Exposição Rio: primeiras poses terá visita mediada com os curadores antes de seu encerramento
Agenda

Exposição Rio: primeiras poses terá visita mediada com os curadores antes de seu encerramento

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

A mostra inaugurou a nova fase de exposições permanentes de acervo na Galeria Marc Ferrez, no IMS-RJ (Foto: Divulgação / Assessoria)

A mostra inaugurou a nova fase de exposições permanentes de acervo na Galeria Marc Ferrez, no IMS-RJ (Foto: Divulgação / Assessoria)

“A exposição segue até a década de 1930 que, com o fim da velha República, inaugura o período de modernidade, de industrialização e de urbanização que levariam a cidade a ser o que é hoje”

Por Úrsula Neves

No dia 28 de fevereiro, chega ao fim a exposição Rio: primeiras poses − Visões da cidade a partir da chegada da fotografia (1840-1930), em cartaz no IMS-RJ. Sucesso de público, com mais de 100 mil visitantes, a mostra percorre nove décadas de produção fotográfica no Rio de Janeiro, com fotografias que documentam a cidade no Império, em especial durante o Segundo Reinado de d. Pedro II, e as primeiras quatro décadas da República. No dia 27 de fevereiro, às 17 horas, acontecerá uma visita mediada gratuita com os curadores.

Estão expostas 450 imagens de fotógrafos como Abraham-Louis Buvelot, Georges Leuzinger, Victor Frond, Augusto Stahl, Revert Henri Klumb, Albert Henschel, Marc Ferrez, Joaquim Insley Pacheco, Hubner e Amaral, Carlos Bippus, Lopes, José dos Santos Affonso, Thiele, W. Kollien, Augusto Malta e Guilherme Santos, todas pertencentes ao acervo do IMS e escolhidas entre cerca de 10 mil imagens desse período. Assim, a mostra inaugura o uso intensivo da Galeria Marc Ferrez, no IMS-RJ, para mostras permanentes de acervo. Muitas das imagens que são apresentadas nesta exposição nunca foram exibidas antes.

Organizada em seis ambientes dispostos em ordem cronológica, a exposição apresenta cerca de 250 fotografias originais, nas paredes e em vitrines, e mais três conjuntos de imagens em estruturas multimídia: espaço de projeção em 2,20 x 9 m, dois mapas interativos comandados por telas touchscreen e dois monitores com 75 fotos estereoscópicas cada, com visualização em 3D. As imagens digitalizadas e as ferramentas de visualização com magnificação oferecerão ao visitante a possibilidade de enxergar detalhes nas fotografias que não seriam facilmente vistos nos originais*.

O primeiro núcleo mostra os primeiros processos fotográficos iniciais realizados no Rio de Janeiro, que conheceu a fotografia por meio da daguerreotipia, já em janeiro de 1840. Os retratos de estúdio em daguerreótipo predominam neste período.

Dois ambientes dedicados ao período que vai da década de 1850 à década de 1890, com fotos de Stahl, Leuzinger, Klumb, Frond e Ferrez, revelam a memória de uma paisagem urbana e traços de uma arquitetura estruturada ainda no período colonial e desenvolvida com maior intensidade depois da chegada da família real portuguesa em 1808. Nos demais ambientes, a exposição apresenta imagens que mostram as mudanças e reformas urbanas promovidas no início do século XX, em particular durante a administração Pereira Passos (1902-1906), com a construção da avenida Central, a inauguração da avenida Beira-Mar em direção à Glória, ao Catete, ao Flamengo e a Botafogo e a obras de melhoramento do porto do Rio de Janeiro e do canal do Mangue, entre outras. Essas ações foram registradas em particular por Augusto Malta, fotógrafo a serviço da prefeitura e de empresas como a Light, que incorpora em suas imagens tanto a cidade como sua população durante a transformação radical do “bota-abaixo” representado pela abertura da avenida Central e a posterior remoção do morro do Castelo.

Marc Ferrez, único entre os fotógrafos reunidos na mostra a atravessar os dois séculos, realiza sua grande e última obra com o Álbum da avenida Central, que estará destacado em um dos núcleos da exposição. Ferrez e Malta construiriam, com seus trabalhos, o principal legado da fotografia para a memória da cidade na passagem do século XIX para o XX.

Os principais avanços tecnológicos do período, como o transporte urbano e a iluminação pública, o automóvel, o início da aviação, a mudança na relação das pessoas com a própria imagem fotográfica, também estarão presentes nas imagens da mostra, assim como a redescoberta da fotografia estereoscópica entre amadores e profissionais, o que se vê no trabalho de Guilherme Santos, e retratos de personalidades da vida da cidade, como d. Pedro II, Chiquinha Gonzaga, Pixinguinha, Machado de Assis, Pereira Passos, Ernesto Nazareth, entre outros.

A exposição segue até a década de 1930 que, com o fim da velha República, inaugura o período de modernidade, de industrialização e de urbanização que levariam a cidade a ser o que é hoje. Assim, a mostra antecipa as transformações que as próximas décadas trariam, como o crescimento da cidade em direção à zona Sul e às praias, que precedeu a expansão em direção à zona Oeste (Barra da Tijuca, Jacarepaguá, Santa Cruz). Imagens de Copacabana e Ipanema, entre 1900 e 1930, revelam os primeiros movimentos em direção à construção de uma nova cultura na cidade associada às praias oceânicas, que tanto marcaria a vida dos moradores do Rio ao longo do século XX.

SERVIÇO
Rio: primeiras poses, visões da cidade a partir da chegada da fotografia (1840-1930)
Curadoria de Sergio Burgi e Mariana Newlands
Dia 27 (sábado), às 17h, visita mediada gratuita com os curadores
Até 28 de fevereiro de 2016 – De terça a domingo, das 11h às 20 horas
Entrada franca – Classificação livre
Visitas monitoradas para escolas: agendar pelo telefone (21) 3284-7400.
Local: Instituto Moreira Salles – Rua Marquês de São Vicente, 476, Gávea – Rio de Janeiro
Tel.: (21) 3284-7400/ (21) 3206-2500

 

 

Úrsula Neves fotoJornalista carioca, mãe do Heitor. Gestora de Comunidade & Gerente de Projetos do Digitais do Marketing. Repórter do site Cabine Cultural. Adora ler, assistir séries pelo Netflix, ir ao cinema e teatro, navegar pela internet e viajar acordada ou dormindo.

 


  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Deixe uma resposta