Crítica MasterChef Júnior Brasil 5º episódio: o mais tenso até agora | Cabine Cultural
Televisão

Crítica MasterChef Júnior Brasil 5º episódio: o mais tenso até agora

MasterChef Júnior

Episódio da última terça-feira foi de longe o mais tenso até aqui e mostrou que os candidatos mirins também têm os seus problemas

Por Luis Fernando Pereira

A última terça-feira, dia 17 de novembro, foi ao ar o mais tenso dos episódios do reality gastronômico MasterChef Júnior Brasil. Mais tenso pelo fato de já estarmos na metade da temporada, ou seja, o nível de exigência vai aumentando e com isso o nervosismos das crianças também. Foi notório que eles estavam bem nervosos e somente poucos conseguiram manter a calma.

Logo na primeira prova, vimos duas situações bem curiosas envolvendo a mesma candidata. Ivana foi selecionada para adivinhar o que havia nas caixas (língua de boi, pé de galinha…) e ela conseguiu o feito de acertar tudo, mostrando que a menina de fato possui um dom para este trabalho. Após acertar o conteúdo das caixas, ela teve que escolher quem iria fazer cada prato, o público se deparou com o lado estratégico de Ivana, de longe a menina que mais pensa no MasterChef como um jogo.

Muitos vêem nisto um defeito, pelo fato dela ser criança e por talvez apresentar uma característica de alguém que não é solidária ou amiga. Duas bobagens. O fato é que ela quer ganhar, possui um perfil de competidora, apesar de ser a mais nova do grupo agora, mas isso não faz dela uma menina egoísta, muito pelo contrário, já vimos muitos exemplos dela se mostrando uma ótima amiga. Claro que este tipo de comportamento tem que ser trabalhado, para que ela não cresça com este nível de exigência para tudo em sua vida.

Leia também:  Maior ícone da televisão, Silvio Santos tem biografia lançada pela Matrix Editora

A primeira prova comprovou o que muitos já diziam: a menina Lívia vem sendo até aqui a melhor cozinheira mirim do programa. Muito mais tranquila que as demais, ela não causa alarde, não chora por qualquer coisa e faz pratos incrivelmente bonitos de se ver (e comer também, claro). Se as coisas acontecerem naturalmente, podemos considerar a ideia de tê-la na final do programa.

MasterChef Júnior

O outro que se livrou da segunda prova, Eduardo, é outro que vem crescendo no programa, sobretudo pela sua ousadia. Não podemos colocá-lo como favorito, pois sua jornada tem sido bem instável, mas se ele continuar com essa sorte, certamente irá ainda mais longe.

Um candidato que teve um dia ruim no MasterChef Júnior foi Lorenzo, outro que todos acreditam estar na final. Mas neste caso, o programa da última terça-feira teve esse objetivo, destacado pela menina Valentina em um dos seus depoimentos: não há ninguém tão melhor assim que o outro que não possa ser eliminado.

Leia também:  Intrínseca lança “A Profecia das Sombras”, 2º livro de nova série de Rick Riordan

Ela se referia a Daphne, candidata que tinha despontado como uma das melhores cozinheiras e que até aquele dia estava quase que impecável (sua única falha havia sido na prova do circo quando se desesperou com a liderança). Daphne estava claramente nervosa, o que a atrapalhou demais, e por isso ela foi embora mais cedo. Se fosse para olhar o conjunto da obra, ela deveria ter ficado, mas o programa exige que o candidato esteja bem em todas as provas. Uma falha pode custar a saída.

O outro eliminado vai deixar um vazio enorme no programa; não por conta de seus dotes culinários, que eram bons, mas nada de outro mundo, mas sim pela sua simpatia, fofura e espontaneidade. Matheus foi o candidato que mais se mostrou criança, que mais se mostrou condizente com a idade que tinha. Isso foi lindo de acompanhar, mesmo que as vezes ficasse um tanto chatinho, como nas inúmeras vezes que ele pediu ajuda para Valentina. Mas ainda assim, a terça-feira foi de luto pela sua saída.

Leia também:  Intrínseca lança “Agora e Para Sempre”, mais um ótimo livro da série de Jenny Han

Agora restam apenas seis candidatos no MasterChef Júnior: Ivana, Lorenzo, Sofia, Eduardo, Lívia e Valentina. Fazendo um exercício hipotético, diria que Valentina e Ivana são as menos fortes destes seis, mas como a própria Valentina disse, ninguém é invencível. Então tudo pode acontecer – até mesmo termos a eliminação de uma candidata como Lívia, que ainda coloco como a grande favorita até aqui.

De resto, fica o destaque para o trabalho da Ana Paula Padrão, que tem se mostrado sensível, amiga e uma tia das crianças. Seu trabalho tem sido bem bacana de observar. Os jurados continuam bem, mesmo não tendo concordado com a sequência onde eles levaram animais vivos para o programa. Desnecessário e contra produtivo para as crianças.

Para os que reclamavam do horário do programa, a Bandeirantes já há algum tempo disponibiliza as tardes de sábado para a reapresentação. Já é alguma coisa para os que não podem assistir de madrugada. O difícil é se livrar dos spoilers.

Luis Fernando Pereira é crítico cultural e editor/administrador do site




8 respostas para “Crítica MasterChef Júnior Brasil 5º episódio: o mais tenso até agora”

    • Verdade, Ellen. Já falamos muito dela por aqui, mas neste texto acabamos não mencionando muito o talento da menina

  1. A Ivana é incrível..mas, tem que parar de chorar para impressionar os jurados… me parece um técnica da menina para envolvê-los emocionalmente… o que ela não precisa pq sempre cozinha bem.

    • Essa feiosa da Ivana vai ser a vencedora porque é filha do presidente da Google Brasil. Precisa falar mais alguma coisa sobre a proteção da mesma?

      • É falta de respeito falar de uma criança assim, devemos trata-las com amor e carinho, não fale dela assim, além disso ela é talentosa e sabe cozinhar muito bem

      • Menos julgamentos eim! Olha para vc, não menospreze os outros (mto menos uma criança)! Isso não leva a nada… Grow up

  2. Uma decepção este programa. Como puderam eliminar a Daphne, houve tantos erros por parte de todos sem contar a choradeira da Ivana. Dizer que o Eduardo fez um excelente prato? Sorte? Um Masterchef ganhar por sorte ou por choro afff (Ivana). Acho que vcs já têm um ganhador pré definido e o mérito não é bem o de cozinheiro.

Deixe uma resposta