Minissérie Cidade dos Homens tem estreia nesta segunda na Globo | Cabine Cultural
Notícias Séries Televisão

Minissérie Cidade dos Homens tem estreia especial nesta segunda na Globo

Cidade dos Homens - Divulgação Globo

Cidade dos Homens – Divulgação Globo

Mais de uma década após o final da última temporada, a trama retorna para dar continuidade às vidas de Acerola e Laranjinha

Passado, presente e futuro. Com estas três perspectivas em mente a Rede Globo estreia nesta terça-feira em sua programação a minissérie Cidade dos Homens. Bem, estreia a “nova temporada”, se levarmos em consideração que a série já foi um dos principais produtos da emissora na década passada.

A estreia acontece na terça, mas nesta segunda, dia 16 de janeiro, a emissora faz um lançamento especial da série, logo depois de Dois Irmãos.

Relevante, bem escrita e com uma gama de assuntos dos mais relevantes para tratar, Cidade dos Homens foi uma das grandes ferramentas de reflexão social e racial na televisão nos anos 2000. Por isso, a expectativa pela volta dos dois principais personagens (Acerola e Laranjinha) é das maiores.

A minissérie escrita por George Moura e Daniel Adjafre, com direção de Pedro Morelli, vai contar a luta de Laranjinha para salvar o filho Davi (Luan Pessoa), após descobrir que ele tem uma grave doença.

Sempre com a ajuda do fiel amigo Acerola, que agora é pai de Clayton (Carlos Eduardo Jay), o seriado que foi indicado ao Internacional Emmy Award em 2005, vai mostrar que o tempo passou, mas os problemas na comunidade continuam bem parecidos.

George Moura inclusive contou recentemente o motivo pelo qual ele topou dar continuidade à série, uma das mais aplaudidas da emissora na década passada,

Tínhamos dois grandes atores, dois grandes personagens, e a gente se perguntava o que teria acontecido com eles. Com uma história tão interessante, por que não revisitar? Ficamos pensando na melhor maneira de voltar a essa história e escolhemos recontá-la através da reexibição de episódios marcantes, que mostrassem o processo físico de envelhecimento deles e, ao mesmo tempo, nos ajudassem a contar a nova história. Assim, o público poderá matar a saudade e conhecer um novo Laranjinha e um novo Acerola“, afirma.

UCI OrientCinemas

Deixe uma resposta