Capitão Phillips reafirma o talento de Tom Hanks | Cabine Cultural
Cinema

Capitão Phillips reafirma o talento de Tom Hanks

Capitão Phillips

Capitão Phillips,  este é um grande filme do diretor  Paul Greengrass, um drama com suspense americano, muito bem conduzido, com um roteiro maravilhoso, baseado na história real do livro autobiográfico A Captain’s Duty: Somali Pirates, Navy SEALs and Dangerous Days and Sea, do verdadeiro Capitão Richard Phillips.

Este drama com ação do início ao fim, passado em 2009, conta com detalhes o drama da tripulação do navio cargueiro Maersk Alabama, tendo a frente o Capitão Phillips, que foi sequestrado na Costa da Somália  por piratas somalianos, cujo objetivo era econômico, sequestro para extorquir dinheiro.

Nos primeiros minutos iniciais, vemos o protagonista Capitão Phillips (Tom Hanks), um pai de família pacato, calmo, amoroso, preparando-se para mais uma viagem, desta vez para fazer entrega de alimentos ao povo somaliano.

Leia também:  Quem vai ganhar o Oscar 2017? Saiba aqui quem serão os vencedores

Quando dois barcos com piratas somalis armados tentam atacar o navio, o Capitão Phillips usa toda a estratégia de segurança para evitar o ataque,  preocupado com o desfecho desta situação. Apesar disso, um barco com quatro somalis altamente agressivos, tendo como chefe o jovem Muse (Barkhad Abdi), têm êxito e conseguem entrar no navio. A partir daí a tensão aumenta a cada momento, com os piratas ameaçando a tripulação. E para proteger sua tripulação,  o Capitão Phillips praticamente se coloca como refém.

De um lado temos o Capitão Richard Phillips, um homem calmo, mas com uma imensa carga de tensão, sendo ameaçado o tempo inteiro, correndo risco de vida. Por outro lado, o chefe do grupo de piratas, Muse, um jovem agressivo, impulsivo, inexperiente, mas ciente do que deseja. Apesar de tudo, tem momentos que sentimos piedade desse jovem selvagem, que em determinado instante até diz que ‘seu sonho é conhecer os Estados Unidos’.

Leia também:  Crítica Jackie: uma homenagem sincera e um olhar humano à personagem

Um filme de altíssimo nível, com uma  trilha sonora excelente, tranquila ou pulsante de acordo com os fatos que ocorrem, ótima fotografia e com direção certeira.  Em vários momentos a câmera trêmula nos rostos dos personagens, dando uma tensão e emoção incrível.

O ator Tom Hanks está perfeito como o protagonista Phillips, uma interpretação digna de um Oscar. Retrata um pai de família correto e ao mesmo tempo um capitão preocupado com as normas de segurança e sua tripulação. Humaniza o personagem, torna-se o anti-herói com seu jeito simples e sua insegurança diante de tanta tensão. E vale ressaltar a atuação de Barkhad Abdi como o pirata somaliano Muse, um jovem agressivo, cínico, com falas pontuais convincentes. Os outros piratas somalianos também demonstram atuações críveis, de tão verossímeis.

Leia também:  Crítica: Netflix estreia A Teoria de Tudo, filme que de o Oscar a Eddie Redmayne

O diretor Paul Greengrass, também responsável por grandes filmes de ação e drama como A Supremacia Bourne (2003) e Vôo United (2005), neste filme mostra o poderio militar americano com soberano e a forma de abordagem do resgate é impressionante.

Um grande filme de ação e drama, onde o espectador entra na trama e nas duas horas e 15 minutos de filme, torce pela vida do Capitão Phillips, de forma angustiante e cheia de adrenalina. Filme forte, denso, para quem gosta deste tipo de filme,  tem cenas que nos prende até a respiração, de tanta tensão.

¨Vocês roubaram nossos peixes, tomaram nossos mares, por isso, de pescadores viramos piratas¨. Finalizo com esta frase de Muse, o pirata somaliano, para o Capitão Phillips, na realidade para os Estados Unidos.

Marcia Amado Bessa é enfermeira e escreve para o ótimo blog parceiro CineAmado




Deixe uma resposta