A Coleção Invisível – Cabine Cultural
Cinema

A Coleção Invisível

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

A Coleção Invisivel

Uma lição que o  cacau me ensinou: a segunda safra pode ser menor, mas com certeza o fruto será mais gostoso e apetitoso

O filme A Coleção Invisível tem a direção do francês radicado na Bahia Bernard Attal, e é baseado em um conto escrito por Stefan Zweing que se passava na Alemanha e o diretor encontrou no Sul da Bahia, mais especificamente na região cacaueira, um cenário similar de ruína financeira, com a decadência se contrapondo a uma força existencial, conforme exige o roteiro.

Este é o primeiro longa metragem de Bernard Attal e ganhou o Premio de Melhor Longa Metragem no 4º. Festival de Cinema Itinerante de Língua Portuguesa em Lisboa (Portugal). E foi premiado com os kikitos de Ouro no Festival de Gramado para Walmor Chagas como Melhor Ator Coadjuvante e Clarice Abujamra, como Melhor Atriz Coadjuvante.

Conta a história de Beto (Vladimir Brichta) , um DJ festeiro cuja mãe enfrenta dívidas de uma loja de antiguidade deixadas por seu pai. Após passar pelo sofrimento por uma tragédia com seus amigos, Beto decide ir ao interior da Bahia em busca de uma coleção de gravuras muito valiosas do artista Cícero Dias, que foi adquirida há mais de 30 anos pelo colecionador Samir  (Walmor Chagas), um fazendeiro de cacau decadente.

Beto viaja para Itajuipe, cidade interiorana baiana, que juntamente com outras cidades do Sul da Bahia, viveu momentos áureos de grande prosperidade graças a economia do cacau, como é muito bem mostrado nos livros de Jorge Amado, os tempos áureos da lavoura cacaueira, com seus coronéis fazendeiros à frente de grandes fazendas de cacau, a maior força da economia da Bahia.  Mas a visão dessa região nos dias de hoje é justamente o oposto, uma decadência e ruína total  em relação às fazendas de cacau  e às famílias que lutam às duras penas para manter um patrimônio praticamente sem retorno financeiro.

Beto encontra resistência em conhecer o fazendeiro Samir, que é cego e tem o seu sonho mantido nas coleções de gravuras que colecionou por tantos anos. Sua esposa D. Clara (Clarice Abujamra) e sua filha Saada (Ludmila Rosa) dificultam a empreitada a que Beto se propõe, preocupadas em manter a integridade de Samir.

O filme explora a pobreza dessas regiões, as dificuldades de trabalho das pessoas, já que o seu produto maior, o cacau, praticamente se acabou com a epidemia da vassoura de bruxa. Tendo a Bahia como a vitrine principal do filme, mostra uma parte deste Estado deplorável e sofrida, que passou pela transformação da opulência à decadência. Principalmente para os baianos que conhecem de perto esta triste história da nossa economia, chega a emocionar e comover, sentir o cheiro da terra cacaueira desgastada, com seu pés de cacau infrutíferos  em derrocada total. ¨São anos de vida e de sonhos jogados fora¨, disse-me com lágrimas nos olhos no final do filme,  uma pessoa que passou por este infortúnio e que repercute na familia até hoje.

O ator baiano Vladimir Brichta tem a chance neste filme de mostrar seu lado dramático de forma sutil, contido e convincente. O desempenho das atrizes Clarice Abujamra e Ludmila Rosa só faz acrescentar, com uma química e ótimos diálogos com o protagonista. O ator Carlos Cézar Pereio faz um pequeno papel no filme, mas que pontua muito bem com sua personalidade excêntrica. E Walmor Chagas nos deixa como seu último legado de vida, esta excelente performance como o aristocrata rural decadente Samir, com um paixão e vivacidade ímpar. E por ironia do destino, Walmor estava com sérias dificuldades visuais ao interpretar justamente um personagem cego. É a vida imitando a arte, de forma cruel.

O filme mostra o crescimento emocional de um jovem que ao ir à procura de algo que poderia mudar o rumo de sua vida, no final da viagem encontra algo maior que o moverá ao amadurecimento emocional e existencial. Um fim de estrada e o início de uma viagem interior.

¨ Uma lição que o  cacau me ensinou: a segunda safra pode ser menor, mas com certeza o fruto será mais gostoso e apetitoso¨. Diz Saada para Beto, um bom ensinamento para a vida dos jovens! Mas em relação ao produto real, o cacau, e a todos os produtores que durante muitos anos lutaram e investiram nos seus sonhos, a triste realidade é que infelizmente a segunda safra praticamente já não existe.

Marcia Amado Bessa é enfermeira e escreve para o ótimo blog parceiro CineAmado


  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Deixe uma resposta