Crítica: Globo estreia em janeiro a série Raízes, obra-prima sobre racismo, escravidão e luta pela liberdade | Cabine Cultural
Notícias Séries Televisão

Globo estreia em janeiro a série Raízes, obra-prima sobre racismo, escravidão e liberdade

Raízes

Raízes

 

Série estreia no dia 3 de janeiro e promete emocionar todos os espectadores da emissora; já foi exibida no Canal History

O ano de 2017 promete ser um dos mais ricos em termos de atrações televisas na rede aberta. A Rede Globo, e as outras emissoras, vem apostando cada vez mais em projetos ousados, seja originais, seja comprados de fora. Um desses projetos, dos mais relevantes, terá estreia no dia 3 de janeiro, da tela da Rede Globo.

Estamos falando da minissérie Raízes, uma obra-prima que discute racismo, escravidão e a luta pela liberdade. Indicada a seis Emmys, incluindo o de melhor minissérie, Raízes é uma nova adaptação do clássico de Alex Haley, que se tornou fenômeno televisivo nos anos 1970 – inclusive no Brasil, onde foi transmitida pela própria emissora.

+  Vídeos: confira especial com a série Raízes, a mega produção que a Globo exibe em janeiro

A minissérie de oito episódios traz um elenco premiado com atores como Laurence Fishburne (vencedor do Emmy), Forrest Whitaker (vencedor do Oscar), Anna Paquin (vencedora do Oscar), Jonathan Rhys Meyers e Anika Noni Rose.

A história
A nova versão de Raízes continua sendo um retrato histórico dos mais relevantes da escravidão norte-americana e que relata o drama de uma família para sobreviver, resistir e continuar seu legado, apesar das enormes dificuldades e crueldades que tiveram de enfrentar.

Abrangendo várias gerações, a família começa com o jovem Kunta Kintê, que é capturado em sua terra natal, Gâmbia, e transportado em condições desumanas para a América colonial, onde é vendido como escravo. Ao longo da série, a família segue enfrentando adversidades, enquanto testemunha e contribui com acontecimentos importantes na história dos Estados Unidos: as guerras civis e revolucionárias, as rebeliões dos escravos e a eventual emancipação.

+  Audiência: BBB 17 vence mas não convence e Record consolida vice liderança

As histórias de Kunta Kintê, e das mulheres e homens que vieram depois dele fazem eco na história de milhões de norte-americanos de origem africana e revelam poderosas verdades sobre a resistência universal do espírito humano.

Deixe uma resposta