Ninfomaníaca, de Lars von Trier: sexo, pecado e sofrimento | Cabine Cultural
Cinema

Ninfomaníaca, de Lars von Trier: sexo, pecado e sofrimento

Ninfomaníaca

O mais novo filme do diretor dinamarquês Lars von Trier, o tão esperado  Ninfomaníaca I , fala sobre sexo, pecado e sofrimento de forma instigante, tensa, com atores afiados na arte de interpretar (assim como Melancolia sinalizava a beleza e Anticristo a agressividade).

Filme contado em vários capítulos, um diálogo entre Seligman (Stellan Skarsgard), um pescador bom e pacato, ao encontrar Joe (Charlotte Gainsbourg), uma mulher de 50 anos, suja e ferida, em plena noite numa rua deserta. Selligman a leva para sua casa, cuida dos seus ferimentos e inicia-se uma troca de confidências pessoais.

Joe, uma mulher madura sofrida, tenta explicar a este homem desconhecido que a acolheu, o porque da sua infelicidade e o seu sofrimento por ser ninfomaníaca e a descoberta do seu vício por sexo. Uma viagem sombria pela infância e juventude de Joe, a descoberta da sua compulsão por sexo, a necessidade de se maltratar e castigar seu corpo com tantos parceiros. A jovem atriz Stacy Martin interpreta de forma convincente a Joe na juventude.

Um filme forte, denso, com uma trilha sonora de força, usando em vários momentos o heavy metal, como sempre Lars von Trier tem o prazer de trazer a inquietação para os seus filmes e consequentemente para o espectador.

Mostra a angústia das ninfas (na mitologia grega, assim chamadas as mulheres que têm compulsão sexual irrefreada), assim como um vício pelas drogas, a falta de controle sobre seu corpo e suas ações. De acordo com a psiquiatria, a ninfomaníaca muitas vezes usa o sexo para aliviar ansiedade ou até depressão, e isto ocorre com a personagem Joe. ¨Eu me rebelo contra o amor¨, diz Joe. Porque unir amor e sexo de forma que não seja compulsiva, é algo sofrido para quem sofre deste mal, pois é difícil dizer não aos seus desejos sexuais e estabelecer vínculos, que em geral significa diminuir ou reprimir a liberdade sexual.

É justamente este desgaste e sofrimento que o diretor se interessa em focar, no tempo e energia que Joe usa na busca obsessiva por parceiros, a fissura por pensamentos e situações eróticas.

Há cenas de sexo explícito, mas sempre permeados com diálogos complexos até alguns monótonos, uma amostra de sexo e erotismo com tanta crueza e acidez, o que aumenta a nossa tensão, mas com isto diminui o nosso olhar pelo sexo em si, deixando o pornográfico e restando o sofrimento pelo sexo. Este é o diferencial de Ninfomaníaca I, e acredito o poder do diretor, tornar o sexo algo monótono e enjoativo.

Joe se sente a pior pessoa do mundo, e o sexo termina sendo um castigo que ela própria se impõe, e a atriz Charlotte Gainsburg dá uma interpretação invejável a sua personagem. Assim como Stellan Skarsgard tem uma empatia perfeita com sua parceira, como o bom Seligman.

Provocativo, polêmico como poucos, Lars von Trier consegue realizar um filme sobre sexo, desestimulando o ato em si, gerando culpa e pecado a personagem Joe. Um filme amargo, cruel, que nos leva a questionar a banalidade do sexo e a troca de parceiros neste mundo moderno, o sofrimento das pessoas que possuem esta compulsão, os afetos anestesiados, um auto flagelo do corpo, que alcança mente e espírito.

Nos créditos finais, cenas que provavelmente estarão no sequência do próximo filme previsto para Março, que nos instiga a curiosidade de saber mais sobre a vida desta mulher sofrida, idealizada por este diretor provocador. E então tiraremos nossas próprias conclusões e lições de vida. Ironicamente um filme de sexo cujo conteúdo, as próprias cenas de sexo explícito, entedia, se torna monótona, um ato mecânico, sem emoção, ao invés de tornar-se excitante. Só Lars von Trier para conseguir esta façanha, com certeza seu objetivo maior.

Um verdadeiro balde de água fria para quem esperava um filme erótico e pornográfico. E é justamente o que nos leva a querer assistir os próximos capítulos deste tão esperado filme.

Marcia Amado Bessa é enfermeira e escreve para o ótimo blog parceiro CineAmado


Uma resposta para “Ninfomaníaca, de Lars von Trier: sexo, pecado e sofrimento”

  1. Sinceramente, Marcia… Você deveria continuar sendo enfermeira. É sério. Não fique triste. Mas falar sobre filmes não é o seu forte.

Deixe uma resposta