Crítica: Divergente: Convergente
Críticas

Crítica: Divergente: Convergente chega aos cinemas com um final que não empolga, mas também não decepciona

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Logo Cultura PopColuna da jornalista Úrsula Neves sobre tudo que acontece no universo da cultura pop

Crítica: Divergente: Convergente

A preocupação crescente que a humanidade sente perante o futuro incerto do nosso planeta têm inspirado muitos escritores a investirem em histórias sobre as possíveis consequências que poderão ocorrer nas próximas décadas, principalmente as obras que surgem como fortes críticas a sistemas ou regimes. Chamado de distopia, esse gênero está fazendo tanto sucesso, principalmente entre os jovens, que muitos livros vêm sendo adaptados para a tela do cinema, como é o caso das séries Jogos Vorazes e Divergente.

Veronica Roth liderou as listas de mais vendidos de 2012 com Divergente, um livro passado num futuro apocalíptico, em que as pessoas são divididas em facções conforme suas aptidões: abnegação, amizade, audácia, franqueza e erudição, onde aprendem a lutar para sobreviver. Em pouco tempo, a americana, hoje com 27 anos, tornou-se uma das autoras mais vendidas da atualidade com a série formada por Divergente, Insurgente e Convergente, publicados aqui no Brasil pela editora Rocco. Há também um livro derivado da série onde os fatos são narrados sob a perspectiva de Tobias Eaton (chamado de Quatro), personagem de Theo James.

Convergente

Convergente

Nesta quinta-feira, dia 10 de março chega aos cinemas o terceiro filme da série Divergente, sob a direção de Neil BurgerEm Convergente ficamos sabendo como ficou Chicago após a divulgação da mensagem de Edith Prior ser revelada e a morte de Janine Matthews (Kate Winslet), a líder da Erudição.

Agora a cidade passa a ser liderada por Evelyn (Naomi Watts), que decide fazer execuções disfarçadas de julgamentos públicos dos que estavam do lado da antiga administradora. Por não concordar com os rumos da nova liderança a divergente Tris (Shailene Woodley), assim como seu namorado Quatro (Theo James), que também é filho de Evelyn, decidem atravessar o muro que cerca o local para descobrir a verdade as pessoas que sobreviveram além das fronteiras. Na fuga eles são acompanhados Christina (Zöe Kravitz), Peter (Milles Teller), Tori (Maggie Q) e Caleb (Ansel Elgort).

O grupo (um personagem morre pelo caminho) consegue chegar a uma comunidade mais desenvolvida tecnologicamente, comandada por David (Jeff Daniels). Na cidade futurista, Tris ganha privilégios e status, enquanto seus colegas são remanejados para diferentes funções. A personagem de Shailene Woodley começa a trabalhar diretamente com David acreditando em suas boas intenções depois que ele revela alguns segredos sobre as suas origens. Entretanto, Quatro desconfia das boas intenções David e tenta descobrir o que ele realmente quer. Enquanto isso, do outro lado do muro, Evelyn entra em confronto com Johanna (Octavia Spencer), que se mostra contra seus métodos, o que pode gerar consequências devastadoras.

Convergente

Convergente

O roteiro escrito por Noah Oppenheim e Adam Cooper torna a história de Veronica Roth mais ágil na tela os cinemas. Foi decidido que o último volume da trilogia Divergente foi dividido em dois filmes. O último filme se chamará A Série Divergente: Ascendente.

O elenco funciona bem no geral, com destaque para coadjuvantes veteranos Naomi Watts, Jeff Daniels e Octavia Spencer. O clímax da trama decepciona um pouco, assim como os efeitos especiais. Já a fotografia surpreende, principalmente nas cenas de terra desolada que lembram o planeta Marte tal como mostrado em imagens divulgadas pela NASA. Já o final da história vem recheado de lições moralistas, como “Não separem as pessoas”, “não nos dividam em grupos”, o que talvez agrade aos fãs da série. O filme não empolga, mas também não decepciona totalmente.

Divergente: Ascendente já tem estreia prevista para junho de 2017. No desfecho da série, Tris (Shailene Woodley) e Quatro (Theo James) são postos à prova mais uma vez, diante de situações que mudarão suas vidas para sempre. Vamos aguardar!

Úrsula Neves fotoJornalista carioca, mãe do Heitor. Gestora de Comunidade & Gerente de Projetos do Digitais do Marketing. Repórter do site Cabine Cultural. Adora ler, assistir séries pelo Netflix, ir ao cinema e teatro, navegar pela internet e viajar acordada ou dormindo.


  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Deixe uma resposta