O Jardineiro Fiel – um dos melhores filmes de Fernando Meirelles | Cabine Cultural
Críticas

O Jardineiro Fiel

O Jardineiro Fiel cinema

O Jardineiro Fiel de Fernando Meirelles

O Jardineiro Fiel – um dos melhores filmes de Fernando Meirelles

Sim, Cidade de Deus e Ensaio Sobre a Cegueira são duas obras marcantes, e excelentes, do diretor Fernando Meirelles. 360 não chegou nem perto delas e, O Jardineiro Fiel, na minha opinião, a melhor de todas as obras feitas por Meirelles, até então. Um filme sensacional, que retrata os obscuros bastidores da indústria farmacêutica.

A princípio, aparentemente, uma história de amor. Porém, logo após alguns minutos de história, percebe-se que O Jardineiro Fiel será um thriller que envolve conspiração, traição, e morte.

O filme parte do livro de John Le Carré, e conta a história de um diplomata britânico que se apaixona por Tessa, uma ativista dos direitos humanos. Depois de casados, eles se mudam para o Quênia, onde Justin, o diplomata, mantem-se ocupado com suas obrigações diplomáticas, enquanto Tessa passa a investigar grandes golpes realizados por poderosas empresas farmacêuticas que lucram com a miséria da África. Por conta dessa investigação, e de tudo o que ela começa a descobrir, Tessa é assassinada, e as provas do crime levam o diplomata a duvidar da fidelidade da esposa. Tal dúvida faz com que Justin, ignorando todos os avisos – e ameaças a sua própria vida – passe a investigar as misteriosas causas do assassinato da sua mulher.

Leia também:  Crítica Logan: a sobrevivência de um homem que busca sua própria paz de espírito

O Jardineiro Fiel é um filme perfeito do ponto de vista técnico e artístico. Fernando Meirelles, como diretor, não deixa nada a desejar aos grandes realizadores de cinema: ele fez um trabalho extremamente bem orquestrado. O elenco afiadíssimo, com óbvio destaque para Rachel Weisz e Ralph Fiennes, um roteiro que acopla sequências em flashbacks com a ação num tempo real, uma fotografia primorosa e, evidentemente, uma edição sensacional, são algumas das várias qualidades dessa obra de Meireles.

Entretanto, o que mais fica evidenciado, nesta obra, é exatamente o seu caráter de denúncia. E não falo aqui, exclusivamente, da denúncia da péssima condição de vida em algumas partes da África, da globalização e de todas as suas consequências ou, ainda, da má distribuição da renda mundial e, sim, da cruel manipulação da indústria farmacêutica: é chocante assistirmos cenas em que o negligente governo do Quênia permite que sua população pobre, bastante miserável, seja usada como cobaias para a aplicação dos remédios dessas corporações farmacêuticas.

Leia também:  Debatendo Cinema: O Processo (Le Procès, França, Itália, Alemanha, 1962)

Ao mesmo tempo em que Meirelles, através do ótimo roteiro de Jeffrey Caine, conta uma bela história de amor, ele também conta uma história de injustiça e abuso que poderia render um excelente documentário.

O Jardineiro Fiel foi indicado a algumas categorias do Oscar, assim como participou de outras premiações, durante o ano de 2006. Fernando Meirelles, injustamente, não concorreu ao Oscar, mas o roteiro adaptado, a edição, a trilha sonora e Rachel Weisz, concorreram, e Rachel levou a estatueta de Melhor Atriz Coadjuvante. Merecidamente.

Que O Jardineiro Fiel seja conhecido, visto e revisto, para que possamos sempre ver (e sempre lembrar) como o mundo pode ser bastante cruel, ainda mais quando os mais sórdidos interesses econômicos sobrepõem-se aos mais básicos interesses humanitários.

Leia também:  Crítica: vale a pena assistir Silêncio, novo filme de Scorsese?

Um filme obrigatório!

Mauricio Amorim é Professor de Linguística e Produção Textual da Universidade do Estado da Bahia, Especialista em Linguagens e Mídias Audiovisuais, Cineasta e Colunista do Cabine Cultural.


Deixe uma resposta