menu
Crítica Supermax episódio 2: preparando o terreno para o terror | Cabine Cultural
Notícias Séries Televisão

Crítica Supermax episódio 2: preparando o terreno para o terror

Supermax

Supermax

Segundo episódio da série melhora o ritmo e foca nas relações humanas; mesmo sem o sobrenatural, a trama ainda assim seria um ótimo suspense

Quando o segundo episódio de Supermax acaba, a sensação que fica é que mesmo sem o fator sobrenatural, a série tem elementos para ainda assim ser (ou poder ser) um ótimo suspense.

A premissa da história já indica isso: coloquem participantes com personalidades fortes numa prisão e cortem todo tipo de contato com o mundo externo que vocês verão muito rapidamente o caos acontecer. O segundo episódio veio para mostrar que a tendência pode ser esta para a série.

Pedro Bial não dá mais o ar da graça, e parece que a prisão está funcionando em modo automático. O que aconteceu? É um experimento? Estas questões, importantes para o final, agora são secundárias. O que devemos observar agora é como reagem nossos participantes.

Já vimos no piloto que teremos um trio formado por Arthur, ex-jogador de futebol, Sergio, ex-policial. E no meio deles, Bruna, personagem de Mariana Ximenes. E como bônus Sabrina, personagem de Cleo Pires. Mais da metade da trama envolverá este quatro personagens centrais da série.

O segundo episódio melhorou muito o ritmo, e a briga por comida foi o ponto forte. Cenas de ação interessantes, um suspense que foi crescendo e elementos de terror simbólico que já foram inseridos com um belo toque cinematográfico. O que dizer então do simbolismo do pássaro que se jogou a morte na prisão?

Supermax já dá sinais mais claros de como o terror será instaurado no reality. Primeiro será com simbolismos que já vimos em outras obras, como assovios em lugares desertos, ou pássaros se jogando, ou visões, de ex-padre, que assim é melhor.

Nos próximos episódios esses elementos de cunho simbólico e psicológico têm tudo para se materializar. E quando chegar neste momento, a série vai passar para outro nível, que até hoje não foi explorado de forma decente pela Rede Globo ou por qualquer emissora de televisão aberta no Brasil. Vai ser muito excitante observar como o terror será colocado na série.

Por enquanto temos tensão. Suspense. Mistério. As coisas vão bem, mas o ritmo precisa continuar melhorando.



Deixe uma resposta