Um anjo marginal e sua alma de batom – Cabine Cultural