Crítica: Caçando Hitler, a nova série do History que busca respostas sobre paradeiro de Hitler no pós-guerra
Séries

Crítica: Caçando Hitler, a nova série do History que busca respostas sobre paradeiro de Hitler no pós-guerra

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Caçando Hitler

Caçando Hitler

Série estreia na próxima sexta-feira, dia 19 de fevereiro, às 22 horas; projeto é um prato cheio para historiadores e amantes de história geral

Por Luis Fernando Pereira

É mais que consensual que a segunda guerra mundial é uma das temáticas mais utilizadas no cinema e na televisão em toda a história recente. Inúmeros filmes, séries, documentários, e programas, focaram – e ainda focam – em questões relacionadas ao dramático período que resultou em milhões de mortos mundo afora.

O canal fechado History, que possui um acervo significativo de produções sobre a guerra, entra novamente em pautas de conversas por conta de sua nova série, que vem com o chamativo título de Caçando Hitler.

Porém, se vocês acham que a série é focada no período do conflito, estão enganados. O que o projeto busca é responder uma questão que pode vir a ser um dos maiores mistérios do século: e se Hitler não cometeu suicídio como foi divulgado, e sim fugiu para outro país?

A série então investiga se o ditador – um dos mais cruéis da história – teria fugido para a América Latina e passado pelo Brasil antes de se esconder na Argentina. Sim, o foco, ao menos do primeiro episódio, é a América Latina, e basicamente o nosso vizinho mais famoso.

A produção se utiliza de documentos oficiais secretos liberados pelo FBI em 2014, documentos esses que motivaram toda esta nova jornada que o History exibe a partir do próximo dia 19 de fevereiro, às 22 horas, e que está dividido em oito episódios, onde uma equipe de seis renomados investigadores busca respostas para os possíveis paradeiros de Hitler, caso ele tenha realmente fugido.

A série é realmente um prato cheio para quem estuda história – academicamente ou não – por mexer em um dos pontos mais fascinantes dos últimos dois séculos, ao menos. O tom investigativo, marca deste tipo de produto, com a dinâmica de documentário, ajuda a não ficar maçante e cansativo. Caçando Hitler tem uma velocidade que faz o tempo passar bem rápido.

Nesse sentido, o roteiro, que recorrentemente põe na tela falas como: “é o maior mistério do século”… e coisas do tipo, acaba sendo um ponto forte, pois deixa quem assiste instigado a ver e ver e ver.

O episódio inicial, inclusive, por pouco não sai do tom por causa disto, e se transforma em uma série sensacionalista. Por sorte ela sempre volta para uma narrativa mais sóbria e documental.

Argentina
O mais curioso para nós – brasileiros e latino-americanos – é perceber que, mesmo de longe, estávamos presentes durante o conflito e no pós-guerra também. Logo no primeiro episódio vimos a investida inicial, que é em uma cidadezinha na Argentina onde, de acordo com um relatório do FBI, Hitler viveu por algum tempo após sua suposta ‘morte’. As descobertas que fazem lá são surpreendentes e certamente quem assistir vai ficar com pulgas atrás das orelhas.

Da equipe de investigadores, os mais famosos são o agente da CIA Bob Baer, autor do livro que deu origem ao premiado filme Syriana – A Indústria do Petróleo (Oscar de Melhor Ator Coadjuvante a George Clooney em 2006) e Dr. John Cencich, um reconhecido investigador de crimes de guerra.

Caçando Hitler estreia nesta sexta prometendo preencher mais umas das inúmeras lacunas que a segunda guerra mundial deixou para a história recente. Ainda há muitos mistérios para serem resolvidos, mas certamente se eles conseguirem criar uma argumentação razoável sobre a suposta vida de Hitler no pós-guerra, então a série marcará época.

O History exibirá dois episódios inéditos por semana, às sextas-feiras.

Luis Fernando Pereira é crítico cultural e editor/administrador do site


  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Deixe uma resposta