menu
Épico e inesquecível, Tela Quente desta segunda exibe Jogos Vorazes: Em Chamas, com Jennifer Lawrence. Leia crítica | Cabine Cultural
Cinema Notícias

Épico e inesquecível, Tela Quente desta segunda exibe Jogos Vorazes: Em Chamas, com Jennifer Lawrence. Leia crítica

Em Chamas

Em Chamas

Filme arrebatou multidões pelo mundo e foi um dos mais esperados lançamentos da última década; Filme é o segundo volume da trilogia baseada em série homônima de livros

Katniss, Peeta e Gale, os três personagens que entraram para a história da literatura jovem e também do cinema, descobrirão nesta segunda, dia 24 de outubro, que não é assim tão fácil desafiar a Capital e ficar impune em Jogos Vorazes: Em Chamas, segundo volume da trilogia baseada nos livros homônimos de Suzanne Collins e filme inédito que a Rede Globo exibe nesta segunda-feira na tradicional sessão de Tela Quente, que começa logo após A Lei do Amor.

Imperdível.

O filme
Um ano depois de vencerem a 74ª edição dos temidos Jogos Vorazes, Katniss Everdeen (Jennifer Lawrence) e Peeta Mellark (Josh Hutcherson) são obrigados a fazer a Turnê dos Vitoriosos, visitando todos os distritos. Antes, porém, Katniss recebe a inesperada visita do Presidente Snow (Donald Sutherland), que acredita ter sido desafiado por Katniss quando ela optou por morrer com Peeta, nos últimos Jogos.

Para tentar acalmar os ânimos e intimidar Katniss, Snow faz ela promete que irá “se comportar” durante a turnê, caso contrário, todos os que ela ama estarão em perigo.

Crítica
O emblemático desfecho de Jogos Vorazes: Em Chamas (dirigido por Francis Lawrence) me fez lembrar quase que automaticamente dos últimos segundos do filme Matrix – Reload, que coincidentemente também fazia a função de capítulo intermediário de uma trilogia (no caso, Matrix). Em ambos, observamos os protagonistas deitados, ainda desgastados por todas as lutas passadas nas histórias, e então eis que um corte abrupto carrega consigo os créditos do filme e a partir daí há uma nova espera de todos pela sua continuação final.

Porém, enquanto que em Matrix o sentimento de revolta dominava o mais atento espectador, em Jogos Vorazes ficou a clara sensação de que as mais de duas horas de narrativa cumpriram tão bem o seu papel, que não era necessário que houvesse um desfecho mais didático, como o mais preguiçoso espectador está acostumado (e gosta). Jogos Vorazes: Em Chamas não é um filme didático, ainda bem. E por mais que seu público alvo seja os milhões de fãs dos livros da saga (escritos por Suzanne Collins) nada impede que alguém só interessado no filme se divirta. E a diversão é garantida.



Deixe uma resposta