Crítica MasterChef Brasil: 3ª temporada se prolonga demais, mas ainda é o melhor programa do gênero no país | Cabine Cultural
Notícias Televisão

MasterChef: 3ª temporada se prolonga demais, mas ainda é o melhor programa do gênero no país

MasterChef Brasil 3

MasterChef Brasil 3

Final do programa acontece nesta terça, dia 23 de agosto, com exibição de um especial ao vivo; Bruna e Leonardo disputam título

Início de março. Sim, foi no início do mês de março que começou na Band mais uma edição do MasterChef Brasil, principal programa da emissora paulista atualmente. E por conta deste status, e pelo fato da Band também ter perdido os direitos de transmitir o futebol, que a cúpula decidiu prolongar um pouco mais esta terceira temporada do MasterChef.

Essa decisão deixou a temporada, que antes era dinâmica, numa edição bem mais lenta e prolongada. E por vezes víamos o programa com aquele ar de que estão repetindo demais as situações, parecia até que havia programas repetidos.

Para uma temporada mais longa dar certo, é necessário que ao menos os personagens da edição estejam em um nível alto. E não foi o que aconteceu aqui. Do grupo inicial, víamos somente alguns com potencial de crescer, tanto como cozinheiro, quanto como personagem. Fernando, para o bem, e Gleice, para o mal. Sim, a menina foi um dos pontos fracos da competição, e não por ela, que não tem culpa de nada, mas pela edição do programa que tentou transformá-la em uma pobre coitada, atrapalhando e muito a visão que o público passou a ter dela.

Tivemos também Guilherme, que tinha tudo para se destacar e ao menos chegar às fases finais, mas teve que desistir por conta de um problema de saúde. A maior perda para esta terceira temporada do MasterChef, com certeza.

Cozinheiros disputam prova na cozinha do MasterChef

Cozinheiros disputam prova na cozinha do MasterChef

Alguns candidatos realmente mostraram a que veio, como Bruna e Raquel. Desde as primeiras semanas que o espectador e até mesmo os jurados tinham a certeza que as duas eram as mais fortes desta edição. E de certa forma foi uma injustiça que elas não estejam nesta terça-feira fazendo à final. Porém, de certa foram fizeram, na semana passada, quando Bruna se mostrou mais atenta que Raquel e conquistou o direito de participar da final junto com Leonardo.

Já Leonardo é o representante do resto dos competidores: teve uma jornada instável, com muitos altos e baixos, e que teve para sair do programa por diversas vezes. Já chegou a prejudicar sua equipe em provas coletivas, mas também se destacou muito nas provas de eliminação. Porém, no final, quando o programa realmente vale, Léo cresceu, venceu provas importantes, merecendo chegar à final, com toda a certeza.

A edição do programa, a apresentadora, Ana Paula Padrão, e os três jurados, continuam sendo o ponto forte. Porém, desta trinca de personagens, a edição foi de longe a pior parte. Lenta por diversas vezes, e muito parcial em outras, principalmente quando tratou do caso Gleice.

Ana Paula não teve uma temporada maravilhosa, não se destacou, mas o seu papel não é esse, de chamar atenção. Foi sóbria, deu conselhos, se emocionou muito quando se despedia dos eliminados, e deu algumas broncas.

Os jurados continuaram com as suas particularidades. Paola, um charme, com muita simpatia, ela acabou virando a querida mais uma vez desta temporada. Jacquin e Fogaça deram o tom de equilibrio, com as críticas mais ásperas.

Bruna e Leonardo disputam a grande final nesta terça-feira

Bruna e Leonardo disputam a grande final nesta terça-feira

O saldo desta terceira temporada do MasterChef ainda é bastante positivo. Não há programa igual na televisão aberta do Brasil Unindo culinária, entretenimento de qualidade e emoção, o MasterChef, mesmo com a sua temporada bem longa, conseguiu ser novamente o principal programa da Band no ano até aqui, o melhor programa do gênero no país, e umas das melhores atrações de toda a televisão brasileira.


Deixe uma resposta