Cena teatral baiana é destaque em São Paulo no mês de setembro | Cabine Cultural
Agenda Teatro

Cena teatral baiana é destaque em São Paulo no mês de setembro

Exu, A boca do universo – Foto de Andréa Magnoni

Festival do Teatro Brasileiro leva nove relevantes espetáculos baianos aos teatros paulistanos; 17 dias de programação e 24 sessões. Imperdível

A partir do dia 4 de setembro um pedaço bem rico da Bahia estará n principal capital brasileira: o Festival do Teatro Brasileiro – depois de passar pelo Acre, Mato Grosso do Sul e Espírito Santo – chega a São Paulo e ocupa três espaços culturais importantes com espetáculos da cena teatral baiana.

O Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB), Teatro Sérgio Cardoso e Teatro João Caetano abrigará nove espetáculos em 17 dias de programação e 24 sessões de teatrais, numa verdadeira mostra do que melhor se tem produzido em termos de dramaturgia na Bahia. A cidade de Bauru, no estado de São Paulo, também terá dois espetáculos do Festival..

Abertura
A abertura do Festival será feita no CCBB, dia 4 de setembro, às 20 horas, com o espetáculo Exu – a Boca do Universo, do Núcleo Afrobrasileiro de Teatro de Alagoinhas (NATA).

Confira agora a super programação do festival e se agende desde já

Exu – a Boca do Universo
Núcleo Afrobrasileiro de Teatro de Alagoinhas (NATA)
CCBB – Centro Cultural Banco do Brasil

04 e 05 de setembro, quinta e sexta feira, às 20h
Bate papo com artistas dia 05/09 após espetáculo
Duração: 60 min
Recomendação: 18 anos
História: O espetáculo narra sem compromisso cronológico momentos em que Exu se mostra diferente daquilo que tanto se pregou na cultura ocidental sobre o orixá que rege a comunicação e a liberdade no candomblé. Optando por uma dramaturgia músico-poética, pela encenação em um espaço aberto e por atores que se personificam sobre as diversas concepções do orixá Exu, o humano e o divino se entrelaçam na celebração à condição de estar vivo. Exu, em suas várias facetas, se mostra como alguém que valoriza o movimento da vida, do ‘falar’ ao ‘agir’, do ‘pensar’ ao ‘sentir’.

O Circo de Soleinildo
Cia Operakata de Teatro
Teatro Sergio Cardoso – Sala Paschoal Carlos Magno

05 e 06 de setembro, sexta e sábado, 20h
Bate papo com artistas dia 06/09 após espetáculo
Duração: 40 min
Recomendação: livre
História: Em algum lugar no interior do sertão brasileiro, Soleinildo e seus três companheiros de lona viajam à procura de público, cada vez mais escasso, para o seu circo de ilusões. Contrariando a tendência da contemporaneidade, O Circo de Soleinildo segue, até então, mantendo suas tradições com números simples e até mesmo ingênuos. Contudo, a dificuldade de atrair público traz à tona uma questão: prosseguir com os mesmos princípios dessa arte milenar deixada por seus antepassados ou aderir às novas tecnologias e às mudanças do mundo moderno?

Leia também:  Perto do Coração Selvagem, de Clarice Lispector, estreia no Teatro Municipal Café Pequeno

Cabaré da Rrrraça
Bando de Teatro Olodum
Teatro João Caetano

06 e 07 de setembro, sábado às 21h e domingo, às 19h
Bate papo com artistas dia 07/09 após espetáculo
Duração: 90 min
Recomendação: 16 anos
História: A peça trata de um assunto básico para a sociedade brasileira, mas difícil: o que é ser negro neste país? Combatendo a política do branqueamento, chegando às ações afirmativas e às cotas raciais, o Bando discute tudo isso com inteligência, humor, música e dança. “Boa noite, resistência, e boa noite, brancos. Este é um espetáculo, didático, panfletário e interativo”, avisa o consciente personagem Wensley, criado e interpretado por Lázaro Ramos, sendo a deixa para o início de uma sucessão de cenas cotidianas que colocam em cheque a nossa suposta ‘cordialidade racial’.

Ícaro
Dejalmir Melo (dança)
CCBB – Centro Cultural Banco do Brasil

06 e 07 de setembro, sábado ás 20h e domingo, às 19h
Bate papo com artistas dia 07/09 após espetáculo
Duração: 45 min
Recomendação: 15 anos
História: É um espetáculo que faz uma reflexão sobre o contínuo ciclo de vida, morte e renascimento, A montagem propõe o desenvolvimento metafórico do mito grego “Ícaro” a partir do seu fim. Sugere a ideia de que “após morrer” – tendo as suas asas de cera derretidas pelo calor do sol – sobrevive carregando em si a profunda experiência de conhecer de perto o inacessível e seu valor. Aproximando-o do homem comum, limitado ao voo da consciência em sua jornada vital pelas inquietações sobre as antíteses da infância/velhice, prazeres/desgostos, perdas/descobertas diárias comuns no cenário contemporâneo.

