Peça O como e o porquê reestreia dia 13 de maio no Teatro Fashion Mall | Cabine Cultural
Agenda Notícias

Peça O como e o porquê reestreia dia 13 de maio no Teatro Fashion Mall

O como e o porquê

O como e o porquê

“O como e o porquê é um espetáculo simples, surpreendente e que tem a assinatura de Maneco Quinderé na iluminação e figurinos de Desirée Bastos, com trilha sonora original de Bianca Gismonti”

Sucesso de crítica em sua primeira temporada no centro do Rio, a peça O como e o porquê chega ao Teatro Fashion Mall, São Conrado, com as atrizes Suzana Faini e Alice Steinbruck.  A montagem traz o encontro entre duas biólogas de gerações diferentes e que defendem teorias controversas. A montagem de Sarah Treem é dirigida por Paulo de Moraes e comemora os 50 anos de carreira de Suzana Faini. A peça, inédita na América Latina, reestreia dia 13 de maio, às 21h30, no Teatro Fashion Mall, com temporada até o dia 05 de junho com sessões às sextas e sábados, 21h30 e aos domingos, 20 horas.

Dirigido por Paulo de Moraes, o espetáculo analisa a vida sob a perspectiva de duas mulheres. Suzana Faini interpreta Zelda, uma importante e conceituada bióloga da área evolutiva, vencedora do mais importante prêmio na ciência por sua “Teoria da Avó”. Ela defende a menopausa como uma vantagem evolutiva para os seres humanos, permitindo uma vida mais longa às mulheres. Alice Steinbruck interpreta Raquel, uma estudante de pós-graduação que sustenta a ideia da evolução da mulher a partir da capacidade de expulsar vírus e bactérias por meio da menstruação. O desconcertante encontro entre essas duas mulheres acontece às vésperas de uma importante conferência científica. Ao longo do espetáculo, o público se depara com grandes revelações.

Leia também:  Espetáculo Leo e Bia, com a atriz Isabella Santoni no elenco, estreia no Rio de Janeiro

Esta é a primeira tradução da obra americana, cujo título original é The how and the why. A versão em português é da atriz Alice Steinbruck, idealizadora do projeto. “Este é um texto que estimula as pessoas a não desistirem de suas ideias e fala como encontrar o seu lugar no mundo. Ele me interessou muito e fui atrás para montá-lo aqui no Brasil”, explica Alice.

O como e o porquê é um espetáculo simples, surpreendente e que tem a assinatura de Maneco Quinderé na iluminação e figurinos de Desirée Bastos, com trilha sonora original de Bianca Gismonti.

Conheça um pouco sobre o currículo da autora, do diretor e do elenco da peça:

Sarah Treem – Autora de sucessos da Broadway e roteirista veterana. Ganhou o Globo de Ouro de Melhor Série Dramática para TV em 2015, por The Affair. É criadora e produtora da HBO em programas e séries de sucesso mundial, como House of cards e In treatment, que no Brasil recebeu o nome de Sessão de Terapia. Seus textos de teatro têm obtido grande sucesso nos Estados Unidos, sempre primando por encontrar o equilíbrio entre a dramaticidade e a inteligência na articulação de temas de amplo interesse para a sociedade, como política, ciência e medicina.

Suzana Faini – Bailarina de formação, estreou como atriz no Teatro Sesc Ginástico com a peça Oh, que delícia de guerra, substituindo Eva Wilma, em 1966. Estreou na televisão em 1969, na novela Rosa Rebelde, da Globo. No currículo, mais de 40 produções televisivas, mais de 10 filmes e dezenas de montagens teatrais. Em 2015 recebeu indicação ao Prêmio Cesgranrio por melhor atriz com o espetáculo Família Lyons. Este ano comemora 50 anos de carreira.

Leia também:  Peça O Olho de Vidro segue até o final do mês no Centro Cultural dos Correios do RJ

Alice Steinbruck – Atriz, dramaturga e diretora. Formada em interpretação pela CAL – Casa das Artes de Laranjeiras. Assinou direção, roteiro e atuou na peça Desejo, adaptação de Um bonde chamado desejo, de Tennessee Williams. Também escreveu, dirigiu e fez a cenografia da montagem Torpedos, encenada no Centro Cultural Solar de Botafogo.

Paulo de Moraes – Cenógrafo, diretor e dramaturgo. Como cenógrafo ganhou o Prêmio Shell em 2001, com o espetáculo Da Arte de Subir em Telhados. Na sequência, montou Pessoas Invisíveis, sobre a obra de Will Eisner; Casca de Noz, adaptação de As Cosmicômicas, de Ítalo Calvino; entre outras. Em 2005 dirigiu Toda Nudez Será Castigada, de Nelson Rodrigues, pela qual recebeu o Prêmio Shell de melhor diretor. Em 2008 recebeu o Prêmio Shell de melhor texto por Inveja dos Anjos.

Além dos trabalhos com a Armazém Companhia de Teatro, assinou a direção de FLAP!, para a Intrépida Trupe, em 2001; O Pequeno Eyolf, de Henrik Ibsen, em 2004; Fala Baixo Senão Eu Grito, de Leilah Assumpção; e Pequenos Milagres, projeto do Grupo Galpão.

Leia também:  O Corpo da Mulher Como Campo de Batalha reestreia no Teatro Gláucio Gil

Ficha Técnica
Texto
: Sarah Treem
Tradução: Alice Steinbruck
Direção e Cenografia: Paulo de Moraes
Elenco: Suzana Faini e Alice Steinbruck
lluminação: Manéco Quinderé
Trilha sonora original: Bianca Gismonti
Figurinos: Desirée Bastos
Fotos e Desenho Gráfico: Fabiano Cafure
Coach Alice Steinbruck: Zé Wendel Soares
Coach Suzana Faini: Rogério Freitas
Assessoria de Imprensa: Minas de Ideias
Marketing Cultural: Gheu Tibério
Assistente de Marketing Cultural: Andréa Tonia
Produção Executiva: Carin Louro
Direção de Produção: Sandro Rabello 

Serviço
O Como e o Porquê
Teatro Fashion Mall
Endereço:
Rua Estr. da Gávea, 899 – Telefone: (21) 2422 9800 – São Conrado
Reestreia: 13 de maio – 21h30
Temporada até 05 de junho
Horários: Sexta e sábado – 21h30. Domingo, às 20h.
Preços: R$ 60 (sextas-feira) / R$ 70 (sábados e domingos)
Horário de Funcionamento da Bilheteria: Aberto de terça- feira a sábado, até 21h30. Domingos, de 15h até 20h.
Classificação: 16 anos
Duração: 80 min.
Gênero: Comédia dramática
Capacidade: 200 Lugares

 

Úrsula Neves fotoJornalista carioca, mãe do Heitor. Gerente de Conteúdo e de Projetos do Digitais do Marketing. Colunista convidada do Blog Eu, Ele e as Crianças. Adora ler, assistir séries pelo Netflix, ir ao cinema e teatro, navegar pela internet e viajar acordada ou dormindo. No Cabine Cultural possui a coluna Cultura Pop e ETC… sobre tudo que acontece no universo da cultura pop.

Deixe uma resposta