Crítica Império: novela promete ser uma das melhores da década | Cabine Cultural
Televisão

Império: novela promete ser uma das melhores

império chay suede

Novela Império

Império estreou semana passada apresentando tudo que uma boa novela deve possuir: história interessante, personagens bem construídos e ótimas atuações

Por Luis Fernando Pereira

Claro que ainda é uma avaliação preliminar, afinal de contas, afirmar categoricamente que uma novela de duzentos capítulos será ótima tendo como base somente os quatro primeiros é bastante arriscado. Mas ao menos já dá para cravar que a primeira semana de Império, novela de Agnaldo Silva elevou e muito a qualidade do produto novela na Rede Globo. Esse nível de qualidade, que cria um abismo entre as novelas da Rede Globo e as das outras emissoras, já vinha acontecendo há algum tempo, desde Avenida Brasil que esta atmosfera cinematográfica e esta atenção aos detalhes vêm tomando conta das produções da empresa. Entretanto, a julgar pelos primeiros capítulos, Império jogou ainda mais para cima tudo isto, provando que dá para inserir qualidades narrativas e técnicas em um produto tão popular e abrangente como novela.

E foram vários os elementos que fizeram da novela uma obra digna de aplausos, a começar pelo começo, como diria a famosa frase, logo na primeira sequência, que mostra o personagem José Alfredo (Alexandre Nero) sobrevoando aquele que é o local onde toda sua história começou: uma enorme mina de exploração de pedras preciosas. As imagens abertas, com um plano geral do local, já dá a ideia de grandiosidade que a novela proporciona no primeiro capítulo. É tudo um tanto épico, desde os takes, até a trilha incidental que serve como complemento à cena. Ali já sabemos que se trata de um milionário que nem sempre fora assim, e que sua chegada ao local também serve para visitar alguém muito importante em sua vida, que ali está enterrado. Sem muita demora a direção do capítulo, a cargo de Rogério Gomes, volta no tempo, para quando José Alfredo ainda é um jovem (interpretado pelo ator Chay Suede) pobre saído de Recife e que tentava ganhar a vida no Rio de Janeiro, se hospedando na casa de seu irmão (Thiago Martins).

Leia também:  Intrínseca lança “Sprint”, livro que revela método usado pelo Google para teste de novas ideias

Lá conhecemos duas das personagens principais da novela: a esposa de seu irmão Eliane (Vanessa Giácomo) e sua irmã Cora (Marjorie Estiano). Na primeira cena já percebemos que a troca de olhares de Alfredo e Eliane seria o indicativo de uma relação de amor entre os dois. Também se percebe facilmente que Cora, com suas tiradas sarcásticas, seria alçada ao posto de vilã da história. Nos dois casos, estamos certos, e esses, no fim das contas, são dois dos pontos fortes da novela: a relação de amor impossível entre Eliane e seu cunhado (combustível para dezenas de bons acontecimentos na história) e a chegada de mais uma personagem no estilo de Carminha, a mítica vilã vivida por Adriana Esteves em Avenida Brasil.

As interpretações também foram dignas de aplausos. Difícil escolher quem se sobressaiu nos primeiros capítulos da novela: Marjorie Estiano trouxe toda a carga de uma pessoa pragmática, racional e que não mede esforço algum para conseguir o que achar melhor para a sua vida (e de sua irmã também); Chay Suede, depois de conquistar as adolescentes em seu antigo projeto (Rebelde), entra com tudo no mundo adulto da teledramaturgia. Uma novela em horário nobre não é trabalho para qualquer um e ele mostrou ter o talento necessário para segurar tranquilo um capítulo que foi todo centrado em sua história; Vanessa Giácomo e Reginaldo Faria (em participação especial) já são atores tarimbados e por isso suas boas atuações já eram esperadas. Ao fim do primeiro capítulo e início do segundo, somos apresentados a outras duas personagens, fortes e bem construídas: a empresária portuguesa Maria Joaquina Braga, interpretada pela brilhante Regina Duarte e Maria Marta, vivida por Adriana Birolli. Esta última por sinal foi uma mistura muito bem construída de drama com alívio cômico e sua relação com José Alfredo foi o bem sucedido plote do segundo dia da novela.

Novela Império

Novela Império

Outro grande destaque da novela é, indiscutivelmente, a trilha sonora, que vai desde o momento da abertura, com a mágica canção dos Beatles Lucy in the Sky with Diamonds, na voz de Dan Torres, passando pelas canções que embalam os dois capítulos iniciais, como a linda Aonde quer que eu vá, dos Paralamas do Sucesso, Enrosca, que originalmente pertence ao cantor Fábio Jr e Magic, do novo álbum da banda britânica Coldplay.

