Um anjo bom da Bahia (1) – Cabine Cultural