Hannah Arendt – Cabine Cultural
Cinema

Hannah Arendt

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Hannah Arendt

Este drama genial (Alemanha/França) da cineasta  berlinense Margarethe von Trotta nos leva a ter vontade de conhecer mais a vida de Hanna Arendt (Barbara Sukoma), grande filósofa e pensadora política alemã judia, de grande influência no século XX, radicada para os Estados Unidos em 1940 e conhecida como a pensadora da liberdade por várias obras e estudos, principalmente a tese ¨A Banalidade do Mal¨.

Durante o julgamento criminal do oficial nazista Adolf Eichmann, que foi capturado na Argentina por palestinos e julgado em Jerusalém como militar burocrata nazista que participou ativamente da organização de deportação e extermínio de milhares de judeus europeus.

Hanna Arendt é incumbida de cobrir como representante do The New Yorker, o julgamento deste nazista pelos crimes hediondos contra os judeus. Durante este processo, Hanna inicia sua tese sobre a banalidade do mal, ao se deparar com um burocrata idiotizado que cumpria ordens superiores e não aparentava nenhum remorso com o resultado dos seus atos, como se o mais importante fosse cumprir ordens de forma correta, sem erros. Outra questão a ser pensada por Hanna que chocou o mundo na época, foi que uma elite de judeus ajudou no Holocausto diante da passividade ou cooperação, o que gerou muitas críticas e repúdio, principalmente dos judeus. Até amigos e companheiros de trabalho se afastaram dela pela sua insistência na tese.

O filme pretende mostrar uma parte da vida desta ilustre pensadora, sua relação com o seu marido e grande amor de sua vida por 35 anos, Heinrich Blucher (Axel Milberg). Temos uma Hanna Arendt sempre pensativa, reflexiva, escrevendo ou dando aulas, sempre com um cigarro na boca, olhar distante nas suas reflexões. Cena vital quando Hanna tem oportunidade de falar para uma plateia de alunos e colegas e explanar sobre sua tese, mostrando-se uma mulher acima do seu tempo, em pensamentos, palavras e ações. Neste momento o espectador sente a própria Hanna a defender suas ideias, levando-nos a tirar nossas próprias conclusões.

Neste retrato fascinante faz-se presente Martin Heidegger, filósofo e seu primeiro professor que a introduziu na arte do pensar, a quem Hanna muito admirava e com quem teve um caso amoroso secreto aos 18 anos, apesar dele ser casado e ter 2 filhos.

Outra pessoa que teve grande influência na vida desta pensadora foi o filósofo Karl Jasper, com quem Hanna teve uma duradoura amizade e segundo Jasper, ela foi a influência mais significativa em seu desenvolvimento intelectual.

A atriz Bárbara Sukoma tem um desempenho marcante de muita sutileza, e consegue passar uma verdade absoluta sobre a personalidade desta filósofa.

A trilha sonora muito bem colocada e a direção de Fotografia de Caroline Champetier complementam o filme de forma excepcional.

Nos momentos do julgamento do nazista Adolf Eichmann há uma mesclagem de imagens de arquivo durante o processo em 1961, que a própria cineasta achou mais verossímil não colocar ator nestas cenas, como ela própria diz ¨mas sim incluí o verdadeiro Eichmann, o irrefletido; ele não usa do dom de pensar¨; isso deu uma veracidade conceitual para o espectador, mostra um Eichmann criminoso banal, como mero executor de ordens, para tentar entender a tese da Hanna.

Hanna não declara pensar em Eichmann como inocente, mas o conceitua uma pessoa medíocre, um idiota burocrata, um autômato que cumpria fielmente suas funções, sem atuar o seu pensar. Como também as lideranças judaicas que acabaram colaborando para a morte de milhares de judeus. Enfim, a análise crítica levada pelo pensamento puro, sendo por isto julgada pela maioria das pessoas, principalmente pelos judeus, que viam em suas ideias, a defesa dos crimes do nazismo.

Hannah Arendt

Filmes como Hanna Arendt e O Leitor (Kate Winslet) nos dão uma reflexão sobre atos de crueldade de pessoas que em nome do dever e do cumprimento de ordens de superiores, produziram mortes e não conseguem perceber a extensão dos seus atos.

Filme inteligente que nos instiga a pensar o que esta grande mulher defensora do pensamento Hanna Arendt muito bem ponderou que ¨Pensar é a única maneira de sermos totalmente livres¨.

Marcia Amado Bessa é enfermeira e escreve para o ótimo blog CineAmado


  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Deixe uma resposta