Sete exposições simultâneas marcam projeto de fotografia no MIS
Fotografia

Sete exposições simultâneas marcam projeto de fotografia no MIS

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Invasão das tropas do Pacto de Varsóvia – Magnum Photos

Quem acompanha a agenda cultural do Museu da Imagem e do Som (MIS) sabe que o espaço dedica o mês de maio para projetos fotográficos, o chamado Maio Fotografia no MIS. Desta vez não será diferente e a instituição apresenta de 1º de maio a 22 de junho, em todos os espaços expositivos do Museu obras de artistas como Gregory Crewdson, Josef Koudelka, Robério Braga e Valdir Cruz, além da mostra Fotografia: um longo processo, elaborada a partir do acervo do MIS. Ainda dentro do projeto, a instituição organizou, em parceria com o Estúdio Madalena, o III Encontro Pensamento e Reflexão na Fotografia, que ocorre entre 22 e 24 de maio, e que conta com a união de pensadores da fotografia nacional e internacional para colocar em questão a reflexão sobre a criação fotográfica.

Confira agora um resumo das exposições individuais que o Museu apresentará em maio e junho:

Gregory Crewdson – Por baixo das Rosas
Por baixo das rosas
apresenta dez fotografias em grande escala de Gregory Crewdson. Nestas imagens panorâmicas Crewdson explora os recessos da psique norte-americana e os dramas perturbadores que se dão em ambientes cotidianos. Na série, paisagens de cidadezinhas anônimas, florestas e ruas largas e desoladas são reveladas como locais de mistério e maravilha; da mesma maneira, interiores de casas comuns se transformam em terreno fértil para cenas bizarras. As imagens de Crewdson também trazem à mente o mundo do cinema – em especial a obra de Alfred Hitchcock, Douglas Sirk e Terrence Malick. O processo e a abordagem do artista têm um aspecto cinematográfico. Originalmente intitulada Beneath the Roses e composta por 20 imagens, a série foi criada entre 2003 e 2008.

Josef Koudelka – Invasão 68 Praga
Nesta mostra de 75 fotos em preto e branco, o tcheco Josef Koudelka (1938) registrou a invasão de Praga em 1968, retratando sete dias dramáticos, que se tornaram símbolo da luta pela liberdade. Em agosto daquele ano, aos 30 anos, Koudelka tinha acabado de voltar da Romênia, onde fotografou os povos ciganos, um tema que ele estava trabalhando há alguns anos, além de registrar peças de teatro. A exposição é composta por imagens selecionadas pessoalmente por Koudelka de seu extenso arquivo.

Robério Braga – Luz Negra
Fugindo do atalho fácil do exotismo, equilibrando-se entre a magia étnica e a beleza dos contrastes gerados pelo embate entre a ancestralidade e a globalização, o fotógrafo baiano Robério Braga fez do Quênia, na África Oriental, o seu objeto de investigação. A mostra Luz Negra, que tem curadoria de Diógenes Moura, é composta por 20 imagens, todas em preto e branco, a maioria no tamanho 1m x 1,5m, além de objetos, imagens de arquivo e cenas do making of das fotos, que em conjunto revelam aspectos cotidianos e culturais de três tribos do Quênia (que também habitam o norte da Tanzânia): maasai, pokot e samburu.

Mulher Cigana – Valdir Cruz

Valdir Cruz – Guarapuava
O fotógrafo Valdir Cruz mora nos Estados Unidos desde 1978, mas nos últimos 30 anos dedicou grande parte do seu tempo (e da sua vida) para fotografar Guarapuava, a 240 km de Curitiba, no Paraná, sua terra natal. O resultado são 4.500 negativos em preto e branco, feitos com filmes nos formatos 35mm, 6X6 e 4X5 polegadas. O próprio artista selecionou cerca de 40 imagens, todas em P&B, para esta mostra. Na abertura da exposição, Valdir lança o livro de título homônimo. Publicado pela Terra Virgem Edições, conta com 90 imagens, também selecionadas pelo artista.

Fotografia: um longo processo
A exposição traz um recorte da extensa coleção de fotografias do acervo do MIS que conta com aproximadamente 100 mil itens –, realizado pela pesquisadora francesa Marie Rosière. Percorrendo o período entre 1865 e 1930, foram selecionadas 80 fotografias, entre cartões-postais, cartões de visita, cartões cabinet e autocromos produzidos no Brasil, além de fotografias estereoscópicas de países como França, Japão, Irlanda e Estados Unidos.

Nova Fotografia: Fábio Astolpho – Happy Mountain
As fotografias que compõem a exposição mostram a solidão urbana nas grandes cidades. As 19 fotos foram feitas entre 2012 e 2013 em diversas cidades como Madri e Toledo (Espanha), Veneza e Milão (Itália), São Paulo (SP) e Morretes (PR).

SERVIÇO
Maio Fotografia No Mis 2014

1.05 a 22.06
Terça a sábado  das 12h às 21h | Domingos e feriados, das 11h às 20h
Abertura 1º de maio das 12h às 21h (entrada gratuita)
Espaço Nicho, Espaço Expositivo Térreo, Espaço Redondo, Espaço Expositivo 1º andar, Espaço Expositivo 2º andar
R$ 6,00 (inteira), R$ 3,00 (meia), à venda na recepção do MIS. Gratuito para menores de 5 anos.
Classificação etária livre

III Encontro Pensamento e Reflexão na Fotografia
22 a 24 de maio
Quinta a sábado. Workshops das 10h às 12h30h; palestras das 15h às 21h
Foyer e Auditório MIS (172 lugares), Auditório LABMIS (66 lugares) e sala de interfaces
Gratuito (por meio de inscrição, disponível no site do MIS, para assistir a todas as palestras; retirada de ingresso com uma hora de antecedência na recepção do MISpara assistir às palestras avulsas)
Classificação etária livre
Museu da Imagem e do Som – MISAvenida Europa, 158, Jardim Europa, São Paulo


  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Deixe uma resposta