A Arte de Matar Galinhas Ator Igor Epifanio Foto Márcio Lima

A Arte de Matar Galinhas
Companhia Tribo
Teatro Sergio Cardoso – Hall do 2º andar
08 e 09 de setembro, segunda e terça feira, às 20h
Bate papo com artistas dia 09/09 após espetáculo
Duração: 80 min
Recomendação: 12 anos
História: A arte de matar galinhas, quetem livre inspiração no protagonista do livro O Idiota, de Dostoievski, é uma cena-jantar que se passa dentro de uma cozinha, onde um cozinheiro misterioso é colocado em uma situação inusitada: Precisa dar uma aula sobre nossa herança alimentar, enquanto prepara uma refeição. Com ironia, humor, pães, vinhos, uma galinha viva e uma deliciosa canja, preparada em tempo real, o espetáculofaz o público pensar – e degustar – algumas das melhores possibilidades do ritual de encontro em que o paladar, a conversa, o tempo, o olhar e o pensamento próprio estão no menu do dia.

Leia também:  O Corpo da Mulher Como Campo de Batalha reestreia no Teatro Gláucio Gil

Entre Nós – uma comédia sobre a diversidade
Texto e direção de João Sanches
Teatro Sergio Cardoso – Sala Paschoal Carlos Magno

12 e 13 de setembro de 2014, sexta e sábado, às 20h
Bate papo com artistas dia 13/09 após espetáculo
Duração: 80 min
Recomendação: 12 anos
História: Vencedor em três categorias do Prêmio Braskem de Teatro 2012 (Melhor Espetáculo, Melhor Ator – Igor Epifânio – e Melhor Texto),Entre Nós – uma comédia sobre diversidade tem texto, direção, iluminação e figurino de João Sanches (Eu Te Amo Mesmo Assim/ Pague Pra Ver). O enredo põe em cena a história de dois jovens atores que se embaraçam em seus próprios conceitos sobre homossexualidade – e que, de acordo com o autor, só sairão dessa enrascada com a ajuda do público. No elenco estão Igor Epifânio (de “Mestre Haroldo e os Meninos” e “A Bofetada”) e Anderson Dy Souza (de “As Velhas” e “Policarpo Quaresma”)

Joelma
Território Sirius Teatro
CCBB – Centro Cultural Banco do Brasil

13 e 14 de setembro de 2014, sábado às 20h e domingo, às 19h
Bate papo com artistas dia 14/09 após espetáculo
Duração: 75 min
Recomendação: 16 anos
História: Esta encenação traz ao publico a história de Joelma, uma das primeiras transexuais da Bahia e do Brasil. Ao longo dos seus 69 anos de vida, ela transitou por distintos lugares passando por diversos acontecimentos. Sua biografia resguarda elementos relativos a questões de gênero e de religiosidade.  Uma narrativa de afirmação e reinvenção mesmo em frente a preconceitos e injustiças, instaurando ética, respeito e alteridade. O espetáculo valida vários assuntos e referências que não foram aprofundados pelo curta-metragem Joelma (obra matriz deste projeto cênico), que contou com a direção de Edson Bastos.  A encenação teatral Joelma traz diálogos, histórias, personagens, questionamentos e informações que redimensionam o caráter mítico, religioso, filosófico e conceitual da obra cinematográfica, estabelecendo outra criação que engloba o cinema – vídeo (a projeção) como um dos elementos constituintes da cena teatral.

Leia também:  Peça O Olho de Vidro segue até o final do mês no Centro Cultural dos Correios do RJ

O Corpo Perturbador
Edu O. (dança)
Teatro Sergio Cardoso – Sala Paschoal Carlos Magno

Dias 17 e 18 de setembro, quarta e quinta feira, às 20h
Bate papo com artistas dia 18/09 após espetáculo
Duração: 40 min
Recomendação: 16 anos
História: O espetáculo O Corpo Perturbador tem como principal temática o corpo com deficiência na perspectiva da sexualidade e a partir do devoteísmo (fetiche pela eficiência) promove reflexões acerca das relações de poder implicadas nos processos sociais, religiosos e artísticos que envolvem as pessoas com deficiência. Pretende-se também questionar e problematizar o desejo num mundo onde se vive sob a égide de um padrão estético rígido – que encontra na mídia seu grande construtor e mantenedor -, mas que, mesmo em pouca medida, ainda consegue ter seus dissidentes, que contrariam as regras e sentem-se atraídos por especificidades de alguns corpos considerados fora dos padrões.

mnésis – Foto Diney Araujo

Amnésis – uma busca intencional pela lembrança
Grupo Toca de Teatro
Teatro Sergio Cardoso – Sala Paschoal Carlos Magno

19 e 20/09/2014, sexta e sábado, às 20h
Bate papo com artistas dia 20/09 após espetáculo
Duração: 50 min
Recomendação: 12 anos
História: De maneira leve, lúdica, metafórica e divertida, a montagem reúne inúmeras historias de vidas que ecoam nas ruas e praças da cidade. Os três atores mergulham numa saga de aventuras, celebrações e aprendizados, dando vida a diversos personagens construídos a partir da coleta de histórias na Praça da Piedade, Mercado Modelo e Igreja de São Lázaro em Salvador.

SERVIÇO
Centro Cultural Banco do Brasil

Rua Álvares Penteado, 112 – Centro – SP – Próximo às estações Sé e São Bento do Metrô
ENTRADA FRANCA– Retirar senha 01 hora antes do início do espetáculo.

Teatro Sérgio Cardoso – Rua Rui Barbosa, 153 – Bela Vista
Capacidades: Sala Paschoal Carlos Magno – 144 lugares/ Hall do 2º andar – 20 lugares
R$ 20,00/ Meia R$ 10,00

Teatro João Caetano – Rua Borges Lagoa, 650 – Vila Clementino
Capacidade: 436 lugares
R$ 20,00/ Meia R$ 10,00




Deixe uma resposta