O Corpo da Mulher Como Campo de Batalha estreia uma nova temporada no Rio de Janeiro | Cabine Cultural
Agenda Cultura pop e ETC Notícias Teatro

O Corpo da Mulher Como Campo de Batalha estreia uma nova temporada no Rio de Janeiro

O Corpo da Mulher - Foto Nil Caniné

O Corpo da Mulher – Foto Nil Caniné

O espetáculo busca ampliar o universo desta personagem, sua dor, seu isolamento em uma clínica, o ódio de si mesma, a revolta com o mundo, a impotência, mas entende que a vida é mais forte

Por Úrsula Neves

Duas mulheres se cruzam depois da Guerra da Bósnia, uma terapeuta norte-americana e uma jovem bósnia violentada. Ambas revelam suas histórias numa tentativa desesperada de encontrar forças para continuar suas trajetórias. Após duas bem-sucedidas temporadas – no Sesc Copacabana e no Teatro Poeira, O corpo da mulher como campo de batalha, de Matéi Visniec, reestreia dia 4 de novembro, no Teatro I do SESC Tijuca, na Zona Norte do Rio de Janeiro. O espetáculo retrata duas mulheres arrasadas, feridas, que tentam reconstruir a percepção sobre si mesmas e sobre o mundo.

Através de Kate (Ester Jablonski), uma psicoterapeuta americana que trabalha como voluntária, e Dorra (Fernanda Nobre), uma refugiada bósnia vítima de estupro, Visniec deflagra um grito sobre a condição da mulher durante a guerra, quando o estupro era a tática mais utilizada para humilhar e derrotar o inimigo de ambos os lados. A dramaturgia de Matéi Visniec, aliada à direção de Fernando Philbert, tem a potência de traduzir o ser humano ao trazer para a cena a questão da violência contra a mulher sem derrotismo, mas sob o ponto de vista da luta e resistência em todas as guerras, até mesmo as do dia-a-dia.

+  Tom Cruise fala sobre o filme Jack Reacher: Sem Retorno, que estreou nesta quinta nos cinemas brasileiros

Retratos da guerra
“Este espetáculo fala objetivamente de uma jovem que foi uma entre as milhares de mulheres estupradas na guerra da Bósnia e que ficou grávida. Nasceram após a guerra mais de trezentos bebês, resultado de mais de duas mil mulheres grávidas devido aos estupros.

O espetáculo busca ampliar o universo desta personagem, sua dor, seu isolamento em uma clínica, o ódio de si mesma, a revolta com o mundo, a impotência, mas entende que a vida é mais forte e ela, a vida, vai voltando para a personagem, vai expulsando a dor e a revolta.

No contraponto a psicóloga que veio para Bósnia para trabalhar com as equipes que abrem as valas comuns aonde os corpos das vítimas de execuções em massa foram jogados. Ela também sofreu a violência da crueza dos fatos, da imagem descomunal de muitos corpos enterrados, e, não suportando mais, pede para ir trabalhar nesta clínica entre a Suíça e Alemanha que recebe algumas mulheres refugiadas da guerra. É lá que ela descobre que para ter um equilíbrio precisa interagir e buscar tirar do isolamento voluntário Dorra, a jovem refugiada.

+  Espetáculo A Anta de Copacabana está em cartaz no espaço cultural Kult Kolector, no Rio de Janeiro

Apesar de contar uma história dura e verdadeira, o espetáculo encontra caminho na força que a vida tem, na força que a vida exerce sobre cada um mesmo vivendo a pior das tragédias, pois lá fora tem gente e o dia segue, e, mesmo não acreditando que se possa contar tudo, que o tempo cure tudo, como diz a jovem violentada, o espetáculo se lança na força destas mulheres que sobreviveram e estão diante da vida.

Ficha Técnica
Texto: Matéi Visniec
Tradução Alexandre David
Direção: Fernando Philbert
Elenco: Ester Jablonski e Fernanda Nobre
Iluminação: Vilmar Olos
Cenário e Figurino: Natália Lana
Trilha / Música Original: Tato Taborda
Direção de Movimento: Marina Salomon
Direção de Produção: Sergio Canizio
Realização: Jablonsky Produções Artísticas Ltda
Assessoria de Imprensa: Lu Nabuco Assessoria em Comunicação

+  Premiado em Recife, o espetáculo Luas de Há Muito Sóis está no CCBB-Rio até 4 de dezembro

SERVIÇO
O CORPO DA MULHER COMO CAMPO DE BATALHA

Nova Temporada: 4 a 27 de novembro de 2016
Horários: Sextas, sábados e domingos, às 20h
Local: Teatro I – SESC Tijuca (Rua Barão de Mesquita, 539 – Tijuca)
Valor Ingresso: R$20 (inteira), R$10 (meia) e R$5 (comerciário)
Tel.: 3238-2072
Duração: 70 minutos
Classificação: 14 anos
Gênero: Drama
Capacidade: 228 lugares

 

Deixe uma resposta