menu
Crítica MasterChef Júnior Brasil: três favoritos e uma surpresa vão às semifinais | Cabine Cultural
Televisão

Crítica MasterChef Júnior Brasil: três favoritos e uma surpresa vão às semifinais

MasterChef Brasil

Programa foi o mais nervoso da temporada e mostrou pela primeira vez que crianças também discutem entre si; final foi surpreendente

Por Luis Fernando Pereira

O episódio desta última terça-feira do MasterChef Brasil Júnior foi de longe o mais nervoso e mais revelador, pois nós vimos pela primeira vez uma das facetas juvenis dos participantes: eles discutem entre si. E também se provocam. Tudo absolutamente normal para a idade e provam que – apesar do talento para a cozinha ser abismal – eles são crianças ‘normais’, como qualquer uma que vemos em nosso condomínio, prédio, rua…

Muitos dizem que isso não importa, afinal o reality é sobre a capacidade de cozinhar. Besteira, besteira, besteira. O MasterChef Júnior, como qualquer outro reality show, é uma série com personagens, histórias, intrigas, mocinhos, vilões (ok, vilões é demais para um reality infantil). Mas o fato é que o roteiro do programa observa tudo isso e quando vão montar o episódio, escolhem o que exibir e o que não exibir.

Foi proposital colocar Eduardo como um adolescente que, quando está nervoso, acaba sendo um pouco grosseiro. A discussão com Lorenzo mostra isso, mas também mostra que crianças sabem provocar quando quer, afinal de contas foi Lorenzo que incitou o menino. Essas discussões servem para mostrar o quão normais são as crianças. Continuam adoráveis, educados e extremamente talentosos, mas quando se vêem se situações limites, também reagem com nervosismo.

Comparado com adultos, eles forma até muito gentis, já que uma situação daquelas entre Eduardo e Lorenzo numa versão adulta certamente acabaria em briga (briga mesmo, física, com socos e tudo). Adultos fazem isso.

chef Bel Coelho recebe os seis cozinheiros para uma prova na cozinha da Casa Bossa

Episódio
Com relação ao episódio em si, num primeiro momento ficamos com certa dó da divisão das equipes para a primeira prova. Ver uma equipe sendo formada pelos três melhores cozinheiros mirins, contra a outra equipe, formada por ainda meninos e meninas em crescimento no programa dava pena, mas o que vimos foi uma disputa onde as duas equipes tiveram altos e baixos.

Reproduzir a dinâmica de um restaurante profissional para eles foi bem produtivo, pois com esta idade eles já estão sabendo como é o funcionamento de uma cozinha top no Brasil. Vê-los trabalhar em grupo acabou acentuando algumas características deles, como a liderança meio desordenada de Eduardo e o comportamento mais diplomático de Lorenzo.

O resultado de empate fez Paola, Fogaça e Jacquin decidirem o vencedor, que foi a equipe dos três favoritos.

Prova final
Na segunda prova tivemos uma surpresa, que foi o trabalho bem mais organizado de Ivana, a menor e aparentemente menos forte dos três que disputavam a prova. Todos imaginavam que ela sairia (metade do Facebook desejava isso pelo fato da menina ter tido o ‘azar’ de nascer com pais ricos e influentes), mas ao final ela foi salva e estará nas semifinais do programa.

Não podemos julgar a questão d gosto dos pratos, por questões óbvias, mas dá para dizer que esteticamente Ivana deu um banho nos pratos de Valentina e Eduardo. A menina com apenas 9 anos de idade se junta aos outros três, com média de 13 anos (quatro anos a mais). É muito difícil que ela ganhe, e todos sabem disso, menos os haters que não tem nada melhor para fazer na internet que ofender uma menina de 9 anos chamando-a de chorona e chata.

MasterChef Brasil

Porém, devemos perceber que o MasterChef Júnior é um programa de provas e os jurados julgam baseados naquela prova específica. Não é um campeonatos por pontos ‘corridos’. Ou seja, nada impede que Ivana se sobressaia aos demais nas provas finais. Qualquer um deles que vencer, será merecedor, e é uma pena que pessoas percam o tempo usando os neurônios para insultar os meninos e meninas do programa.

Semana que vem nos vemos nas semifinais.

Luis Fernando Pereira é crítico cultural e editor/administrador do site



Deixe uma resposta