Crítica The Voice Brasil shows ao vivo: nível do programa subiu consideravelmente | Cabine Cultural
Televisão

Crítica The Voice Brasil shows ao vivo: nível do programa subiu consideravelmente

Ayrton Montarroyos


Apresentações dos candidatos foram o melhor do episódio; ótimos cantores e boas escolhas dos técnicos

Luis Fernando Pereira

Da mesma forma que dizemos que o melhor do Brasil é o brasileiro, podemos dizer que o melhor do The Voice Brasil são os cantores brasileiros. Por conta de suas apresentações, algumas realmente sensacionais, que a edição do reality musical vem crescendo em qualidade. Mas somente por isso, pois se formos analisar os técnicos, a montagem do programa e até mesmo apresentador, seguiríamos insistindo nas críticas negativas, o que não cabe tanto hoje.

Todas as apresentações foram, ao menos, razoável, não tivemos nada que afrontasse nosso bom gosto enquanto espectadores que gostam de ver boas apresentações musicais na televisão.

No time de Michel Teló tivemos Mali, cantando a música Domino, e mostrando que as canções estrangeiras estão dominando esta edição. Isso é uma constatação preocupante, sobretudo pelo fato de termos canções bem parecidas no gênero e na estrutura sendo feitas no Brasil.

Renan Ribeiro, o segundo nome do time Teló, foi muito bem, arrasou no final da apresentação e vem crescendo, principalmente por se manter fiel desde o início do programa ao que deseja ser quando sair do The Voice.

Renato Vianna, que cantou Billie Jean, numa versão já cantada antes pelo vocalista da banda Soundgarden (ou seja, não foi uma versão original), foi o melhor dos três e já surge como um nome que devemos lembrar, pois tem futuro no programa. Ele foi escolhido e junto com Renan seguem no programa.

Na equipe de Claudia Leitte tivemos apresentações bem produzidas como a de Brícia que cantou No One (mais uma canção internacional). Foi bem, mas nada que qualquer cantora mediana nos Estados Unidos não faça melhor.

Junior Lord

Já Lorena foi a melhor cantando O que é o amor. Uma voz delicada, sem tanta potência, mas com muita graça e técnicas vocais. Lorena, se bem trabalhada, pode ser um bom nome de nossa MPB.

Feira de Adoção Cães e Gatos

Já Vanessa cantou Lost Stars, de Adam Levine, e acabou mostrando que ainda precisa crescer e amadurecer muito. Apresentação mediana, mas de uma artista adorável, que só precisa de tempo para melhorar cada vez mais. Ela foi a eliminada da semana.

Na equipe de Brown tivemos Gau Silva com uma versão de Estranha Loucura. Versão bastante gritada, faltou certo equilibrio para fazer a canção crescer.

Junior Lord, o menino que vem sendo superestimado pelo público, cantou A Lua e Eu e novamente foi o escolhido pelo voto popular. O menino tem potencial e pode crescer muito (já vem crescendo), mas corremos o risco de vê-lo na final somente por possuir um enorme fã clube fora do programa. Não que isso seja novidade, ou seja demérito, mas é um tanto frustrante para quem analisa o reality sob a perspectiva da qualidade dos concorrentes. Porém, isso é algo que a produção já conhece e escolhe manter, então continuando do jeito que estamos, o menino tem muitas chances de ser o novo The Voice.

E tivemos Rebeca Sauwen cantando ‘Right To Be Wrong’ de um modo tão perfeito e profissional, que chega a ser absurdo ela ser preterida por alguém como Junior Lord. Ao menos ela continua no programa também. Se souber escolher melhor as músicas, e deixar um pouco essa febre de canções internacionais, ela pode ganhar o público também.

Para finalizar, na equipe de Lulu Santos tivemos a apresentação de Ayrton Montarroyos que emocionou ao cantar a secular canção ‘Carinhoso’ de um modo tão atual e belo. Merece ir longe o rapaz.

Cris Silva foi outra que aderiu a moda estrangeira, cantando ‘Cold War’. Foi bem produzida e manteve o ritmo da canção, bem frenética. Para fechar, Joelma Santiago cantou ‘Que nem Maré’, canção chata mas que ela conseguiu tornar tragável, até interessante para assistir. Joelma e Ayrton ficam no programa.

The Voice Brasil continua hoje e promete manter o bom nível dos cantores. É o que esperamos, pois depois de tantos episódios medíocres, é o mínimo que o público merece.

Luis Fernando Pereira é crítico cultural e editor/administrador do site

UCI OrientCinemas

3 respostas para “Crítica The Voice Brasil shows ao vivo: nível do programa subiu consideravelmente”

  1. Não acho justo esse Junior Lord ter chegado até aqui, muito menos que chegue a final e vença o The Voice. Pra mim não canta nada perto dos outros candidatos. Está sempre errando a letra das canções. Que lástima. Só está passando de etapa pq a Bahia em peso vota nele . Já não basta aqueles Lucas e Orelha terem vencido sem merecer o Super Star? Afffff. Me poupe viu!!! Perdi a vontade de continuar seguindo o The voice. Se esse menino ganhar aí já é demais …. Palhaçada pura.

  2. neyde barbosa salim - Quero dizer que sou fã incondicional da programação daGlobo disse:

    Eu outra vez. Acho esse candidato Montarroyo outro sempre escolhido “pelo público”. Vamos ver hoje ……
    De toda forma continuarei com minha GLOBOMANIA como dizem meus amigos.Só assisto os canais da Globo

  3. neyde barbosa salim - Quero dizer que sou fã incondicional da programação daGlobo disse:

    Li o comentário acima fazendo referência ao Junior que diz ” corremos o risco de vê-lo na final por ter um fã clube grande. O críitico cultural é muito inocente ou preferiu não dizer a verdade

Deixe uma resposta