Crítica Assassin’s Creed: um completo desastre? | Cabine Cultural
Cinema Críticas Notícias

Crítica Assassin’s Creed: um completo desastre?

Assassin’s Creed

Assassin’s Creed

Dirigido por Justin Kurzel. Roteirizado por Michael Lesslie, Adam Cooper, Bill Collage. Baseado no vídeo-game Assassin’s Creed por Ubisoft. Elenco: Michael Fassbender, Marion Cotillard, Jeremy Irons, Brendan Gleeson, Charlotte Rampling, Michael K. Williams

Um dos maiores e mais bem-sucedido jogo de vídeo-game agora possui adaptação cinematográfica: Assassin’s Creed.

Em 1492, na Espanha, a história dá início em torno da vida de Aguilar (Fassbender), um dos membros de um grupo secreto denominados assassinos, que lutam para acabar com as opressões e a busca por poder de outra organização chamada Templário. Em seguida, em um flashforward, acompanhamos a reencarnação do ancestral em Callum Lynch (Fassbender), um menino que testemunha na sua infância a morte de sua mãe pelo seu pai, igualmente membro do grupo de assassinos. Na sequencia, em mais um flashforward, o acompanhamos já na fase adulta, prestes a ser executado em uma prisão por homicídio, sendo então resgatado pela Dra. Sofia Rikkin (Cotillard), uma cientista que o recruta para acabar com a violência no mundo.

+  Vídeo: vale a pena assistir Assassin’s Creed?

Em uma referência ao que seria Matrix, Lynch é apresentado a um programa Animus que desperta sua memória genética, ou seja, a de Aguilar, com o intuito de achar uma “Maçã do Éden” (que não é uma maçã, e por sinal, o que ela faz realmente é um mistério que nunca é desvendado) que permite controlar os impulsos humanos agressivos (em outra referência à Laranja Mecânica) e, por conseguinte, atingir o tal objetivo almejado pelos cientistas… Continua a leitura







Deixe uma resposta