O Pequeno Príncipe: filme para a família, cativante, melancólico, poesia imbuída de sutileza
Cinema

O Pequeno Príncipe: filme para a família, cativante, melancólico, poesia imbuída de sutileza

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

O Pequeno Principe

Foi o tempo que perdeste com tua rosa que fez tua rosa tão importante… Tu te tornas eternamente responsável por aquilo que cativas – Antoine de Saint Exupéry.

Por Marcia Bessa

Você corre o risco de chorar um pouco quando se deixa cativar… Só se vê bem com o coração, o essencial é invisível aos olhos.. estas e outras mensagens  filosóficas  fazem parte do filme O Pequeno Príncipe (França),  direção de Mark Osborne.  Uma animação adaptada do livro homônimo de Antoine de Saint Exupéry, clássico da literatura infanto-juvenil, uma obra atemporal com seu personagem lendário que invade a imaginação de crianças e adultos.

O diretor consegue com um incrível roteiro adaptado  captar a história do Pequeno Príncipe que morava em um asteróide, o B612 e ao sair em viagem chega na Terra e conhece um piloto com um avião encalhado nas areias do deserto.  No filme existe a história paralela de uma garota que tem uma mãe controladora e a enche de atividades e horários rígidos. Ao mudar de bairro, esta menina vai ser vizinha de um velho excêntrico que é justamente o piloto da história do livro. A partir deste velho esquisito, a garota vai conhecer a história do Pequeno Príncipe. Interessante, duas histórias com reflexões que se adaptam muito bem.

Filme para a família, cativante, melancólico, verdadeira poesia imbuída de sutileza. Um deleite para as crianças que curtem a animação e reflexão para os adultos, principalmente para quem leu o livro. Fala de amor, cuidados, solidão, morte e a necessidade de não esquecer a criança que existe dentro de todos nós. Como diz o Pequeno Príncipe, “o problema não é  crescer, é esquecer”.

Na era de hoje onde o progresso e a tecnologia influenciam as pessoas a valorizar menos as emoções e reforçar o ter, o filme resgata justamente a importância do ser, tão significativo para o ser humano e que leva ao crescimento pessoal.

Uma verdadeira imersão nesse universo fantasioso e encantador do Pequeno Príncipe, um resgate ao nosso doce personagem que leva a reflexões inesquecíveis.

Foi o tempo que perdeste com tua rosa que fez tua rosa tão importante… Tu te tornas eternamente responsável por aquilo que cativas – Antoine de Saint Exupéry.

Marcia Amado Bessa é enfermeira e escreve para o excelente blog de cinema Cine Amado


  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Deixe uma resposta