Crítica Sex Tape - Perdido na nuvem: quando o sexo é o centro de tudo | Cabine Cultural
Críticas

Crítica Sex Tape – Perdido na nuvem

Sex tape - Perdido na Nuvem

Sex Tape – Perdido na Nuvem

Novo filme da dupla Cameron Diaz e Jason Segel aborda relação sexual como parâmetro de um casamento; resultado poderia ser melhor

Se você pegar a premissa de Sex Tape – Perdido na nuvem, novo filme do cineasta Jake Kasdan e estrelado pela dupla de astros Cameron Diaz e Jason Segel (ambos de Bad Teacher) e contar para seus amigos, eles provavelmente se interessarão pela história. Contar a história de um casal que no início do relacionamento possuía um desejo carnal aflorado, uma libido típica dos jovens sem grandes preocupações; mas ai com o tempo, com o casamento, com os filhos, com as atribulações do trabalho… este desejo passa a ser cada vez menor, ao ponto de incomodá-los; contar esta história abre brechas para falarmos de uma série de questões interessantes. O problema é que Sex Tape não consegue desenvolver de modo satisfatório o elemento central da trama e acaba focando somente na parte sexual, desculpa conveniente para mostrar sempre que possível o belo bumbum de Cameron Diaz – o de Jason Segel também – e suas caras e bocas sensuais, que certamente levará o público masculino ao delírio.

Leia também:  Crítica Um Homem de Família: um filme bom, ruim ou razoável?

Retomando a história para entender melhor: quando Jay (Jason Segel) e Annie (Cameron Diaz) se conheceram, o romance era intenso; porém, 10 anos e dois filhos depois, a chama da paixão deles começa a se apagar. Para apimentar a relação, Annie tem uma brilhante ideia: gravar um vídeo de uma maratona de 3 horas onde eles tentam fazer todas as posições do livro A Alegria do Sexo. A ideia funciona, mas eles descobrem que o vídeo acabou parando em vários Ipads alheios, com alguém ameaçando compartilhar a tal sex tape. Com muita coisa a perder, eles partem em uma corrida para evitar que o vídeo vaze na internet, o que dá aos dois uma noite cheia de aventuras.

A abordagem da trama então passeia pela comédia picante, que difere daquela mais família ou romântica por conter uma linguagem sexual bem intensa e cenas que beiram o erotismo. Claro que sempre quando há cenas onde os dois fazem sexo, ou insinuam o ato sexual, o tom de humor prevalece, até mesmo para não cair na vulgaridade barata. Neste aspecto, é até interessante a escolha narrativa. As tais cenas onde aparece o bumbum de Cameron Diaz e também de Jason Segel, são bem comuns aos casais, então não há porque se espantar. O que se pode destacar é tão somente a boa forma física da atriz, que parece não envelhecer nunca e continua sendo um dos mais belos rostos, e corpos, de Hollywood.

Leia também:  Crítica Além das Palavras: uma obra extremamente relevante e obrigatória

Se toda a primeira parte do filme trabalha esta questão de relacionamento, questão que muitas mulheres, e homens, entendem e até compartilham do mesmo sentimento, a segunda parte joga os dois em situações pra lá de constrangedoras, transformando o filme numa comédia pastelão. Isso porque eles vão buscar o tal vídeo em todos os Ipads que Jay deu de presente. Esta aventura faz Annie cheirar cocaína, faz Jay ser perseguido por um cão enquanto tenta invadir o quarto de um dos suspeitos, e faz também seus melhores amigos transarem no carro deles no meio da rua. Mas o mais absurdo está por vir: eles conseguem invadir a sede do Youporn – um dos sites mais famosos de conteúdo sexual – com os dois filhos a tiracolo para deletar o arquivo que contém sua sex tape. O absurdo toma ares ainda maiores quando o dono do site (Jack Black) aparece pra conversar com os dois.

Sex Tape - Perdido na Nuvem Divulgação

Sex Tape – Perdido na Nuvem Divulgação

O problema é que Sex tape foi buscar a risada fácil e não desenvolveu nem um pouco a principal questão da história: como agir quando a relação esfria. O filme tocou exclusivamente na questão sexual, o que acabou tornando o filme raso. E com uma trama rasa, a parte voltada para a comédia deveria compensar. Mas não chega a tanto, pois, tirando uma risada aqui e ali, a história não engrena a ponto de você sair da sessão satisfeito.

Leia também:  Crítica: vale a pena assistir Corra! estreia da semana nos cinemas?

Cameron Diaz, depois do insosso Mulheres ao Ataque, volta a interpretar uma personagem que em tese possui características marcantes (mãe e blogueira que representa a mulher moderna) mas que na prática só entrega uma personagem boba sem nenhum tipo de aspiração. Jason Segel, por sua vez, ainda não vingou na indústria hollywoodiana, mesmo tendo todo o potencial para fazer isto acontecer. É um grande ator, mas se continuar insistindo em somente participar de filmes bobos, sem nenhum desafio de interpretação, sua carreira pode ficar estacionada no exato lugar que está atualmente.

Sex Tape – Perdido na nuvem não chega a ser uma decepção. Proporciona algumas risadas e apresenta ao mundo o lindo bumbum da Cameron Diaz. Mas tinha potencial para ser bem mais que isso.




Deixe uma resposta