Super 8 – Cabine Cultural
Cinema

Super 8

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Super 8

Pode-se dizer que SUPER 8 é um filme onde a nostalgia sempre se apresenta, e não tem como não sentir

J.J. Abrams já há algum tempo vem merecendo muito crédito no mercado americano. Primeiro, por ter sido o responsável pela produção da série de TV Lost, dirigindo inclusive o seu piloto, um dos melhores episódios da história da televisão, certamente. E somente isto já é fato suficiente para colocá-lo em algum grupo de pessoas admiráveis. Mas ele também criou Alias, uma das mais intrigantes séries das últimas décadas e co-criou Fringe, um dos projetos mais criativos dos últimos anos. No cinema, produziu Cloverfield, um dos filmes mais interessantes do gênero horror/mistério/documentário e dirigiu Star Trek, grandioso filme que reapresentou a mitologia da série para as novas gerações. Também, como não poderia deixar de ser, realizou alguns projetos questionáveis, tais como: a série Six Degrees, extremamente deficiente de qualidade e Alcatraz, uma das maiores decepções que o espectador de televisão teve em 2012.

Dito tudo isto, entremos agora em um dos mais recentes projeto de J.J. Abrams no cinema, o nostálgico e muito interessante SUPER 8.

SUPER 8 é, antes de qualquer coisa, uma grande homenagem aos cineastas e aspirantes a cineastas. O fio condutor da história é a criação de um filme, todo o seu processo, seu desenvolvimento, a aventura de se fazer e o resultado final obtido, e que, mesmo feito de forma amadora (e por crianças com seus 13, 14 anos de idade), lembra qualquer produção profissional (guardadas as devidas proporções). SUPER 8 também é uma homenagem, das mais belas por sinal, a filmes como Goonies e E.T – O Extraterrestre e lembrou-me um pouco de séries como Anos Incríveis, já que em todos os instantes do filme vemos amigos, ‘pequenos’ grandes amigos, pondo em prática muito dos pré-requisitos da amizade, do ‘ser amigo’; isto é algo que, para alguém com mais de 25 anos, é nostálgico.

Pode-se dizer que SUPER 8 é um filme onde a nostalgia sempre se apresenta, e não tem como não sentir. E é sim, um belo filme, talvez em um futuro próximo se transforme num clássico deste gênero, nunca se sabe. Possui deficiências, claro, não é uma obra perfeita, mas ele consegue nutrir nos espectador um sentimento de carinho, muito por conta de sua temática, do seu elenco adorável e de toda a atmosfera que o filme absorveu desde o momento de suas filmagens.



  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Deixe uma resposta