Especial Jogos Vorazes A Esperança: Jennifer Lawrence, a melhor atriz de sua geração | Cabine Cultural
Cinema

Especial Jogos Vorazes A Esperança: Jennifer Lawrence, a melhor atriz de sua geração

Jennifer Lawrence em conferência de imprensa divulgando Jogos Vorazes

Atriz vem conquistando seu espaço ano após ano, interpretando personagens de filmes blockboosters e também de filmes alternativos

Os últimos meses foram bastante cruéis para a atriz Jennifer Lawrence. Ela, que sempre se destacou pelo seu talento mais que comprovado na arte de interpretar ótimos personagens, se viu envolvida em um absurdo vazamento de fotos de cunho íntimo, que acabou expondo sua privacidade e certamente abalou o lado emocional da atriz. É uma pena que casos assim ainda aconteçam com mulheres, independente de serem celebridades ou não.

Mas Jennifer logo estará de volta ao mundo do qual ela conhece e merece estar: seu próximo trabalho a ser lançado nos cinemas é o badalado Jogos Vorazes – A Esperança Parte Um, filme que promete bater todos os recordes de bilheterias no Brasil e no resto do mundo. Ela voltará então a ser lembrada enquanto atriz e protagonista de uma das sagas mais relevantes que o cinema produziu nos últimos anos.

Melhor papel
Certamente muitos a conhecem por conta de sua ótima interpretação de Katniss Everdeen, a poderosa heroína da saga Jogos Vorazes ou então de seu marcante papel em X-men, como a Mística/Raven Darkhölme. O que talvez nem todos saibam é que o seu grande papel até aqui nos cinemas foi com o sombrio e independente Inverno da Alma, de 2010.

O filme, dirigido pela cineasta Debra Granik, é uma pérola do cinema nesta década e Jennifer, com sua interpretação crua e marcante de Ree Dolly, uma garota sofrida determinada a cuidar de sua família e achar o pai desaparecido, pois somente encontrando-o que eles não perderão a casa, foi alçada à categoria de estrela da indústria hollywoodiana. O trabalho de Lawrence foi tão poderoso que sua interpretação lhe garantiu uma indicação ao Oscar de melhor atriz no ano de 2011. Ainda era cedo para ganhar, mas já apresentava ao mundo o extremo talento que esta garota, nascida no dia 15 de Agosto de 1990 em Louisville, Kentucky, possuía.

Jogos Vorazes A Esperança Parte 1

Ano marcante
Em 2011, Jennifer entrou de vez no mercado mundial, com a sua participação em X-Men: Primeira Classe no papel de Raven Mystique. E ainda em 2011, ela começou a filmar o primeiro filme da saga Jogos Vorazes. Resumindo, em 2011 ela foi indicada ao Oscar e encabeçou o elenco de duas das sagas mais famosas da história do cinema. É pouco ou quer mais?

Suas atuações nas duas sagas realmente merecem todos os aplausos possíveis. Dentro de propostas parecidas, a de entreter o público, os dois filmes foram agraciados com performances bem marcantes da atriz, que sem dúvida alguma, é o elemento central das duas histórias. E mesmo não sendo a protagonista em X-men, sua participação como Mística é com certeza a que os fãs dos mutantes mais lembram.

Já em Jogos Vorazes sua função é mais audaciosa: carregar nas costas um projeto gigantesco. E por mais que o trabalho fosse árduo, ela conseguiu, e vem conseguindo, ser a estrela que um filme como este precisava. ter E sem comparações ofensivas, sua função vem sendo exercida de modo infinitamente melhor que Daniel Radcliffe na saga Harry Potter ou Kristen Stewart na saga Crepúsculo exerceram.

Oscar
Jennifer já possuía um currículo invejável, e agora o momento era o mais apropriado para ela começar a colher os frutos pelo seu grandioso talento. E não tardou: seu papel em O Lado Bom da Vida lhe rendeu não somente uma indicação à melhor atriz no Oscar, como também a vitória. E bem merecida, pois sua atuação como Tiffany Maxwell, uma jovem viúva viciada em sexo (que também passa por problemas psicológicos depois de perder seu marido e ser demitida) é absolutamente adorável.

Ela conseguiu oferecer credibilidade nos momentos dramáticos e tensos, mas também exalou simpatia nas partes mais divertidas da história. O filme, dos mais simpáticos daquele ano, ajudou bastante o seu trabalho, pois o roteiro foi bastante atencioso com a sua personagem e ainda lhe deu como parceiro de cena o badalado ator Bradley Cooper.

Nesta mesma época foi lançado nos cinemas A Última casa da Rua, um suspense / terror protagonizado por Lawrence. O filme, apesar de interessante de assistir, principalmente para quem gosta do gênero, não agregou em nada à carreira da atriz, que interpretou a jovem Elissa Cassidy, que junto com a mãe se muda para uma casa bem distante da cidade, e que acreditam ser a casa de seus sonhos. Obviamente não é. Um suspense bem mediano, mas que dá tranquilamente para assistir e se divertir.

Jennifer Lawrence em Trapaça

Pra terminar, chegamos em 2013 e com o lançamento de Trapaça, Jennifer Lawrence se viu novamente indicada aos principais prêmios da indústria cinematográfica. Venceu o Globo de Ouro e perdeu o Oscar, em decisões acertadas, já que seu trabalho no filme pode ser definido como um meio termo entre o ótimo e o apenas bom. O filme trazia basicamente a mesma equipe de O Lado Bom da Vida, mas toda a atmosfera da história era infinitamente menos poderosa que o premiado filme de 2012. Talvez por isso o filme tenha saído do Oscar de mãos vazias.

Após comentar uma grande parte de sua filmografia, podemos afirmar que Jennifer Lawrence é a grande estrela de sua geração. Podemos até ser mais ousados e afirmar ela é a melhor atriz de sua geração.

Os argumentos que se seguem para defender as afirmações vão desde o fato de suas escolhas profissionais serem as mais acertadas dentre as atrizes de Hollywood até suas atuações em filmes como Inverno da Alma e O Lado Bom da Vida, dois de seus trabalhos mais viscerais e dignos.

Só por isso tais afirmações podem ser tranquilamente mantidas.


Deixe uma resposta