Álbum de Família traz grande atuação de Meryl Streep
Cinema

Álbum de Família

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Filme Álbum de Famíla – Divulgação

Filme denso, com fortes cenas de agressão familiar, um texto pesado e peculiar dentro de uma conjuntura familiar que fala de traição, manipulação de poder

O drama Álbum de Família, direção de John Wells, com texto de Tracy Letts, também  uma peça de teatro. Com um elenco de grandes atores, afiadíssimos nos seus papeis, encabeçado pela grande atriz Meryl Streep, maravilhosa e imbatível na personagem principal Violet, uma mãe de família viciada em entorpecentes e com câncer de boca, o que a leva a se dopar e se tornar dependente das drogas cada vez mais.

Um drama pesado, digno de uma peça de teatro, com formato interessante para o cinema, com cenas externas e um grupo de atores em sintonia absoluta, uma trilha sonora bem adequada ao lugar interiorano e às situações vivenciadas pelos personagens.

Com o desaparecimento de seu marido, Violet (Meryl Streep) convida toda a família, suas três filhas, a irmã com o marido e a partir daí inicia-se um desenrolar de situações desagradáveis, com Violet sempre à frente das situações vexatórias.

Sua filha Barbara (Julia Roberts) é a mais sofrida da todas, com seus problemas pessoais com o  ex-marido Bill (Ewan McGregor) e sua filha adolescente, é a mais apegada ao pai e com mais dificuldade de relacionamento com a mãe. A solteira e pacata Ivy (Julianne Nicholson) sempre morou e ajudou a cuidar dos pais, e deseja se libertar desta situação e viver sua própria vida. E Karen (Juliette Lewis), uma quarentona superficial, que adora viver de luxo e aparência.

Nesta reunião de família, a matriarca Violet destila toda a sua amargura e rancor contra suas filhas, principalmente sobre Barbara, a favorita do pai e que deixou de frequentar a casa e dar atenção a eles, desde que se casou. As mágoas e rancores vão sendo colocados a cada momento de forma áspera e agressiva, com uma força dramática, sem pudores as máscaras  de cada personagem vão caindo e revelações vão aparecendo, de forma intensa e inquietante,  para toda a família.

A forma violenta e cruel como a mãe Violet ataca suas filhas, palavras ferinas, sempre de ataque destilando muita raiva e amargor pela vida em geral, e encontra em Barbara um contra-ataque, com respostas chocantes, inclusive para os espectadores.

Meryl Streep concorre pela 18ª. Vez ao Oscar de Melhor Atriz, com uma interpretação espetacular, um papel difícil, mas só Meryl para conseguir uma performance tão primorosa, inigualável. A atriz Julia Roberts concorre também ao Oscar na categoria Atriz Coadjuvante, também está perfeita, com diálogos que levam a um embate com sua problemática mãe Violet, de uma veracidade incrível.

Filme denso, com fortes cenas de agressão familiar, um texto pesado e peculiar dentro de uma conjuntura familiar que fala de traição, manipulação de poder, dependência química, de forma trágica e sarcástica, com diálogos beirando ao limite caricato, a cada instante novas revelações, novas intrigas, um lavar de roupa suja familiar que não se finda, momentos inquietantes que chegam a nos atordoar.

Um dramalhão bem teatral, exagerado, com surpresas a todo instante, que nos agride e nos impulsiona até o final. Filme que nos leva a uma reflexão sobre o valor da família, da harmonia e da necessidade de dialogar, de encarar os problemas de frente, e o quanto é importante o amor, a união e o diálogo, como base familiar.

Marcia Amado Bessa é enfermeira e escreve para o ótimo blog parceiro CineAmado


  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Deixe uma resposta