Crimes Ocultos leva best seller de Tom Rob Smith aos cinemas
Cinema

Crimes Ocultos leva best seller de Tom Rob Smith aos cinemas

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Crimes Ocultos

Suspense estreou nos cinemas do Brasil neste último fim de semana e traz Tom Hardy como protagonista; Joel Kinnaman e Noomi Rapace também participam

O último fim de semana foi marcado por mais uma edição do tradicional Festival de Cinema de Cannes e também, porque não dizer, pelas estreias do circuito no Brasil. E um dos grande destaques vem sendo o filme Crimes Ocultos, baseado no livro best-seller de Tom Rob Smith.

O filme é um suspense que se passa no cenário Stalinista da Rússia em 1953. Orgulho do sistema soviético, o órfão que se tornou herói de guerra, Leo Demidov (Tom Hardy) cresceu na hierarquia do MGB, a segurança nacional, e começa a investigar uma atividade de dissidentes. Quando ele seu colega sádico Vasili (Joel Kinnaman) capturam o espião suspeito Anatoly Tarasovich Brodsky (Jason Clarke), o traidor entrega o nome da mulher de Leo, a bela professora Raisa (Noomi Rapace), como conspiradora.

Forçado a investigar Raisa por suspeita de traição, Leo ao mesmo tempo investiga o caso de um garoto cujo corpo foi encontrado retalhado, em uma via férrea. Apesar das evidências apontarem o contrário, Leo descreve a morte como um acidente ao pai do garoto, o agente da MGB Alexei Andreyev (Fares Fares).

Exilados de Moscou para um sombrio posto provinciano, Leo e Raisa unem forças ao General Mikhail Nesterov (Gary Oldman) para encontrar um assassino serial que vem capturando jovens garotos. Sua busca por justiça ameaça o acobertamento de todo um sistema imposto por Vasili, que insiste em repetir que “Não há crimes no paraíso”.

Com uma trinca destas (Tom Hardy, Noomi Rapace e Joel Kinnaman) o filmes pode surpreender positivamente os espectadores.

A exibição do filme foi proibida na Rússia, com suas cópias retiradas dos cinemas poucos dias antes de sua estreia no país. O cancelamento aconteceu após o Ministro da Cultura russo descrever o filme como

uma distorção de fatos históricos e uma interpretação imoral de eventos (…), imagens e personagens Soviéticos daquele período”.


  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Deixe uma resposta