mediano Poder Sem Limites

“Poder Sem Limites é, no fim das contas, mais um daqueles filmes que veio somente para divertir um público essencialmente adolescente, sem muita pretensão em fazer o espectador refletir algo. Pode-se até dizer que as tiradas filosóficas (saídas do Wikipedia) do personagem Matt é uma tentativa de se fazer pensar, mas elas soam muito mais como frases de efeito jogadas aleatoriamente do que com qualquer outra coisa. Ainda assim, é no mínimo curioso ver citações de Platão e Schopenhauer em uma história quase que estritamente adolescente”.

MAIS LOCADOS
1 – À Toda Prova
2 – Para Poucos
3 – As Mulheres do Sexto Andar
4 – Minhas Tardes Com Margueritte
5 – Protegendo o Inimigo
6 – Sete Dias com Marilyn
7 – A Perseguição
8 – As Pontes de Madison
9 – O Último Dançarino de Mao
10 – Gestapo

DICA
Jogo de Cena
, de Eduardo Coutinho, prova que o gênero documentário pode serconstruído com base numa ideia engenhosa, com elementos até certo ponto bem complexos. Seu desenvolvimento narrativo acaba desconstruindo e reconstruindo diversas teorias sobre a arte de se fazer cinema. São muitas teorias, inúmeras possibilidades, e que ao final daquela sessão inicial de auto-análise, o cinema passara a ter condições de responder a pergunta: que sou eu? O cinema é multifacetado, com uma série de artes (interpretação, metalinguagem, enganação) como possíveis respostas. Mas ao pensar pormenormente, pode-se defini-lo somente com a palavra que antecede tais possibilidades. É uma arte. Das mais belas. E Jogo de Cena soube representá-la com dignidade, honestidade e, sobretudo, veracidade. Palavra que de certo modo soa irônica para o projeto. Mas é verdade. A mais pura verdade.



Deixe uma resposta