Leia também:  Editora Matrix lança o livro Profissão Futuro

Cravar aqui que a novela será um sucesso ainda é muito arriscado. A primeira semana, entretanto, deu esperanças, sobretudo aos fãs de novelas que estavam decepcionados com o último projeto em horário nobre da Rede Globo, a insossa Em Família, de Manoel Carlos. Resta-nos agora esperar, acompanhar e voltar daqui há algumas semanas com um veredito um pouco mais concreto e não tão passível de falhas. Mas uma coisa já pode-se afirmar com toda a certeza: os primeiros capítulos de Império já entram para a história da teledramaturgia brasileira como os melhores até então.




12 respostas para “Império: novela promete ser uma das melhores”

  1. eu tenho nojo dessa emisso nogente que pensa que nois brasileiros somos cachorros pra assistir tamanha vergonha dessa novela imunda da imperio era bom que vinhece um terrorista e explodisse essa emissora nogenta!!! fodanse

    • Leo, seu tradutor tá todo fodido ou vc tá de sacanagem!?…kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
      O Velhinho in:

  2. Não são só as novelas da rede esgoto que estão em decadência, não!…. Alguns atores também!…. E vá pra PQP quem argumentar que é pôr à prova o talento de quem já está sacramentado, explorando a privacidade de pessoas que já são perseguidas pela socideade!
    Autores decadentes, que se acham moderninhos ou apenas extravasando seus instintos bestiais, doentios, nojentos, que não têm mais argumentos, e se repetem, pela terceira vez na exploração homossexual!…. Como na primeira em que um casal de homens se beijam [e isso é muito BOM para a formação das crianças e adolescentes ainda não se definiram sexualmente] passou livremente pelo crivo da escrotidão global, mandaram mais um lixo onde duas mulheres acabam um casamento para formar um casal de mulheres… E não venham com desculpa safada de mostrar a realidade! Vai mostrar sua realidade de incompetência pra P☠ϑϮي☭☿✇Ψ †ῇ! Porque tá todo o mundo careca de saber dessa realidade, que não precisa de exposição, exploração, parasitismo e escada ou muleta de texto/argumento claudicante! É POBRE SIM, POBRE DE ESPÍRITO E DE TEOR ARTÍSTICO!….
    Agora, atores talentosos, homens velhos, casados, pais de família, avós, e que em tempos de fama eram galãs, se prestam ao papel ridículo de bichas velhas!… E não tem nada contra a opção sexual de ninguém! Vejam bem, eu falei OPÇÃO, e não a imbecilidade dos modistas deslumbrados de palavras ORIENTAÇÃO!…. P☠ϑϮي☭☿✇Ψ †ῇ!…. QUEM ORIENTA A UM FILHO/A A SER HOMOSSEXUAL!?…. FALA SÉRIO!
    O ator Ailton Graça a desdita rede fez de tudo para torná-lo galã, submetendo lindas atrizes a papel ridículos de apaixonadas por ele!… Oxalá essa caricatura grotesca de gay violento “muito macho” não seja inspirada em determinada personalidade bem conhecida no meio artístico, pois aí, sim, neguinho vai levar porrada e bem merecida!…. Quanto a Paulo Betti e José Mayer, FRANCAMENTE!….
    Ainda vai ter infeliz que vai argumentar por que estou assistindo ao LIXO! Não estou acompanhado. Por acaso, depois do Jornal continuou no mesmo canal. E o que vi foi o bastante!… E sou, sim, noveleiro de carteirinha assinada, mas de Novelas, escritas por gente grande e competente, e estou falando de Dias Gomes, Janete Clair, entre mais uma meia dúzia de autores que escreviam para a família assistir junta, e não vomitar e ter uma indigestão numa mesa de jantar!
    ESSE É O FIM DO MUNDO TÃO FALADO EM 2012, O FIM DO BOM-SENSO, DO SIMANCOL, DA DIGNIDADE DO SER HUMANO, DO HONRAR AS CALÇAS QUE SE VESTE, FIM DO TALENTO, E O PIOR, QUE SÓ MORREU QUEM REALMENTE O TINHA!…. Graças a Deus, muita gente demonstra sua indignação a cada porcaria de decrescente audiência! Pessoas que ainda têm Deus e suas famílias no coração!…. PQP!☠ϑϮي☭☿✇Ψ†ῇ!
    O VELHINHO IN:

  3. Não sou de dormir tarde, mas a novela Império está conseguindo me deixar acordada por mais tempo. É a única novela que assisto e não por não ter o que fazer, mas porque ela está sensacional. Sem aqueles vilões chatos e que estamos acostumados a assistir, pelo contrário, eles são divertidos.

  4. Essa novela começou boa quando tinha a interpretação do Chay e da Adriana Birolli, agora na segunda fase, a novela está horrível! Acho difícil Império superar as tramas Amor à Vida e Avenida Brasil as duas melhores novelas da década.

  5. Honestamente, não é o que parece!! A impressão que temos, analisando-se as últimas novelas globais de todos os horários, é que a emissora perdeu a mão em um assunto que antes dominava como ninguém!!!

