Especial swing: uma noite em duas casas de swing em Salvador
Sexo

Especial swing: uma noite em duas casas de swing em Salvador

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Sexo Grupal

Sexo

As casas de swing são uma realidade nas grandes cidades do país; e você, até onde iria para sair da rotina?

Por Feminino e Além

Presença constante nas artes, na literatura e no hábito cultural dos brasileiros, a monogamia é tida como o grande dogma de praticamente todas as relações amorosas da sociedade contemporânea. Alguns casais, no entanto, estão quebrando este tabu e apimentando a relação ao frequentar as casas de swing: espaços onde a troca de casais não só é permitida, como incentivada. Ao Feminino e Além mandou uma representante para ver como as coisas funcionam nas duas casas de swing de Salvador.

O primeiro lugar não tem sinalização, letreiro luminoso ou frente chamativa. Essa é a Atiradouros, localizada no Rio Vermelho. A entrada, que não passa de uma porta com escada que dá direto na sobreloja de uma academia, passaria completamente desapercebida se não fossem os carros na calçada e um segurança, que faz a vigia e entrega as comandas de consumo para os clientes.

Ao entrar, a primeira surpresa da noite. Nenhum dos devaneios sobre sexo explícito, pessoas seminuas ou qualquer tipo de estímulo sexual que circundam a idéia de swing estavam presentes no salão naquele momento. As luzes vermelhas, algumas lâmpadas de luz negra e o pequeno palco com poste de pole dance eram, talvez, as únicas coisas que exalavam um pouco de luxúria no lugar. De resto, mesinhas e cadeiras dispostas como em qualquer um dos tantos bares de Salvador.

Boa parte das mesas já estava ocupada. A olhada panorâmica em busca de um lugar para se acomodar era a desculpa mais óbvia para uma boa avaliação das pessoas presentes. Eram casais dos mais variados tipos e idades. Desde jovens aparentando entre 20 e 25 anos, até os que pareciam ter passado dos 40. Pessoas bonitas, outras nem tanto, como se encontra em qualquer lugar. Alguns bebericando tranquilamente enquanto não começavam os shows, outros olhando para tudo curiosos e cochichando baixinho com o parceiro a cada novidade. Veja a matéria completa


  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Deixe uma resposta