Crítica Dupla Identidade: Débora Falabella rouba a cena no melhor episódio da série até aqui
Televisão

Crítica Dupla Identidade: Débora Falabella rouba a cena no melhor episódio da série até aqui

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Dupla Identidade episódio 7

Episódio mais importante até aqui trouxe como destaque a personagem Ray, interpretada pela talentosa Débora Falabella

O mais recente episódio de Dupla Identidade enfim trouxe à série uma personagem com a capacidade de se nivelar ao seu protagonista, Edu. Ray, interpretada por uma Débora Falabella cada vez melhor, mostrou na última sexta-feira que possui uma personalidade tão poderosa quanto à de Edu. Sua crise de raiva, que culminou em uma das cenas mais bem produzidas da série até aqui, foi a prova definitiva do quão intenso é a vida de alguém que sofre do transtorno de borderline.

Esta cena, entretanto, foi somente um dos elementos interessantes do episódio, o melhor já exibido até aqui. Apesar de algumas conveniências exageradas, como por exemplo toda a introdução de Tati, a filha de Dias (Marcelo Novaes), a história apresentou inúmeras situações chaves para o desfecho da trama, em todos os seus núcleos. A narrativa vem se afunilando cada vez mais, e Glória Perez pelo visto pretende entregar a partir do próximo episódio algumas das sequências mais esperadas pelo espectador, e que giram em torno da descoberta da identidade do serial killer.

O primeiro destaque do capítulo passado foi a entrada em definitivo da filha do delegado Dias. A introdução dela, bastante exagerada, entrando na sala do pai do nada e flagrando uma discussão dele com Vera (Luana Piovani), serviu para colocar um ingrediente bem pessoal na relação de Dias com o assassino em série. Ficou claro que a filha de Dias será um dos principais objetivos de Edu, e ela talvez tenha entrado pra valer na história somente por conta desta possibilidade. O roteiro foi bem rápido e com algumas cenas a relação dela com Edu já estava estabelecida, inclusive com um encontro secreto marcado, o que renderá sequências de bastante tensão nos próximos episódios.

A relação conturbada de Edu e Vera também ganhou novos elementos. Quer dizer, intensificou acontecimentos dos capítulos passados e deu a entender que a tendência da trama é fazer com que eles assumam o romance e terminem a história como o casal de heróis que salvou a sociedade carioca das garras do serial killer. É visível a falta de interesse amoroso e de cumplicidade do delegado Dias para com a sua esposa, que neste momento só tem servido como empecilho para que o amor de Dias e Vera não se desenvolva de modo tranquilo e normal.

Dupla Identidade episódio 7

A trama principal, que mostra a saga de Edu como assassino em série, teve também o seu mais importante momento até aqui. Após Vera jogar a isca, Edu decide agir novamente, pouco tempo depois de sua última vítima ter sido descoberta. Agora Vera viu o modus operandi do serial killer ser modificado, o que lhe deu a certeza de que ele tem acesso às informações do caso. Aliado a este fato, vimos Edu novamente utilizar no seu disfarce o famoso gesso que Ray já havia descoberto. E para incrementar ainda mais o afunilamento da história de Edu, Dina (Mariana Nunes), a amiga de Ray, flagra Edu saindo do prédio bem cedo vestindo a roupa que horas depois foi descrita pela polícia como a roupa usada pelo sequestrador da garota na porta do colégio.

Apesar de todos estes elementos darem a entender que a saga de Edu chegou ao fim, devemos lembrar que ainda falta alguns episódios para o tão aguardado desfecho, então há a possibilidade de vermos Edu se livrar de todos estes obstáculos. O roteiro já fez isso anteriormente, quando de modo bastante inverossímil fez Edu enganar os policiais no meio da madrugada e segurando uma garota em transe.

Entretanto a cena mais bombástica da série até este momento veio no final, quando Ray resolve telefonar para a polícia e denunciar Edu como sendo o serial killer procurado por todos. A cena teve um timming incrível, com Vera sendo informada a medida que o próprio Edu chegava à delegacia. Apesar de um tanto exagerada, o que é até compreensível, a sequência foi digna de aplausos.

Esta cena foi consequência do ataque de fúria de Ray ao ser esquecida novamente por Edu. Perceba o quão extremo pode ser o humor de alguém que sofre de borderline. Na noite anterior ela vivia seu momento mais feliz, sendo pedida em noivado. Por conta desta alegria extrema, ela fechou os olhos para os comentários da amiga, que havia dito que Edu poderia ser o serial killer. Porém, bastou que Edu não comparecesse ao encontro para que ela entrasse em desespero e fosse a sua caça.

Dupla Identidade episódio 7

Ela o buscou em sua casa, depois foi ao seu trabalho no Grupo de Apoio a Vida. Lá, ao descobrir que estava sendo enganada, resolveu destruir o carro do namorado, numa das cenas mais interessantes da série até agora e que só foi bem sucedida por conta do enorme talento de Débora Falabella, que provou de vez ser a peça mais importante da história depois de Edu.

Dupla Identidade apresentou seu mais intenso episódio da temporada. A partir de agora, a caça ao assassino em série terá novos elementos, e novos atores. A filha do delegado será peça importante nos próximos capítulos, e espera-se que o esperado embate entre Vera e Edu já comece na próxima sexta-feira.


  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

6 Comments

Deixe uma resposta