Crítica do filme Mindwalk – Ponto de Mutação
Cinema

Mindwalk – Ponto de Mutação

  •  
  •  
  •  
  •  
Ponto de Mutação – Cena do filme

 

À primeira vista ou, para ser mais exato, nos primeiros quinze a vinte minutos de Mindwalk, filme de Bernt Capra, lançado em 1990, adaptado do livro homônimo de Fritjof Capra, o espectador, muito provavelmente, irá se sentir um tanto quanto disposto a abandonar aquela história, por alguns motivos, sendo que, a sensação de que o que está vendo não é uma história, venha a ser o principal motivo de ele não continuar assistindo esse filme.Porém, se o espectador for paciente e, sobretudo, curioso para saber o que está para acontecer – ou não acontecer – naquele filme, ele terá a oportunidade de assistir uma honesta adaptação de um livro que discute, exaustivamente, assim como o filme, o que é esse mundo tão abrangente e assustadoramente diversificado e, ao mesmo tempo, tão conectado, mundo esse no qual vivemos.

O que há de história (ou de pretexto para se contar uma história) resume-se no fato de uma cientista – cheia de ideais, mas que teve vários de seus ideais traídos -, um político – que quer ser presidente dos Estados Unidos – e seu amigo, um dramaturgo – que está passando por uma crise pessoal e profissional – encontrarem-se num castelo medieval do Litoral da França e, em um único dia, trazerem à roda da discussão temas tão aparentemente diversos, e tão importantes, como ecologia, física quântica, tecnologia e novas tecnologias, política, amor, economia, guerra, tudo com o intuito de entenderem – ou tentarem entender – o mundo.

Leia+  Crítica: vale a pena assistir “Medo Viral” terror que estreia esta semana?

Os três personagens são americanos, mas vivem em mundos sociais diferentes. Entretanto, os três carregam, consigo, alguma (ou algumas) frustração. Sonia, por exemplo, a cientista, apesar de ser claramente a mais lúcida dos três – e tal lucidez é mostrada numa das primeiras sequências do filme: a ótima sequência do relógio -, não consegue manter uma convivência lúcida com a sua filha; o político, apesar de ser senador, perdeu as eleições para presidente e sente que vive numa mentira, sempre reproduzindo, nas suas falas públicas, a fala dos seus assessores,e o dramaturgo saiu dos Estados Unidos para morar na França, num claro comportamento de fuga.

Ponto de Mutação – Cena do Filme

E nesse único dia – um dia ensolarado naquele castelo medieval à beira de uma praia com ondas brandas – os três discutem vários desses temas já citados. Em vários momentos, discussões que começam em uma longa sequência para dar continuidade – ou finalizar – numa próxima (e, na grande maioria das vezes, também longa) sequência.

Leia+  Crítica Te Peguei: vale a pena assistir?

Pelo descrito acima, percebe-se que já há razões de sobra para que muitos não consigam nem chegar à metade do filme: Mindwalk tem uma hora e cinquenta minutos.

A questão aqui, não é ser, O Ponto de Mutação, um filme bom ou ruim. Ele pode ser extremamente degustável, e útil, bom, para um grande público – exatamente aquele púbico que está disposto a entender melhor, ou um pouco mais, o mundo no qual ele vive, e toda conexão que há entre os povos da Terra – como também pode ser um martírio, um produto audiovisual bastante torturante – para aqueles que se sintam obrigados, pela razão que for, a assistir esse filme.

Creio, contudo, que, em nenhum momento, Bernt Capra teve a preocupação de fazer uma obra que agradasse a todos ou, pelo menos, deixasse a maioria do público e crítica satisfeita, já que agradar a todos, ainda mais quando o assunto é cinema, é algo praticamente impossível. Acredito que ele tenha tido um claro objetivo de fazer um filme não só justo à áurea do livro, como justo no tocante a todos os temas delicados que são abordados durante as longas conversas dos três protagonistas. Percebemos, inclusive, que o filme deixa espaço para aquelas três pessoas se posicionarem: o cineasta não prioriza nenhum dos personagens, deixando-os livres para exporem suas teorias, comprovadas na prática, ou não, assim como também deixa-os livres para suas concordâncias ou discordâncias.

Leia+  Crítica “Para Todos os Garotos que Já Amei”: adorável comédia romântica teen da Netflix

Do ponto de vista puramente voltado à linguagem cinematográfica, não podemos deixar de citar, como primeiro ponto a favor desse filme, o seu texto. Os diálogos de Mindwalk são extremamente bem engendrados, tão bem construídos que, muitas vezes, no corte de uma sequência para outra, a discussão, por rápidos segundos, é interrompida, e ficamos na expectativa de conhecer qual argumento um ou outro vai utilizar, para rebater as ideias expostas.

Destacaria, também, a ótima atuação do trio de atores principais, em especial, Liv Ullmann que, depois que passou a dirigir filmes, tem sido bem raras suas aparições como atriz de cinema. Tanto ela, quanto Sam Waterston e John Heard dão tamanha credibilidade aquelas palavras, escritas inicialmente no livro, transpostas para uma linguagem audiovisual, que nos sentimos impelidos a permanecer sentados, a fim de ver até onde vai aquele denso, sim, porém interessantíssimo debate sobre o mundo.

Mauricio Amorim é professor de Linguistica e Produção Textual da Universidade do Estado da Bahia, Cineasta e Colunista do Cabine Cultural.




Robin Hood
A Voz do Silêncio

Sobre o autor

Redação

Redação

Matéria produzida pela equipe do site.
Copyright © 2018. Cabine Cultural: arte, cultura, entretenimento; cinema & tv

2 Comments

  • Olá Mauricio Amorim,
    Sou aluna da UNEB, e meu professor de Metodologia Cientifica me indicou esse filme, de inicio não me interessei tanto, o começo é bem cansativo, mas me encantei pelo texto e a forma que os personagens discorriam sobre os temas debatidos. Sua critica sobre o filme foi muito bem fundamentada, parabéns pelo seu trabalho!
    Att,
    Renata Rosa

Deixe uma resposta