Crítica Porta dos Fundos na Fox: a estreia foi morna, mas o potencial é enorme | Cabine Cultural
Televisão

Crítica Porta dos Fundos na Fox: a estreia foi morna, mas o potencial é enorme

Porta dos Fundos

Elenco do programa conta com nomes como Gregório Duvivier, Clarice Falcão e Fabio Porchat; temporada terá 26 episódios exibidos pela Fox

O projeto Porta dos Fundos é daqueles fenômenos da chamada web 2.0 que todos, ou quase todos os internautas do país conhecem. É bem difícil alguém nunca ter ouvido falar do grupo ou nunca ter recebido um link com algum esquete sensacional do pessoal. E a consequência imediata deste fato foi a grande alavancada que o projeto deu nas carreiras de seus membros, sobretudo nas carreiras de Gregório Duvivier, Clarice Falcão e Fabio Porchat, que se transformaram rapidamente em queridos, não só das redes sociais, como do universo do cinema, da televisão e da música.

Assim, quando a notícia de que o web programa iria estrear na Fox, canal fechado, todos comemoraram como se fosse um gol da seleção brasileira em Copa do Mundo. Seria possível agora assistir ao programa de uma forma mais convencional, sentados no sofá, com o irmão, a irmã, os pais, amigos…

E foi com esta expectativa todos ligaram na emissora na última terça-feira para ver o que os talentosos rapazes (e moças) haviam preparados para o público. O que viram no decorrer do programa, entretanto, acabou trazendo um pequeno sentimento de frustração, já que o que houve foi uma transposição automática dos esquetes da internet para a televisão. Não que fosse ruim, mas exigir que o público fique de olhos vidrados em uma televisão só para rever materiais que já foram disponibilizados há tempos no Youtube era demais.

Leia também:  Marcelo é mais ousado, mas Dayse merece vencer o MasterChef

Apresentação
No episódio de estreia todos viram o que provavelmente será a dinâmica da série daqui para frente: temos a apresentação de Gabriel Totoro intercalado com os esquetes. Enquanto que a fala de Totoro aparentemente terá algum tema como fio condutor, os quadros do programa serão exibidos aleatoriamente, provavelmente por ordem de popularidade no próprio Youtube. Em tese, esta estrutura é a ideal, principalmente porque é inegável que o trabalho deles tem uma construção narrativa bem interessante, algumas simples, como o Traveco da Firma, que traz o Fabio Porcaht em ótimo momento, outras mais bem elaboradas, como em Ocupada, com Clarice Falcão, ou Entrevista de Emprego, com Luis Lobianco.

Leia também:  Especial: lançado pela Intrínseca, romance Antes que eu Vá ganha as telas de cinema
Porta dos Fundos

Porém, quando o episódio de estreia acaba, a sensação que fica no espectador mais atento é que o conteúdo foi despejado de um modo um tanto bagunçado para um programa de televisão. Era uma mistura de stand up com comédia de situação sem um roteiro bem definido, que resolveu somente construir uma colcha de retalhos, sem saber de fato onde queria chegar.

Dizer que o programa fracassou na televisão é querer antecipar demais uma situação que provavelmente irá melhorar. Certamente muitos do que assistiram gostaram, afinal de contas, era o que de melhor o projeto já havia exibido na internet,. A questão toda é que sabemos que as mentes que comandam o Porta dos Fundos conseguem entregar um programa infinitamente melhor do que o apresentado na terça-feira. Acredito que o tempo terá esta função de aprimorar o roteiro, fazendo-o ser um pouco mais uniforme e também de fazer todos perceberem o óbvio: internet é internet, televisão é televisão.

Sem esta ideia em mente a probabilidade de fracasso, não de público, mas de projeto, será bem maior. Entretanto, há algo que deixa os fãs do programa mais tranquilos, e que é a certeza de que eles são, sem dúvida alguma, grandes humoristas e atores, talvez os melhores de sua geração. Ou seja, bons materiais não irão faltar para o restante da temporada.

Leia também:  Crítica: marcante, relevante e essencial, esse é o Amor & Sexo com Fernanda Lima

Não há como analisar o trabalho da equipe, como as atuações de Clarice Falcão, Fabio Porchat e companhia, afinal, não temos nada de novo para observar. Só podemos constatar que os grandes nomes do programa serão as figuras mais vistas entre os quadros escolhidos para ir para a televisão.

Porta dos Fundos chegou à televisão como consequência de um sensacional trabalho construído na internet. Não podemos dizer que estreou com o pé direito, mas ainda há muita coisa para acontecer. Talento ao pessoal não falta. Talvez só falte para eles um pequeno curso de introdução ao modo de se fazer televisão no Brasil. Para quem veio do universo virtual talvez seja um problema, mas será imprescindível se eles quiserem também fazer história na TV brasileira. A internet já é deles. A TV ainda não.


3 respostas para “Crítica Porta dos Fundos na Fox: a estreia foi morna, mas o potencial é enorme”

  1. Assisti e achei uma porcaria, começando pelo apresentador, que é muito sem graça. Aliás, todo o programa.
    Grande lixo!!!
    Um programa de péssima qualidade.

  2. Eu esperava com espectativa, não foi nem 10% do que eu esperava, não perco meu tempo vendo isso que programa ruim…

Deixe uma resposta