    • “A impressão que temos” – quem, Paulo? Deixe que eu me explique:
      a novela está segurando todo mundo na cadeira e não é pelo hábito ou pela comodidade, muito menos pela pieguice ou por cenas de sexo ou violência – é pela história.
      Novela é um assunto sério, é um produto caro e popular ao mesmo tempo. Caro para uma emissora e popular para um país – sem contar as novelas que são exportadas. Portanto, esse produto deve ser avaliado tecnicamente e também por sua capacidade de entreter, emocionar e divertir. Até o momento concordo com toda a crítica do (aliás, quem assina a crítica?) Cabine Cultural. É possível que a avalanche de novelas ruins, mal escritas e feitas às pressas ou ‘nas coxas’ tenha criado alguns – poucos – maus telespectadores, incapazes de avaliar esse produto. Mas a maioria, como se vê, simplesmente adora a novela porque ela é boa, e já dá para falar de boca cheia: a novela é boa. Tecnicamente: sem diálogos clichês, com personagens redondos (bem estruturados), capazes de demonstrar bom humor, raiva, alegria. Ou seja, humanizados. Com uma história fluida, sem impasses desnecessários. Com ótima trilha sonora, atores excepcionais e atores populares misturados falando a mesma língua. Ninguém está deixando a bola cair. Todos parecem estar muito bem dirigidos, sabendo para onde apontar. Mas todo esse conjunto, como vimos em outras produções nacionais e internacionais, televisivas ou cinematográficas, não gera por si só o sucesso ou uma identificação. É preciso empatia da trama com o telespectador – o que falta em Geração Brasil – e verossimilhança – o que falta em Meu Pedacinho De Chão, que é uma obra fantasiosa espetacular, mas tão fantasiosa que se esqueceu de que o público adulto quer se encontrar ali também. A partir da década de 90 apenas duas novelas das 21h conseguiram realmente ser unânimes entre público e crítica: Renascer (por unir o aspecto técnico, o roteiro e as interpretações, fruto do texto de Benedito Ruy Barbosa, do afinco do diretor Luis Fernando Carvalho e da escalação de elenco) e Avenida Brasil (mais por sua agilidade, reviravoltas e interpretações e texto, já que a originalidade de cenas não foi o forte de João Emanuel Carneiro e foram vendidas para o telespectador como “homenagens” a nomes como Quentin Tarantino). Agora Império mostra que será – e esperamos mesmo que seja – a terceira grande novela unânime entre público e crítica. Não à toa, desde o início, há enormes homenagens – sim, nesse caso, homenagens – a Renascer (como quando Maria Marta, ainda jovem, quase perde a vida ao dar à luz o último bebê e José Alfredo reage exatamente como José Inocêncio, com as mesmas falas e uma possível rejeição futura a esse filho). Aliás, José Alfredo é claramente uma versão adaptada de José Inocêncio – mas os motivos são outros: ambição, poder, frustração de um amor perdido. Outras obras foram lembradas, como Fera Ferida.
      Façamos jus ao trabalho bem feito: a impressão que temos, analisando as últimas novelas globais de todos os horários, é que a emissora não consegue criar grandes novelas em todos os horários e nem todos os anos, mas que quando o faz, demonstra que está acertando brilhantemente.

      • Oi Ricardo!

        Quem assina é Luis Fernando Pereira, não tem a bio dele, mas seu nome está na tag.

        Seu comentário complementa e adiciona muito ao texto.

        Obrigado pela visita!

        Abraços

      • Eu adorei a novela, desde o primeiro capítulo, incluindo tudo: trilha sonora, atores excepcionais, cenas fortes e emocionantes.
        Tem tudo para ser, sim, uma das melhores da década.
        Sem falar que conta com excelentes profissionais: Drica Moraes( que deu um show de atuação na morte da irmã, sem contar que ela faz um papel de vilã totalmente dosado: uma vilã humana, que oscila entre bondade e maldade), Lilian Cabral( que dispensa comentários). E até mesmos os atores mais novatos deram e estão dando um aula de interpretação. Aguinaldo Silva, meus parabéns, você resgatou o gosto pelas novelas das 9.
        E meu comentário não é somente de uma mera telespectadora, não, eu também faço teatro e entendo um pouco do assunto.
        Obrigada.

      • Com certeza!

        E imperio parece muito renascer nesse sentido: ambas tem os 4 primeiros capítulos mais fantástico das novelas desde aquela época. Leonardo vieira, assim como Chay, foram “descobertos” e revelados por suas excelentes atuações. O romance com Patrícia França, a “santinha”, foi ponto ápice da primeira parte, assim como sua luta pela “riqueza” através do jequitibá rei. Os diamantes de José Alfredo, através do monte roraima.

        Espero que Chay tenha mais sorte que Leonardo Vieira. E que o imperador, seja confirmado tão bom quanto renascer se confirmou. Mas mesmo que seja, Avenida Brasil está com lugar garantido entre eles :)

Deixe uma resposta