Crítica The Voice Kids Brasil: Rafa Gomes, os favoritos, Ivete Sangalo e o raso discurso sobre política | Cabine Cultural
Televisão

Crítica The Voice Kids Brasil: Rafa Gomes, os favoritos, Ivete Sangalo e o raso discurso sobre política

Felipe Adetokunbo, Iris Pereira, Rafa Gomes e Ryandro Campos (Foto Isabella Pinheiro Gshow)

Felipe Adetokunbo, Iris Pereira, Rafa Gomes e Ryandro Campos (Foto Isabella Pinheiro Gshow)

Reality continua sendo a maior surpresa da temporada e Ivete Sangalo a grande e merecida estrela; programa passado pecou nos discursos

Neste domingo, dia 20 de março, acontece a semifinal da primeira edição do reality infantil da Rede Globo, The Voice Kids Brasil. Agora são somente doze os participantes (13 se contarmos a dupla): Felipe Adetokunbo, Iris Pereira, Rafa Gomes e Ryandro Campos são os candidatos do Time Brown;

Daniel Henrique, Luna Bandeira, Pérola Crepaldi e Robert Lucas são os representantes do Time Ivete.

Ana Beatriz Torres, Enzo e Eder, Laura Schadeck e Wagner Barreto são os meninos do Time Victor & Leo.

Com estes doze nomes a postos, fica a pergunta: quem vence?

Por mais que sejam todos muito talentosos e merecedores, podemos facilmente indicar os favoritos, e, sobretudo, quem deverá vencer a primeira edição do programa.  Olhando inicialmente time por time, vemos na equipe de Brown os nomes mais fortes, encabeçado ai pela super favorita ao título, a paranaense Rafa Gomes.

A menina encantou desde o primeiro momento de sua trajetória no reality, quando cantou “A História de uma Gata” de forma tão esplêndida. Naquele momento, já podíamos dizer que Rafa estaria na final, pois seu talento, misturado com fofura, desenvoltura e tudo o mais a gabarita para ser tranquilamente a primeira ganhadora do The Voice Kids Brasil. Então fica aqui o palpite, muito óbvio por sinal: Rafa Gomes tem tudo para ser a The Voice de 2016.

Daniel Henrique, Luna Bandeira, Pérola Crepaldi e Robert Lucas (Foto Isabella Pinheiro Gshow)

Daniel Henrique, Luna Bandeira, Pérola Crepaldi e Robert Lucas (Foto Isabella Pinheiro Gshow)

Mas a equipe de Brown tem mais dois grandes nomes com popularidade: Iris Pereira e Ryandro Campos. Iris é uma princesa que sabe cantar e encantar, enquanto Ryandro é um talento nato e certamente, se seguir a carreira, será um grande cantor no futuro.

Leia também:  Filmes para assistir e se dar bem no ENEM 2017: A Batalha de Seattle (nº1)

O time de Ivete Sangalo também é outro que podemos até achar num primeiro momento mais ‘fraco’, porém quando nos lembramos das apresentações dos seus candidatos, percebemos o quão bom eles também são. Luna Bandeira e Pérola Crepaldi são as duas estrelas da equipe Ivete, e ambas merecem chegar à final.

E ai temos o time de Victor & Léo, que, tal como a equipe de Ivete, podemos até achar menos forte, mas ai eles começam a cantar e a emoção toma conta, pois são talentosos, muito talentosos.  Enzo e Eder – podemos dizer – são os candidatos que mais ameaçam o título de Rafa Gomes. Os meninos, que são bons enquanto dupla, ganham muito no quesito apelo emocional, pois a relação dos dois é a mais bonita do reality.

Ana Beatriz Torres e Laura Schadeck são as mais talentosas do time, e Wagner Barreto corre por fora.

Leia também:  Paul McCartney: Salvador se prepara para o maior show de sua história

Ivete Sangalo
Ivete continua sendo a grande estrela do reality, por mais interessante que esteja sendo a participação de Carlinhos Brown (a grata surpresa) e mais divertida que seja a dupla Victor & Léo (não tão divertida assim, mas são bons também). A baiana consegue, a cada intervenção, deixar claro que o The Voice Kids Brasil é a cara dela, que não há outro programa na Rede Globo onde ela se encaixe melhor que no reality infantil.

Ana Beatriz Torres, Enzo e Eder, Laura Schadeck e Wagner Barreto (Foto Isabella Pinheiro Gshow)

Ana Beatriz Torres, Enzo e Eder, Laura Schadeck e Wagner Barreto (Foto Isabella Pinheiro Gshow)

Crítica sem ser ofensiva, com mensagens de apoio dignas de uma estrela, e com o método de compensação mais bacana já visto em um reality. Semana passada ela chamou as duas candidatas que não passaram para a semifinal para se apresentar com ela em Trancoso, na gravação de seu novo DVD. Prêmio de consolação melhor que esse não há.

Leia também:  Crítica Pesadelo na Cozinha: os erros e os acertos até aqui

Política
Já há duas semanas que o Brasil vem sendo bombardeado por questões políticas, de corrupção e tudo o mais. Isso vem refletindo também no The Voice Kids, mas de forma bem rasa. Por vezes Ivete e Victor & Leo fizeram discursos sobre política e o futuro do país, deixando a cargo das crianças a solução para tudo que está acontecendo. Chegaram até a dizer que os corruptos de hoje já foram crianças e que tiveram uma educação errada.

Não precisa dizer que o tema é muito mais complexo que essas frases de efeito bobas e rasas, quando analisadas. Seria infinitamente melhor que continuassem a tratar do que realmente importa aqui, o talento dos meninos e meninas, e deixar os discursos inflamados para seus shows ou para entrevistas onde o assunto fosse pertinente. No mais soa utilitarismo e uma forma de ganhar aplausos, mesmo sem saber direito o que está acontecendo no Brasil.

Mas isso é assunto para outro ‘programa’.

O The Voice Kids Brasil continua hoje com a semifinal. No próximo dia 27 de março o reality termina a sua primeira e mais que bem sucedida primeira temporada.




Uma resposta para “Crítica The Voice Kids Brasil: Rafa Gomes, os favoritos, Ivete Sangalo e o raso discurso sobre política”

  1. Não enxergo o discurso realizado nesse específico dia do programa de forma tão rasa. Pelo simples fato de que os técnicos não possuem muito tempo para se expressar e em algumas situações tem o seu momento de fala cortado pelo apresentador. Ah, podem falar que eles se expressam até demais em alguns dias. Mas, o pessoal não considera o quanto é difícil se expressar bem quando se é assistido por milhares de pessoal, o nervosismo, o dia pode não lhe favorecer, faltam- se palavras..De certa forma, considero que o ato de se posicionar diante do que acontece no país um ponto positivo por parte destes artistas e por parte do programa.
    Os técnicos também não podem fazer um discurso grandiosamente sobre o tema política, pois estão de frente com crianças, que absorvem, na maioria das vezes, as “frases de efeito bobas e rasas” que foram citadas aqui, e de modo mais generalizado, que o público em geral também absorve esse tipo de material, esse tipo de discurso. Que supre, não por completo (Ninguém consegue saciar por completo o conhecimento) e nem por ser simplesmente uma forma de ganhar aplausos, a necessidade de representativa, que tanto sofre a população brasileira, por conta do marasmo que assola a política.
    Parabéns pela Resenha Crítica.

Deixe uma resposta