Crítica Jogos Vorazes - A Esperança Parte 1: preparando o épico final | Cabine Cultural
Críticas

Crítica Jogos Vorazes – A Esperança Parte 1: preparando o épico final

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Jogos Vorazes A Esperança Parte 1a

Jogos Vorazes A Esperança Parte 1a

Filme serve como importante ligação para os eventos do final da história; mais lento, mais reflexivo, mais político, mais instigante, menos explosivo

Por Luis Fernando Pereira

Talvez o penúltimo capítulo da saga Jogos Vorazes passe, ao seu final, a impressão que o filme foi, de todos os exibidos até aqui, o mais frágil, ou o menos poderoso. O fato é que, daqui a alguns anos, quando pensarmos na história como um todo, perceberemos que Jogos Vorazes – A Esperança Parte 1 foi um importante e crucial capítulo dentro da trama da heroína Katniss Everdeen. Ele abriu terreno para todos os acontecimentos que darão um fim à épica história e somente por isso não deve ser colocado em um lugar inferior.

Mockingjay
Mockingjay – Part 1 começa com Katniss ainda atordoada pelos acontecimentos finais de Em Chamas, quando ela (somente ela), ao final, é resgatada e levada para o lendário Distrito 13, onde grande parte da nova história se passa, e onde também uma importante peça ganha importância. Falo da Presidente Alma Coin (a linda Julianne Moore). A liderança exercida por Alma é daquelas bem peculiares, já que sua postura não parece nem um pouco com os tradicionais líderes populares, revolucionários, que colocam nas palavras todo o entusiasmo de suas crenças, e que leva o povo a segui-lo somente por isso.

Leia+  Crítica: vale a pena assistir “Transformers – O Último Cavaleiro”?

Alma representa e simboliza bem o que de melhor acontece em A Esperança – Parte 1: as questões e reflexões políticas. O filme acaba sendo um interessante tratado de como a política e o marketing político podem vencer guerras. De um lado vemos Katniss e toda a simbologia do Mockingjay, que representa a revolução; de outro lado temos a Capital e o Presidente Snow (Donald Sutherland) que se utiliza de Peeta (Josh Hutcherson) para ganhar ainda mais poder e enfraquecer emocionalmente a heroína. É quase um jogo de xadrez, exceto pelo fato de que, mesmo mais lento, a história ainda reserva ótimas sequências de ação.

Katniss
E a melhor, sem dúvida alguma, é a que vem logo após a visita de Katniss ao hospital. Pouco antes, ela tenta, em vão, gravar uma propaganda para inflar o povo na luta contra a Capital. Falta-lhe verdade naquele momento, falta honestidade e isto fica perceptível à todos. Então, quando o hospital é bombardeado e todos ali morrem, Katniss, em seu melhor momento na história, faz um de seus melhores discursos em toda a série até aqui. Encorajador, emocionante e importante para a trama. Este é, sem dúvida alguma, o melhor momento de Jennifer Lawrence no filme.

Leia+  Crítica “Os Guardiões”: bom, ruim, ótimo ou um desastre?

Tirado esta sequência, e outra mais para o final, que culmina com o resgate de Peeta, Jogos Vorazes – A Esperança Parte 1 acaba sendo muito mais um filme de diálogos e de confrontos verbais do que de ação propriamente dito. Porém não devemos tirar a importância desses diálogos tão ricos, como por exemplo, um dos últimos entre o Presidente Snow e Katniss. Nele o Presidente reafirma o caráter frágil de um estado pacífico e logo depois diz para Katniss que são as coisas que mais amamos que vão nos destruir. São duas verdades que podemos perceber em Jogos Vorazes, mas também nos acontecimentos históricos da humanidade.

Jogos Vorazes A Esperança Parte 1

Jogos Vorazes A Esperança Parte 1

Jennifer Lawrence
Pensando em Katniss, é interessante perceber o quanto Jennifer Lawrence domina a personagem. Se antes era necessário um esforço para que a protagonista mostrasse toda a sua raiva do sistema e dos jogos, sua coragem, ou seu dilema amoroso, hoje Jennifer consegue externalizar isso tudo quase de modo automático. Claro que a Katniss de A Esperança Parte 1 é bem diferente da Katniss dos dois filmes anteriores, onde o sobreviver era o principal lema de vida e por isso as características mais visíveis eram a sua extrema coragem e sua capacidade de sobreviver.

Leia+  Crítica: Mulher do pai é um filme sensível e extremamente comovente

Quanto ao seu dilema amoroso, aqui ele é deixado em banho Maria; Ela, Gale (Liam Hemsworth) e Peeta ainda possuem um vínculo, algo que os unem. Se a razão falasse mais alto, ela já estaria com Gale, mas o seu coração também a guia, então este triângulo somente se resolverá na parte final da história, daqui a alguns meses, quando a segunda parte estrear nos cinemas do mundo todo.

Francis Lawrence
Francis Lawrence sabia exatamente onde queria chegar com esta parte da saga. Por isso construiu uma direção competente e desenvolveu um filme sólido, não tão excitante quanto os anteriores, mas numa ascensão de maturidade que definitivamente diferencia Jogos Vorazes de qualquer outro filme do gênero.

Adulto, inteligente, com um roteiro bem construído, Jogos Vorazes – A Esperança Parte 1 é uma bela alegoria política do nosso mundo. Com uma Jennifer Lawrence linda e talentosa, o filme ainda por cima nos deu uma última amostra do quão talentoso era Philip Seymour-Hoffman, ator falecido ano passado.

Agora só nos resta esperar o desfecho da história da heroína contemporânea Katniss. Por tudo que vimos até aqui, pode-se ter uma certeza: será épico.

Luis Fernando Pereira é crítico cultural e editor/administrador do site



  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Deixe uma resposta