menu
De Cabeça Erguida: um filme de tensão | Cabine Cultural
Cinema

De Cabeça Erguida: um filme de tensão

De Cabeça Erguida

O maior interesse do filme é mostrar além do drama do adolescente, o outro lado da moeda, o sistema de reabilitação de jovens do Estado francês

Por Marcia Bessa

Direção de Emmanuelle Bercot, o filme De Cabeça Erguida (França), no original La Tête Haute, abertura do Festival de Cannes 2015, um drama com  temática social sobre a delinquência infanto-juvenil e como o Estado  deve intervir nesses casos.

A juíza Florence Baque (Catherine Deneuve) acompanha o jovem Malony (Rod Paradot) por 10 anos, a partir dos seis anos de idade.  Criado em ambiente hostil com  mãe ( Sara Forestier) viciada em drogas, agressiva, com vários parceiros, Malony se torna um delinquente juvenil que rouba carros, agride pessoas e transgride regras sociais.  Com temperamento agressivo e explosivo, o garoto coloca a culpa de suas dificuldades na sociedade e não deseja mudança para si. Também um menino que ouvia da mãe que criou um monstro, o que se tornar? A juíza Florence o encaminha para o Centro de Recuperação de Delinquentes Juvenis e Yann ( Benoit Magimel) passa a ser seu tutor e enxerga em Malony o que ele foi no passado. Sobre esses personagens paira sentimentos de afeto mesmo que não sejam verbalizados.

Malony é obrigado pelo Estado a cumprir regras que nunca aprendeu no convívio familiar, esta é sua maior dificuldade pelo seu espírito  brutal e transgressor.

Um filme sombrio, angustiante para quem assiste, a observar nos atos do adolescente Malony, um retorno de como sua mãe sempre o tratou. Isso se evidencia até na fotografia escura, nos momentos que ilumina sentimos como se houvesse uma luz no final do túnel, este é o querer da plateia.

O adolescente escuta da mãe e da própria sociedade,  palavras duras e agressivas e torna-se o que já foi pré julgado a seu respeito. As idas e vindas no tribunal e nas estruturas carcerárias do Estado fazem parte da adolescência deste menor.

O maior interesse do filme é mostrar além do drama do adolescente, o outro lado da moeda, o sistema de reabilitação de jovens do Estado francês e como este pode e deve intervir em casos sociais de forma humanizada, colocando o menor acima de tudo.

Um filme de tensão, onde os atores conseguem passar a angústia e pressão que estão vivenciando, uma mensagem otimista sobre as obrigações do Estado com a sociedade, a começar em infância assistida.

Marcia Amado Bessa é enfermeira e escreve para o ótimo blog de cinema Cine Amado



Deixe uma resposta