Medalhista olímpico e apresentador de TV, Flávio Canto conversa com o Cabine Cultural | Cabine Cultural
Entrevistas Notícias

Medalhista olímpico e apresentador de TV, Flávio Canto conversa com o Cabine Cultural

Flavio Canto em Salvador

Flávio Canto em Salvador

“Flávio demonstrou também algumas preocupações. Segundo ele, a estrutura de transportes e mobilidade urbana presente no Rio é preocupante”

Por Pedro Del Mar

Na última terça, 04/05, aconteceu em Salvador o evento “Campeões da Bahia”, que reuniu três atletas baianos que disputarão as Olimpíadas Rio 2016 e também o ex-judoca, medalhista olímpico – bronze em Atenas, 2004 – e apresentador de TV, Flávio Canto.

O evento foi promovido pela rede de shoppings centers Aliansce e aconteceu em sua filial soteropolitana, o Shopping da Bahia. Nesta edição, que contou com a condução da jornalista e apresentadora do Globo Esporte Bahia, Patrícia Abreu, os convidados foram o nadador Allan do Carmo, o paratleta de remo Renê Pereira e a pugilista Adriana Araújo – bronze em Londres, 2012. Juntos, os três atletas e Flávio Canto responderam a uma série de perguntas do público e da imprensa sobre suas carreiras, desafios, conquistas e o que esperam do jogos olímpicos deste ano. Foi um interessante bate-papo sobre 4 modalidades olímpicas e com as visões de atletas de diferentes gerações, um belo presente para o público soteropolitano nas vésperas das olimpíadas.

Na ocasião, o Cabine Cultural fez uma breve entrevista com Flávio Canto acerca das semelhanças e diferenças que ele vê entre as olimpíadas que disputou e a Rio 2016, já que agora ele participará na condição de jornalista, integrando a equipe oficial da Rede Globo na cobertura dos jogos.

Flavio Canto em Salvador

Flávio Canto em Salvador

Para Flávio são experiências distintas. Estar nos jogos olímpicos como atleta e com chances reais de conseguir uma medalha é uma sensação única e indescritível, um sonho de qualquer atleta. No entanto, estar do outro lado, pode acompanhar de perto a preparação dos atletas e analisar seus desempenhos dentro de uma megaestrutura de TV, também é uma experiência bacana e de aprendizado.

Leia também:  Stoner, de John Williams, quando menos é mais

Flávio demonstrou também algumas preocupações. Segundo ele, a estrutura de transportes e mobilidade urbana presente no Rio é preocupante. Quando foi as últimas olimpíadas em Londres, 2012, já como parte da equipe de jornalismo esportivo da Globo e do SporTV, ele disse ter ficado impressionado com a facilidade de deslocamento entre os diversos locais de provas espalhados pela cidade. Citou como exemplo o fato de ter ido a final do futebol entre Brasil e México no estádio de Wembley e logo depois, em questões de minutos, chegar ao ginásio onde ocorreria a final do vôlei feminino. Detalhe: o deslocamento entre o estádio e o ginásio foi feito de transporte público, especificamente de metrô.

Outra preocupação do ex-judoca diz respeito ao legado que as olimpíadas deixarão para o esporte brasileiro. Flávio citou o exemplo da Grécia, país que sediou as olimpíadas em que ele conquistou a medalha e, portanto, lugar extremamente especial para ele. Apesar disso, destacou que a Grécia naquele ano em que foi sede olímpica, 2004, tivera grande êxito, ficando em 15º no quadro de medalhas, posição a frente do Brasil, mas que nos jogos seguintes teve péssimos desempenhos, Pequim 2008 (59º) e Londres 2012 (75º), o que denotaria um abandono do legado que os jogos de 2004 teriam deixado para o país. Canto preocupa-se que o mesmo possa ocorrer no Brasil.

Leia também:  A Vida Em Espiral, thriller senegalês com protagonismo negro

Por fim, o apresentador do “Corujão do Esporte” e do “Balada Olímpica”, programas que comanda semanalmente na Rede Globo, disse que apesar das preocupações espera que os jogos olímpicos sejam um sucesso no Brasil. Destacou ainda a importância do esporte na vida das pessoas e como as olimpíadas podem ser uma boa vitrine para isso.

 

Pedro Del MarPedro Carvalho (Del Mar) é graduando em Direito e em Ciências Sociais. Desde a adolescência participou ativamente de movimentos estudantis e sociais na Bahia e em Minas Gerais. À margem destas atividades, mas não menos importante, cultiva o hábito da escrita, sempre atento ao que acontece na política, sociedade, comportamento, educação, cultura e entretenimento no Brasil e no mundo.

Deixe uma resposta