"O Rosto De Um Outro", o livro japonês que problematiza a identidade humana no pós-guerra | Cabine Cultural
Literatura Notícias

“O Rosto De Um Outro”, o livro japonês que problematiza a identidade humana no pós-guerra

Capa de O rosto de um outro

Capa de O rosto de um outro

“Assim, “O Rosto De Um Outro” é um empreendimento que há 52 anos conquista e choca leitores por todo o mundo”

Por Pedro Del Mar

“O Rosto De Um Outro”, originalmente “Tanin No Kao”, é uma das grandes obras produzidas pela literatura japonesa do século XX. Publicada e ambientada no Japão pós-guerra, especificamente em 1964, e imerso em uma sociedade ainda sob os efeitos da bomba atômica e outros horrores da guerra, a obra apresenta ao leitor um roteiro digno de um bom filme de suspense e terror. Não por um acaso, o livro foi transformado em um longa, de mesmo nome, lançado em 1966, com direção de Hiroshi Teshigahara.

Na história criada por Kobo Abe, pseudônimo do escritor e dramaturgo Kimifusa Abe, um dos mais importantes do século passado, somos apresentados a um cientista de meia idade, sem nome citado, que sofre um grave acidente em seu laboratório que desfigura por completo seu rosto, o que promove uma abrupta e cruel interrupção na sua vida. Em meio a este contexto de aparente caos, o cientista percebe-se em meio a uma das mais intrigantes questões existenciais: qual a relação entre o rosto e a identidade?  Ao perder a face, ele perdera também a sua individualidade? Buscando responder esta incomoda questão, o protagonista inicia uma longa trilha em busca de um novo rosto e, por consequência, uma nova identidade.

Leia também:  Stoner, de John Williams, quando menos é mais

Repleto de longas e detalhadas dissertaçõesque em muitos momentos assemelham-se a tratados socio-antropológicos sobre diversas nuances do comportamento e personalidade humana, o livro é claramente alicerçado sobre as estruturas do existencialismo e surrealismo. De tons densos, emocionalmente carregados e que transitam sensivelmente entre estados psicológicos diametralmente opostos, refletindo o constante sentimento de confusão que atormenta o personagem central, “O Rosto De Um Outro” não pode ser considerado de leitura fácil. Embora a tradução brasileira, a cargo de Leiko Gotoda, se esforce em ser didática, a construção da narrativa é dura e sombria, o que pode tornar a leitura das 288 páginas que compõem o livro uma tarefa de paciência e persistência, o que não é necessariamente um defeito, basta que o leitor esteja ciente e disposto a encarar o que estar por vir.

Leia também:  A Vida Em Espiral, thriller senegalês com protagonismo negro

Outra característica perceptível no desenvolvimento da obra são as referências, ainda que implícitas, a alguns nomes e conceitos da ciência clássica e moderna, como as categorias de imperativos categórico ehipotético presentes na filosofia de Immanuel Kant, o conceito e alienação desenvolvido pelo também filósofo Karl Marx e alusões a obra do matemático grego Euclides de Alexandria. Sinais que correspondem à robusta formação intelectual do autor.

Assim, “O Rosto De Um Outro” é um empreendimento que há 52 anos conquista e choca leitores por todo o mundo. Advindo da literatura oriental, ainda pouco lida no Brasil, a obra permanece atual por ter seu foco central em uma questão comum a toda raça humana, que ignora fronteiras, culturas, credos e contextos históricos. Por isso, é uma leitura fundamental em nossos dias.

Leia também:  Stoner, de John Williams, quando menos é mais

– Título: O Rosto De Um Outro
– Autor: Kobo Abe
– Ano: Japão: 1964 – Brasil: 2015
– Editora: Cosac Nasify– Preço: R$ 26,00 até R$ 36,00

Pedro Del MarPedro Carvalho (Del Mar) é graduando em Direito e em Ciências Sociais. Desde a adolescência participou ativamente de movimentos estudantis e sociais na Bahia e em Minas Gerais. À margem destas atividades, mas não menos importante, cultiva o hábito da escrita, sempre atento ao que acontece na política, sociedade, comportamento, educação, cultura e entretenimento no Brasil e no mundo.

Deixe uma resposta