Crítica Samba: um dos melhores filmes franceses de 2015
Cinema

Samba: um dos melhores filmes franceses de 2015

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Samba

Samba

Com bom roteiro, boa fotografia e trilha sonora melancólica, nos soa familiar as músicas de Gilberto Gil e Jorge Bem Jor

Por Marcia Bessa

Direção da dupla Eric Toledaro e Olivier Nakache, conhecido pelo grande filme Intocáveis, o filme Samba (França) é uma junção de drama e comédia com uma certa nostalgia.
Samba Cissé (Omar Sy) é um imigrante do Senegal  que vive na França há 10 anos de forma ilegal e se sustenta de subempregos. Samba está sempre tentando um visto permanente e um trabalho melhor.  Em uma ONG que ajuda os imigrantes ilegais na França, Samba conhece Alice (Charlotte Gainsbourg), uma  executiva que se encontra afastada do trabalho por estafa. Imediatamente ocorre uma atração e simpatia mútua, e Alice decide ajudar Samba. Aos poucos eles vão se conhecendo e se ajudando mutuamente, cada um com suas questões individuais.

Um filme que mostra o mundo real dos imigrantes na França, utilizados como mão de obra barata e a atuação do serviço francês no atendimento ao imigrante. Um drama social que atinge a Europa em geral, mostra a exploração da mão de obra dos imigrantes, que vivem como verdadeiros fantasmas, perambulando pelas ruas à procura de emprego e fugindo da polícia.

Com bom roteiro, boa fotografia e trilha sonora melancólica, nos soa familiar as músicas de Gilberto Gil e Jorge Bem Jor.

Os atores protagonistas têm ótimos desempenhos, observem a angústia no olhar, cada qual com seus problemas, é impressionante; em especial o personagem de Omar Sy, um imigrante cheio de sonhos, que  sente o preconceito das pessoas na pele. Irresistível não torcer até o fim para que tudo dê certo com esse ingênuo senegalês. Tem cenas engraçadas, principalmente as que Samba compartilha com o amigo imigrante Wilson (Tahar Rahim), um falso brasileiro.

Filme bem ao estilo francês, um dos melhores do Festival Varilux do Cinema Francês 2015.

Marcia Bessa é enfermeira e escreve para o ótimo blog Cine Amado


  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Deixe uma resposta