Crítica Bates Motel: terceira temporada começa cheia de possibilidades
Séries

Crítica Bates Motel: terceira temporada começa cheia de possibilidades

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Bates Motel

Relação entre Norman e Norma promete ser novamente um dos principais focos da temporada; bom episódio, que apresentou novas possibilidades

Por Luis Fernando Pereira

Eis que enfim uma das principais apostas do canal A&E estreou sua terceira temporada nos Estados Unidos. Bates Motel, série que conta a adolescência de Norman Bates, e sua já estranha relação com a mãe, Norma, voltou trazendo várias possibilidades e caminhos a ser seguidos. O episódio, que foi satisfatório, trouxe novos personagens e colocou novamente na história o irmão de Norma, e pai de Dylan, numa das apostas dos roteiristas para esta terceira temporada.

Destaques
Alguns pontos merecem destaque imediato, como a cena em que Norman está no refeitório e abruptamente visualiza a Senhorita Watson, a sua primeira vítima apresentada na série. Ali já percebemos que Norman foi e continuará sendo afetado psicologicamente por conta deste, e provavelmente dos outros assassinatos que ele cometerá no futuro. Este fato é interessante para entendermos o desenvolvimento da patologia de Norman ao longo dos anos, que culminará nos trágicos eventos narrados no clássico filme.

O segundo ponto é representado pela cena (as cenas, bem da verdade) em que Norman dorme na cama com sua mãe, Norma. É incrível como existe uma visível tensão sexual em todas as cenas dos dois, mas estas especificamente foram ao nível máximo e é muito provável que vejamos esta relação se intensificar ainda mais nesta temporada, já que Norman ficará cada vez mais dependente emocionalmente de sua mãe. Neste ponto, é sempre bom destacar as atuações de Vera Farmiga e Freddie Highmore, que dão vida a Norma e Norman Bates. Os dois, desde a primeira temporada, são os pontos fortes da série, e já mereciam ao menos mais indicações aos principais prêmios televisivos.

Outro fato que pode ser interessante nesta temporada é o namoro de Norman com Emma (a bela Olivia Cooke). Os dois já são bons amigos há tempos (desde o início da série), então será importante ver como Norman vai interagir com ela, sendo agora o seu namorado. Com os seus instintos assassinos cada vez mais aguçados, sua relação com Emma será desafiante para ele, mas pesa a favor o fato de que esta relação sempre foi vista por Norman como fraternal, e deve ser nesta vibe que ele a verá nesta temporada.

Até mesmo porque duas outras personagens prometem ter destaque na vida de Norman: a primeira é Bradley (Nicola Peltz), que promete retornar para bagunçar ainda mais a cabeça de Norman. E a segunda é Annika (Tracy Spiridakos), que chegou ao Bates Motel no primeiro episódio da nova temporada e já trouxe grandes possibilidades para a vida de Norman. A última cena do episódio é um bom exemplo de tudo o que pode acontecer, ou já ter acontecido.

Bates Motel

Por fim, mas não menos importante, é a volta do personagem Caleb (Kenny Johnson), irmão de Norma e pai biológico de Dylan. Ele volta basicamente para estreitar sua relação com o filho, mas obviamente isso irá mexer com todo o núcleo da família Bates e pode render boas situações dramáticas.

E falando em drama, Bates Motel continua sendo bem sucedida na arte de equilibrar drama com situações absolutamente cômicas, como quando Norma vai levar o filho para a escola e ele não quer descer do carro. Tudo bem que o alívio cômico sempre está em Norma Bates, mas por conta do enorme talento de Vera Farmiga, somente ela já é mais que suficiente para fazer esta perspectiva funcionar.

Bates Motel estreou bem a sua terceira temporada e apresentou uma série de possibilidades que podem trazer de volta os bons momentos vividos pela série em sua temporada de estreia. É necessário desenvolver cada vez mais o lado patológico de Norman, porque a marcha lenta que o roteiro deu na segunda temporada atrapalhou bastante o ritmo da história.

A série ainda possui uma equipe de produção das melhores (Carlton Cuse merece aplausos) e um elenco muito qualificado, que, com um roteiro redondo e dinâmico, tem potencial para fazer de Bates Motel uma das melhores séries da atualidade.

Luis Fernando Pereira é crítico cultural e editor/administrador do site


  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Deixe uma resposta