Manchester by the Sea e The Salesman: E o Oscar Vai Para a... Amazon | Cabine Cultural
Cinema Notícias Oscar

Manchester à Beira-Mar e The Salesman: E o Oscar Vai Para a… Amazon

Manchester à Beira-Mar

Manchester à Beira-Mar

Ainda mais surpreendente é que tanto Manchester by the Sea como The Salesman são filmes com gêneros considerados pouco lucrativos nos Estados Unidos

Por Daniel Bydlowski

Em meio ao jornalismo e um público altamente politizado – que está sempre focado em mensagens sociais e raciais dos indicados ao Oscar – é fácil não dar atenção para a maior surpresa na lista das produções para os Prêmios da Academia de 2017: A Amazon conta com sete indicações, fazendo história como a primeira provedora de vídeo streaming a conseguir tal feito. Dentre as categorias, Manchester à Beira-Mar concorre como melhor filme e The Salesman como melhor filme estrangeiro. Tal conquista posiciona a empresa como um importante contribuinte no ramo cinematográfico e também manda uma forte mensagem ao seu maior concorrente, Netflix, que anteriormente apostou sem grande sucesso em Beasts of No Nation, filme que conta a trajetória de uma criança que luta na guerra em um país africano.

Leia também:  Críticas: Netflix estreia quatro dos filmes indicados ao Oscar, incluindo Moonlight

Ainda mais surpreendente é que tanto Manchester à Beira-Mar como The Salesman são filmes com gêneros considerados pouco lucrativos nos Estados Unidos, o que é um investimento arriscado para os grandes estúdios tradicionais. Por outro lado, o sucesso do streaming, tanto da Netflix quanto da Amazon, possibilita apostar em novas ideias que em outros cenários seriam colocadas de lado.

Manchester à Beira-Mar conta a história de Lee Chandler, interpretado por Casey Affleck – também nomeado ao Oscar. No filme, ele recebe a notícia de que seu irmão acaba de morrer. Quando Lee volta para a cidade natal, outros acontecimentos ainda mais trágicos são revelados ao público de maneira forte e sem misericórdia. O diretor, Kenneth Lodergan, também indicado como melhor diretor, mostra a tragédia vivida por Lee intercalando a dor com um humor seco. O cenário do longa dá dimensão ao sofrimento do personagem, que como o grande mar do filme, se amplifica até o horizonte.

Manchester à Beira-Mar

Manchester à Beira-Mar

Este gênero cinematográfico, baseado em relacionamentos pessoais repletos de sofrimento, também faz parte de The Salesman, do diretor iraniano Asghar Farhadi, que já ganhou um Oscar pelo filme A Separation. The Salesman conta a história de um casal de atores, interpretados por Taraneh Alidoosti e Shahab Hosseini, que alugam um apartamento novo já que o lugar onde moram está para desmoronar. Assim como Manchester à Beira-Mar que tem uma estética pessoal refletindo o sofrimento do protagonista revelada no decorrer da história, os personagens do The Salesman acabam descobrindo segredos sobre o novo lar.

Leia também:  Crítica Um Limite Entre Nós: o filme que deu o Oscar para Viola Davis

O filme do iraniano é um dos cotados para ganhar o Oscar de melhor filme estrangeiro enquanto Manchester à Beira-Mar mesmo sendo um grande sucesso de crítica, não está entre os favoritos, posto ocupado por La La Land e Moonlight. Porém, para a Amazon, o prêmio já está ganho: o sucesso de seu serviço streaming estará além da tela do computador. Só resta saber se a Netflix investirá mais na telona em 2018.

Daniel Bydlowski é cineasta brasileiro com Master in fine Arts pela University of Southern of California e doutorando na University of California, em Santa Barbara, nos Estados Unidos. É membro do Directors Guild of America. Trabalhou ao lado de grandes nomes da indústria cinematográfica como Mark Jonathan Harris e Marsha Kinder em projetos com temas sociais importantes. Atualmente, está produzindo Nano Éden, primeiro longa em realidade virtual em 3D

Deixe uma resposta