Crítica: Os Oito Odiados, de Quentin Tarantino | Cabine Cultural
Críticas

Crítica: Os Oito Odiados, de Quentin Tarantino

Logo Cultura PopColuna da jornalista Úrsula Neves sobre tudo que acontece no universo da cultura pop

Crítica Os Oito Odiados

O diretor Quentin Tarantino já anunciou mais de uma vez que deseja acumular apenas dez filmes em sua carreira. Os Oito Odiados, filme que entrou em cartaz oficialmente nesta quinta-feira, dia 7 de janeiro, nos cinemas brasileiros (ele já teve algumas pré-estreias desde o dia 2), é o oitavo de sua carreira. Somente por esta razão, vale e a ida ao cinema para conferir o resultado. Bom, a não ser que você seja uma pessoa sensível a cenas que mostrem sangue. Muito sangue mesmo.

Os Oito Odiados tem uma clara ligação com Cães de aluguel, seu primeiro filme, lançado em 1992, como o fato de todos os personagens estarem juntos por algum motivo em uma mesma locação não podendo confiar em ninguém. O cenário de Os Oito Odiados é o velho oeste americano, onde oito personagens dividem a atenção do público, em uma história em que não há mocinhos ou heróis.

Leia também:  Crítica Sing - Quem Canta Seus Males Espanta: nunca desista dos sonhos

A trama é repleta de reviravoltas onde Tarantino deixou várias pistas ao longo da história para que o público pudesse encontrar o caminho para o final do mistério. Em Os Oito Odiados, para fugir de uma forte tempestade de neve, dois caçadores de recompensas, uma prisioneira, um coronel aposentado da confederação, um futuro xerife, um vaqueiro, um carrasco e um mexicano são obrigados a dividirem a mesma cabana por alguns dias. A trama se passa alguns anos depois do fim da Guerra da Secessão, também conhecida como a Guerra Civil Americana, que ocorreu entre os anos de 1861 e 1865.

Os oito odiados

Os oito odiados

A duração do filme assusta: mais de três horas e sete minutos. O mais longo de toda a produção de Tarantino.  A primeira hore do filme é arrastada. Nenhuma ação acontece, a história apenas é contada de forma indireta. Mas a bela trilha sonora assinada por Ennio Morricone e o talento dos protagonistas não deixa o espectador desmotivado.

Leia também:  Elenco fala sobre as gravações de A Grande Muralha, filmado na China, que estreia neste final de semana

Com certeza não é o melhor filme de Quentin Tarantino, mas não deixa de ser um belo registro cinematográfico que deverá ser lembrado em futuras premiações.

Os Oito Odiados (The Hateful Eight)
Gênero: Faroeste
Direção: Quentin Tarantino
Roteiro: Quentin Tarantino
Elenco: Belinda Owino, Bruce Del Castillo, Bruce Dern, Channing Tatum, Craig Stark, Dana Gourrier, Demián Bichir, Gene Jones, James Parks, Jennifer Jason Leigh, Keith Jefferson, Kurt Russell, Lee Horsley, Michael Madsen, Samuel L. Jackson, Tim Roth, Walton Goggins e Zoe Bell
Produção: Richard N. Gladstein, Shannon McIntosh e Stacey Sher
Fotografia: Robert Richardson
Montagem: Fred Raskin
Trilha Sonora: Ennio Morricone
Duração: 3 horas e 7 minutos
País: Estados Unidos

Leia também:  Crítica: Anjos da Noite - Guerras de Sangue

Úrsula Neves fotoJornalista carioca, mãe do Heitor. Gestora de Comunidade & Gerente de Projetos do Digitais do Marketing. Repórter do site Cabine Cultural. Adora ler, assistir séries pelo Netflix, ir ao cinema e teatro, navegar pela internet e viajar acordada ou dormindo.

Deixe uma resposta