Cinema - Não Olhe Para Trás: afinal, o dinheiro redime os erros de uma vida?
Cinema

Cinema – Não Olhe Para Trás: afinal, o dinheiro redime os erros de uma vida?

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Al Pacino e Christopher Plummer

Com diálogos coerentes e irônicos e uma trilha sonora muito legal, as músicas de John Lennon embalando o filme, sem exageros nos clichês, este filme envolve a platéia.

Por Marcia Bessa

O filme Não Olhe Para Trás (EUA), direção de Dan Fogelman, é uma comédia dramática com história tocante, bom roteiro e direção, trilha sonora legal, centrado em um personagem carismático.

Danny Collins (Al Pacino) é um super astro idoso insatisfeito com sua vida, usuário de drogas e álcool, que há mais de 30 anos faz sucesso com as mesmas músicas do passado, sequer consegue compor uma nova canção.

No dia do seu aniversário, seu produtor e amigo Frank Grubman (Christopher Plummer) lhe entrega de presente uma carta que John Lennon escreveu para ele no início de sua carreira, contestando uma entrevista em que Danny dizia que sua felicidade dependia do dinheiro que ganhasse.

Danny passa uma noite inteira digerindo o que seu ídolo escreveu, e decide largar a turnê e correr atrás do que deixou para trás, o filho Tom (Bobby Cannavale) que nunca conheceu, e este episódio poderá mudar o rumo de sua vida e o verdadeiro sentido da felicidade.

Com diálogos coerentes e irônicos e uma trilha sonora muito legal, as músicas de John Lennon embalando o filme, sem exageros nos clichês, este filme envolve a platéia.

Os atores Al Pacino e Annette Bening estão excelentes nos papeis escolhidos, em especial Al Pacino como o antipático, egocêntrico e cafona astro Danny, que a certa altura da vida tenta ser uma pessoa melhor, abandonando seus vícios e tentando reatar com seu filho Tom. Sua neta Sophie (Katarina Cas) é uma criança super fofa, alegre, que fascina o espectador.

Um personagem que busca redenção tentando mudar seus valores, mas na real, a maneira como ele persegue esta ideia, comprando e doando bens para as pessoas é estranho. Afinal, o dinheiro redime os erros de uma vida?

Marcia Amado Bessa é enfermeira e escreve para o ótimo blog Cine Amado 


  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Deixe uma resposta